Corpos sem órgãos versus cisheteronormatividade: os territórios do corpo nas artes, na sociedade e na escola

Palavras-chave: corpos sem órgãos, artes visuais, escola

Resumo

O corpo sem órgãos consiste em um conceito que, embora tenha surgido com o dramaturgo Artaud, foi desenvolvido por Deleuze e Guattari para discutir as possibilidades múltiplas de experimentação do corpo, para além da sua estratificação enquanto organismo. Este artigo implica uma reflexão sobre os territórios do corpo em manifestações contemporâneas das artes visuais, acerca de sua funcionalidade, seus espaços e seus condicionamentos. Entende-se que a estratificação, a territorialização e a normalização dos corpos são perpassadas pelos desígnios da cisheteronormatividade, que exige deles determinadas condutas sexuais e de gênero. Considerando que a escola, conforme apontam as pesquisas de Foucault, representa uma instituição tradicionalmente voltada ao funcionamento da disciplina e da regulação dos corpos, tornando-os dóceis e aproximados da norma, nesse panorama, as artes, como campo de conhecimento, significam um caminho pedagógico para abordar e questionar os territórios do corpo, suas manifestações, assim como a multiplicidade inerente nele.

Biografia do Autor

Sabina Sebasti, Universidade Federal de Pelotas (UFPEL)

Doutoranda em Educação pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Bolsista CAPES. Mestre em Artes Visuais pela UFPel. Graduada em Licenciatura em Artes Plásticas y Visuales pela Universidad de la Republica Uruguay (UDELAR). Artista Visual. Docência em Nível Superior em Artes pela UDELAR. Professora no curso Bacharelado em Produção e Política Cultural na Universidade Federal do Pampa. Formação interdisciplinar em Avaliação de Metodologias de Ensino. Pesquisadora em Educação Artística, com especial interesse em desenvolvimento de metodologias experimentais.

Ana Gabriela da Silva Vieira , Universidade Federal de Pelotas (UFPEL)

Doutoranda em Educação na linha de Epistemologias Descoloniais, Educação Transgressora e Práticas de Transformação na Universidade Federal de Pelotas (UFPEL). Mestre em Educação na linha de Epistemologias Descoloniais, Educação Transgressora e Práticas de Transformação pela UFPEL. Graduada em História − Licenciatura pela UFPEL.

Marcio Caetano, Universidade Federal de Pelotas (UFPEL)

Pós-doutor em Currículo e Narrativas Audiovisuais, com apoio do PNPD-CAPES, pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Doutor e mestre em Educação pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Graduado em História pela UERJ. Coordenador do Centro de Memória LGBTI João Antônio Mascarenhas (UFPEL/FURG/UFES/UFOB). Docente na Faculdade de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Colaborador no Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências da Universidade Federal do Rio Grande (FURG).

Referências

ABRAMOVIC, Marina. Marina Abramovic on performing Rhythym 0 (1974). Marina Abramovic Institute, 2017. Disponível em: https://youtu.be/xTBkbseXfOQ. Acesso em: 21 ago. 2021.

ARTAUD, Antonin. Para terminar con el juicio de dios y otros poemas. Buenos Aires: Ediciones Caldén, 1975.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

DELEUZE, Gilles. Conversações 1972-1990. São Paulo: Editora 34, 1992.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs. São Paulo: Editora 34, 2012. V. 3.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2018.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 2010.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Editora Vozes, 1997.

MONDZAIN, Marie-José. Nada, tudo, qualquer coisa: ou a arte das imagens como poder de transformação. In: NAZAR, Leonor; SILVA, Rodrigo (Org.). A república por vir: arte, política e pensamento para o século XXI. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2011. p. 103-28.

MIRZOEFF, Nicholas. Una introducción a la cultura visual. Barcelona: Paidós, 2003.

SCHÖPKE, Regina. Corpo sem órgãos e a produção da singularidade: a construção da máquina de guerra nômade. Revista de Filosofia Aurora, Curitiba, v. 29, n. 46, p. 285-305, jan./abr. 2017.

ZIZEK, Slavoj. Lacrimae rerum: ensayos sobre cine moderno y ciberespacio. Barcelona: Random House Mondadori, 2006.

Publicado
2022-02-17
Como Citar
Sebasti, S., da Silva Vieira, A. G., & Caetano, M. (2022). Corpos sem órgãos versus cisheteronormatividade: os territórios do corpo nas artes, na sociedade e na escola. Série-Estudos - Periódico Do Programa De Pós-Graduação Em Educação Da UCDB, 26(58), 145-165. https://doi.org/10.20435/serie-estudos.v26i58.1584
Seção
Dossiê: Currículo, resistência e criação com as artes