Cursos Superiores de Tecnologia no contexto da internacionalização e da expansão da Educação Profissional e Tecnológica

Palavras-chave: cursos superiores de tecnologia, educação profissional e tecnológica, internacionalização do ensino superior

Resumo

O que significava criar instituições de ensino superior como centros tecnológicos formadores de tecnólogos no fim dos anos 1960? Que sentido foi dado a essa concepção ao longo da implementação e consolidação dos cursos superiores de tecnologia, considerando a internacionalização e a expansão da educação profissional e tecnológica? O presente estudo destaca a trajetória e o significado dos cursos superiores de tecnologia desde sua origem, passando por suas transformações ao longo do processo de expansão das redes de educação profissional e tecnológica nos anos 2000, quando houve uma ênfase nesses cursos como parte das estratégias nacionais de internacionalização da educação. A relevância do que se desenvolve neste artigo, enfatizando-se a experiência paulista, dá-se por conta dos poucos estudos relacionados a esses cursos enquanto modalidade de ensino superior e também porque as políticas educacionais pós-2016 sinalizam para uma reestruturação das universidades e o desmonte das condições para o desenvolvimento da pesquisa, colocando no centro das reformulações legais e disputas institucionais a ênfase na profissionalização e na internacionalização como estratégias de formação e fornecimento de mão de obra para o mercado de trabalho em escala global. 

Biografia do Autor

Sueli Soares dos Santos Batista, Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza (CEETEPS)

Pós-doutorado realizado no Dep. de História e Filosofia da Educação da Faculdade de Educação da Unicamp. Doutorado e mestrado em Psicologia da Aprendizagem e do Desenvolvimento Humano pela Universidade de São Paulo (USP). Graduação em História pela USP, e em Filosofia pela Unicamp. Professora e pesquisadora do Mestrado Profissional do Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza (CEETEPS). Coordenadora do Núcleo de Estudos de Tecnologia e Sociedade (NETS-Fatec Jundiaí) e do Grupo de Fundamentos da Educação Profissional e Tecnológica vinculado à pós-graduação. 

Emerson Freire, Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza (CEETEPS).

Pós-Doutorado realizado no Departamento de Sociologia da Unicamp. Doutor em Sociologia pela Universidade Estadual de Campinas, e em Filosofia, pela Université de Paris 1 − Panthéon Sorbonne – França. Mestrado em Política Científica e Tecnológica pela Universidade Estadual de Campina. Professor e pesquisador no Mestrado em Educação Profissional do Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza (CEETEPS) e na Fatec Jundiaí, onde coordena o Núcleo de Estudos de Tecnologia e Sociedade (NETS).

Darlan Marcelo Delgado, Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza (CEETEPS)

Pós-doutorado em Educação, realizado no Departamento de Educação (DEd) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Doutor em Educação Escolar. Mestre em Educação pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Bacharel em Ciências Econômicas pela Universidade de São Paulo (USP), e licenciado em Matemática pelo Centro Universitário Claretiano de Batatais. Professor de Nível Superior III, em Regime de Dedicação Exclusiva no Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza (CEETEPS), trabalhando na Unidade de Pós-Graduação, Extensão e Pesquisa − Mestrado Profissional em Gestão e Desenvolvimento da Educação Profissional, e na Faculdade de Tecnologia de Mococa, SP (FATEC Mococa).

Referências

ALMEIDA FILHO, Naomar. Universidade nova: textos críticos e esperançosos. Brasília: UnB; Salvador: EDUFBA, 2007.

AZEVEDO, Mário Luiz N. A integração dos sistemas de educação superior na Europa: de Roma a Bolonha ou da integração econômica à integração acadêmica. In: SILVA JR., João dos Reis; OLIVEIRA, João Ferreira de; MANCEBO, Deise (Org.). Reforma universitária: dimensões e perspectivas. Campinas, SP: Alínea, 2006. p. 171-86.

BATISTA, Sueli Soares dos S. Educação profissional e tecnológica: politecnia e emancipação. In: ALMEIDA, Ivanete B.; BATISTA, Sueli Soares dos S. (Org.). Educação tecnológica: reflexões, teorias e práticas. São Paulo: Paco Editorial, 2012. p. 27-38.

