Professores de uma escola pública paulista analisam o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM)

  • Juliana Cristina Perlotti Piunti Instituto Federal de São Paulo - Câmpus Sertãozinho.
  • Rosa Maria Moraes Anunciato UFSCar
Palavras-chave: ENEM, política avaliativa, docência.

Resumo

O ensino médio está em evidência nas atuais discussões políticas sobre educação no Brasil. A reforma que altera significativamente a LDB 9.394/96 coloca em debate as reais e conflitivas demandas dessa etapa de ensino. Em momento paralelo à polêmica da Lei de Reforma do Ensino Médio, tornaram-se públicas as notas do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), gerando novas discussões na sociedade. Procuramos contribuir para esse debate sobre o ensino médio buscando compreender a perspectiva de professores sobre as repercussões do Exame Nacional do Ensino Médio na sua prática profissional. A análise dos dados de entrevistas com professores de uma escola pública estadual paulista revela que eles consideram que as mudanças constantes no plano curricular prejudicam o ensino médio e dificultam a definição de sua identidade. A partir da literatura sobre política educacional e estudos sobre a docência, aponta-se que os participantes dão novo significado às políticas educacionais no contexto em que as vivenciam como docentes e, assim, evidenciam as contradições no processo de busca por uma identidade para o ensino médio e para a mudança nas práticas docentes. 

Biografia do Autor

Juliana Cristina Perlotti Piunti, Instituto Federal de São Paulo - Câmpus Sertãozinho.
Professora de Sociologia do Instituto Federal de São Paulo - Campus Sertãozinho.
Rosa Maria Moraes Anunciato, UFSCar
Professora do Departamento de Teorias e Práticas Pedagógicas e do
Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de São Carlos.

Referências

BALL, S. J. Education reform: a critical and post-structural approach. Buckingham and Philadelphia: Open University Press, 1994.

BALL, S. J.; MAINARDES, J. (Org.). Políticas educacionais: questões e dilemas. São Paulo: Cortez, 2011.

BONAMINO, A.; SOUSA, S. Z. Três gerações de avaliação da educação básica no Brasil: interfaces com o currículo da/na escola. Educação e Pesquisa [online], São Paulo, v. 38, n. 2, p. 373-88, abr./jun. 2012.

BRASIL. Lei nº 13.145, de 16 de fevereiro de 2017. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.

______. Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CEB n. 5, de 4 de maio de 2011. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino médio. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php? option=com_content&view=article&id=16368&Itemid=866>. Acesso em: 22 jul. 2012.

______. Ministério da Educação (MEC). Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Resumo técnico – Censo Escolar. Brasília, 2010.

______. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm >. Acesso em: 21 maio 2018.

FANFANI, E. T. Los que ponen el cuerpo. El profesor de secundaria en la Argentina actual. Educar em Revista, Curitiba, PR, v. 26, número especial, p. 37-76, set. 2010. Disponível em: <http://revistas.ufpr.br/educar/article/view/20464>. Acesso em: 27 abr. 2017.

GATTI, B. A.; BARRETO, E. S. de S. Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: UNESCO, 2009. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0018/001846/184682por.pdf>. Acesso em: 20 fev. 2015.

HUBERMAN, M. The model of the independent artisan. In: LITTLE, J. W.; MCLAUGHLIN, M. W. (Ed.). Teachers’ professional relations in teachers’ work. Individual, colleagues and contexts. Chicago: Teacher College Press, 1993.

LIMA, P.; MARRAN, A. A avaliação de políticas educacionais por meio da abordagem teórico-analítica do ciclo de políticas. Práxis Educativa, Ponta Grossa, PR, v. 8, n. 1, p. 41-62, jan./jun. 2013. Disponível em: http://www.revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa/article/view/5370. Acesso em: 20 fev. 2015.

MARCELO, C.; VAILLANT, D. Desarrollo professional docente. Cómo se aprende a enseñar? Madrid: Narcea, 2009. 176p.

MAROY, C. Towards post-bureaucratic modes of governance. In: STEINER-KHAMSI, G.; WALDOW, F. (Ed.). World yearbook of education 2012: policy borrowing and lending in education. London: Routledge, 2012. p. 62-93.

PIUNTI, J. C. P.; OLIVEIRA, R. M. M. A. de. Processos de socialização: diferentes aprendizagens em um curso pré-vestibular. Série-Estudos, Campo Grande, MS, n. 30, p. 383-97, jul./dez. 2010. Disponível em: <http://www.serie-estudos.ucdb.br/index.php/serie-estudos/article/view/203/206>.

SILVA, M. R. Competências: a pedagogia do “novo Ensino médio”. Tese (Doutorado em Educação), Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2003.

SOUSA, S. M. Z. L. Possíveis impactos das políticas de avaliação no currículo escolar. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 119, p. 175-90, jul. 2003.

Publicado
2018-05-23
Seção
Artigos