Escolas, pandemia e conversação: notas sobre uma educação inútil

Palavras-chave: educação, gestos políticos, inutilidade

Resumo

O presente texto compartilha ideias e inquietações em torno da possibilidade de pensar a educação como comunidade e conversação, experiência de viver e pensar nas diferenças, potência para re-invenção de si, do outro e do mundo numa perspectiva ecológica, a partir de experiências investigativas vividas no Brasil e na Argentina. Tendo como disparadores narrativas docentes produzidas por professores de diferentes disciplinas e níveis de escolaridade em um contexto investigativo de conversa, reflete sobre modos e maneiras de pensar e plasmar o educativo, bem como algumas ideias quase já transparentes de tão usuais, as quais obliteram a potência transformativa da escola. Advogamos pela escuta como princípio educativo ao lado da inutilidade, aqui pensada como suspensão da aceleração e da necessidade de produção desenfreada. Como pano de fundo, o texto indaga o contexto de pandemia vivido e suas implicações para nossos processos educativos, sublinhando a necessidade de reaprendermos a pensar a escola desde a vida e o desejo que afloram e ganham corpo em seu interior, minusculamente, por meio de gestos políticos.

Biografia do Autor

Tiago Ribeiro, Instituto Nacional de Educação de Surdos (Ines)

Doutor em Educação. Professor do Departamento de Educação Básica do Instituto Nacional de Educação de Surdos (Ines), Brasil, e do Programa Específico em Formação de Investigadores Narrativos/Doutorado em Educação da Universidad Nacional de Rosario, Argentina. Cocoordenador do Grupo ArteGestoAção

Carlos Skliar, Facultad Latinoamericana de Ciencias Sociales (Flacso), Buenos Aires, Argentina.

Doutor em Ciências da Recuperação Humana. Professor da Facultad Latinoamericana de Ciencias Sociales (Flacso) −  Argentina. Pesquisador do Consejo Nacional de Investigaciones Científicas y Técnicas (Conicet).

Referências

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

CONCHEIRO, Luciano. Contra el tiempo: Filosofía práctica del instante. Barcelona: Anagrama, 2016.

FANON, Frantz. Los condenados de la tierra. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2015.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GARCIA, Regina Leite. Método: pesquisa com o cotidiano. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

KOHAN, Walter. O mestre inventor: relatos de um viajante educador. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

KRENAK, Ailton. A vida não é útil. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

MASSCHELEIN, Jan; SIMONS, Maarten. Em defesa da escola. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

NAJMANOVICH, Denise. Mirar con nuevos ojos: nuevos paradigmas en la ciencia y pensamiento complejo. 2. ed. Buenos Aires: Editorial Biblos, 2008.

NIETZSCHE, Friedrich. Assim falou Zaratustra. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

OLIVEIRA, Inês Barbosa; ALVES, Nilda (Org.). Pesquisa nos/dos/com os cotidianos das escolas: sobre redes de saberes. 3. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2008.

RANCIÈRE, Jacques. O mestre ignorante: cinco lições sobre a emancipação intelectual. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

RIBEIRO, Tiago; SOUZA, Rafael de; SAMPAIO, Carmen Sanches. Conversa como metodologia de pesquisa: por que não? Rio de Janeiro: Ayvu, 2018.

SKLIAR, Carlos. A escuta das diferenças. Porto Alegre: Mediação, 2019.

SÜSSEKIND, Maria Luiza; FERNANDES, Maria Dilnéia Espíndola. Os debates sobre os currículos nacionais e a defesa da educação democrática. Linguagem, Educação e Sociedade, Teresina, Ano 24, n. 41, jan./abr. 2019.

Publicado
2020-09-11
Seção
Dossiê: As (novas) políticas curriculares para formação docente: paradoxos e pro