BRANDÃO, Marisa. Cursos superiores de tecnologia: democratização do acesso ao ensino superior? Revista Trabalho Necessário, ano 5, n. 5, 2007. Disponível em: https://periodicos.uff.br/trabalhonecessario/article/view/4607. Acesso em: 5 ago. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Catálogo Nacional de Cursos Superiores de Tecnologia (CNCST). 2016. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_ docman&view=download&alias=44501-cncst-2016-3edc-pdf&category_slug=junho2016-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 22 out. 2017.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Decreto n. 7.642, de 13 de dezembro de 2011. Institui o Programa Ciência sem Fronteiras. Diário Oficial da União, Brasília, 14 dez. 2011. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/ decreto/d7642.htm. Acesso em: 22 out. 2019.

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR (CAPES). Ciência sem fronteiras: um programa especial de mobilidade internacional em Ciência, Tecnologia e Inovação. 2011. Disponível em: http://www.capes.gov.br/images/stories/download/Ciencia-sem-Fronteiras_DocumentoCompleto_julho2011.pdf. Acesso em: 2 out. 2019

CARVALHO, Alan Henrique Pardo. A formação tecnológica e os cursos sequenciais: uma visão do corpo docente de um curso sequencial da área de tecnologia da informação. 2005. Dissertação (Mestrado em Tecnologia) – Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza (Ceeteps), São Paulo, 2005.

CASTRO, Claudio de Moura. Os community colleges: uma solução viável para o Brasil? Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, 2000. (Série Documental. Textos para discussão).

CENTRO EUROPEU PARA O DESENVOLVIMENTO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL (CEDEFOP). 1999. O Sistema de Formação Profissional em Portugal. Disponível em: https://www.cedefop.europa.eu/files/7009_pt.pdf. Acesso em: 30 set. 2019

CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA. (CONFEA). Resolução n. 313, de 26 de setembro de 1986. Dispõe sobre o exercício profissional dos Tecnólogos das áreas submetidas à regulamentação e fiscalização instituídas pela Lei n. 5.194, de 24 dez. 1966, e dá outras providências. Disponível em: http://normativos.confea.org.br/ementas/visualiza.asp?idEmenta=361&idTipoEmenta=5&Numero=. Acesso em: 12 dez. 2019.

FIALA, Diane Andreia de Souza. A política de expansão da educação profissional e tecnológica de graduação pública no estado de São Paulo (2000-2007). 2016. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2016.

GONÇALVES, Rafael. Educação tecnológica e empregabilidade: acompanhamento de egressos da Fatec-SP. 2007. Dissertação (Mestrado em Tecnologia) – Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza (Ceeteps), São Paulo, 2007.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Sinopses Estatísticas da Educação Superior 2011-2018. Brasília: Inep, 2011-2018. Disponíveis em: http://inep.gov.br/censo-da-educacao-superior. Acesso em: 2 out. 2019.

MACHADO, Lucília Regina de Souza. O profissional tecnólogo e sua formação. In: BUENO, Maria Sylvia Simões; ALVES, Giovanni (Org.). Trabalho, educação e formação profissional: perspectivas do capitalismo global. Campinas, SP: Autores Associados, 2008.

MARTINS, Carlos Benedito. A reforma universitária de 1968 e a abertura para o ensino superior privado no Brasil. Educação & Sociedade, Campinas, SP, v. 30, n. 106, p. 15-35, jan./abr. 2009.

MOTOYAMA, Shozo (Org.). Educação técnica e tecnológica em questão: 25 anos do Ceeteps – uma história vivida. São Paulo: Editora da Unesp: CEETEPS, 1995.

OLIVEIRA, Regina Rita de Cássia. Cursos “superiores” de curta duração – esta não é uma conversa nova. Revista Educação Tecnológica, Belo Horizonte, v. 8, n. 2, p. 18-25, jul./ dez. 2003.

OLIVEIRA, Ramon. Jovens, ensino médio e educação profissional. São Paulo: Papirus, 2012.

PINTO, Marialva Moog; LARRECHEA, Enrique Martínez Larrechea. Internacionalização da educação superior: uma análise das tendências de mobilidade dos estudantes entre países do norte e do sul global. Revista Avaliação (Campinas), Sorocaba, SP, v. 23, n. 3, p. 718-35, set./dez. 2018.

SANTOS, Lincoln de Araújo. A alternativa para o progresso: o nacionalismodesenvolvimentista, seus intelectuais e o planejamento educacional dos anos 1960 no Brasil. Revista Brasileira de História da Educação, Maringá, PR, v. 19, e057, 2019.

TEIXEIRA, Anísio. Educação no Brasil. São Paulo: Nacional, 1969.

Publicado
2020-08-20
Seção
Artigos