O Programa São Paulo Faz Escola e a proposta curricular paulista na visão dos professores

Palavras-chave: proposta curricular, Programa São Paulo Faz Escola, Estado de São Paulo

Resumo

Este artigo resulta de uma pesquisa empírica realizada entre 2017-2018, que buscou desvelar a percepção dos professores acerca da proposta curricular implementada a partir do Programa São Paulo Faz Escola (PSPFE) durante a gestão de José Serra (2007-2010). Diante do objetivo precípuo e a partir de uma abordagem qualitativa, realizou-se um estudo de caso em uma escola do interior do estado de São Paulo e coletaram-se os dados a partir de entrevistas semiestruturadas realizadas com nove professores. Os resultados da pesquisa apontam que a falta de participação dos professores na formulação da proposta e as diferenças de concepção de educação presentes nela foram responsáveis pela rejeição dos professores e adoção de estratégias de resistência. Viu-se que, mesmo diante do conjunto de ações que visaram garantir a consolidação da proposta (EFAP, SARESP, Bônus), os professores refletem sobre a prática pedagógica e adotam estratégias para construir um conhecimento contextualizado com a realidade dos seus alunos.

Biografia do Autor

Daiani Vieira Ortega, Universidade Estadual Paulista (UNESP)

Mestra em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP) − Campus de Presidente Prudente, na linha de pesquisa Formação dos Profissionais da Educação, Políticas Educativas e Escola Pública. Bacharel e licenciada em Geografia pela UNESP-FCT − Campus de Presidente Prudente. Professora efetiva da rede estadual de ensino. Atualmente, é professora coordenadora na Escola Estadual Prof. Durvalino Grion, em Adamantina. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Políticas Educacionais e Práticas Educativas (GEPPOPE). Área de interesse: Educação, Formação de Professores e Políticas Educacionais.

Silvio Cesar Nunes Militão, Universidade Estadual Paulista (UNESP)

Doutor e mestre em Educação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Graduação em Ciências Sociais − Licenciatura Plena pela UNESP e em Pedagogia pela Universidade Nove de Julho (UNINOVE). Atualmente, é professor assistente doutor do Departamento de Didática da UNESP (FFC − Campus de Marília) e docente do Programa de Pós-Graduação em Educação da UNESP (FCT − Campus de Presidente Prudente). É líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Políticas Educacionais e Práticas Educativas (GEPPOPE). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Política Educacional, atuando principalmente nos seguintes temas: neoliberalismo, organismos internacionais, descentralização, municipalização do ensino, financiamento da educação (FUNDEF/FUNDEB), educação municipal, adoção de sistemas apostilados de ensino e educação de tempo integral.

Referências

ARAÚJO, Ronaldo M. As referências da Pedagogia das Competências. Perspectiva, Florianópolis, v. 22, n. 2, p. 497-524, jul./dez. 2004

ARROYO, Miguel. Ofício de mestre. Petrópolis: Vozes, 2000.

CANTAZARO, Fabiana O. O Programa São Paulo Faz Escola e suas apropriações no cotidiano de uma escola do Ensino Médio. 2012. 126 f. Dissertação (Mestrado em Educação ) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

CAPALBO, Roberta B. Política Pública de Educação e Proposta Curricular do Estado de São Paulo: Percepções sobre a eficácia. 2010. 136 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2010.

CARVALHO, Celso do Prado Ferraz; RUSSO, Miguel Henrique. Educação, regulação e políticas educacionais: o contexto paulista. Eccos Revista Científica, São Paulo, n. 29, p. 135-50, set./dez. 2012.

CASTRO, Maria Helena Guimarães. Nova agenda da educação de São Paulo. Folha de São Paulo, São Paulo, 2007. Disponível em: https://www.saopaulo.sp.gov.br/spnoticias/na-imprensa/artigo-nova-agenda-da-educacao-de-sao-paulo-por-maria-helena. Acesso em: 10 jan. 2020.

CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.

DI GIORGI, Cristiano Amaral Garboggini; MILITÃO, Silvio Cesar Nunes; MILITÃO, Andréia Nunes; PERBONI, Fabio; RAMOS, Regina Célia; LIMA, Vanda Moreira Machado; LEITE, Yoshie Ussami Ferrari. Uma proposta de aperfeiçoamento do PNLD como política pública: o livro didático como capital cultural do aluno/família. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 22, n. 85, p. 1027-56, 2014.

GENTILI, Pablo. A falsificação do consenso: simulacro e imposição na reforma educacional do neoliberalismo. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1998.

GIROUX, Henry. Os professores como intelectuais transformadores: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

LIMA, Licínio C. A escola como organização educativa: uma abordagem sociológica. São Paulo: Cortez, 2001.

MACHADO, Janete da Costa. Trabalho e currículo oficial: contradições e tensões no modo de ser professor contemporâneo. Reflexões sobre os livros-textos. 2011. 248 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2011.

MALDONADO, Luís R. S. Reformas educacionais na perspectiva de docentes: o Programa São Paulo Faz Escola. 2013. 121 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

MARSIGLIA, Ana Carolina. G. O construtivismo como discurso pedagógico oficial na rede de ensino paulista a partir da década de 1980. Revista HISTDEBR, v. 12, n. 45, p. 241-62, 2012.

MUNAKATA, Kazumi. O livro didático e o professor: entre a ortodoxia e a apropriação. In: MONTEIRO, Ana Maria; GASPARELLO, Arlete M., MAGALHÃES, Marcelo de Souza. (Org.). Ensino de História: sujeitos, saberes e práticas. Rio de Janeiro: FAPERI/Manad, 2007.

RAMOS, Géssica P. A política educacional paulista (1995-2010) e seus impactos na identidade da escola e do professor. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, v. 29, n. 3, p. 537-56, set./dez. 2013.

RAMOS, Marise N. A pedagogia das competências: autonomia ou adaptação. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

RUA, Maria das Graças. Para aprender políticas públicas. 3. ed. Brasília: IGEPP, 2013.

SACRISTÁN, José G. O currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: ARTMED, 2000.

SANTOS, Rita C; PIERSON, Alice H. C. As reações dos professores de ciências diante da implantação de novo currículo na rede estadual paulista. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 17, n. 03, p. 585-605, 2015.

SILVA, Marco A. A fetichização do livro didático no Brasil. Educação e Realidade,

Porto Alegre, v. 37, n. 3, p. 803-21, set./dez. 2012.

SILVA, Paulo Aparecido Dias. Pedagogia das competências e construtivismo: aproximações no contexto da reestruturação produtiva. In: ENCONTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO, 1., 23-26 nov., 2010, Porto Velho. Anais [...]. Porto Velho: Editora da Universidade Federal de Rondônia, 2010. p. 01-12.

TORRES, Rosa M. Política educacional. Rio de Janeiro: De Paulo Editora, 2000.

TRIVIÑOS, Augusto. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 2011.

Publicado
2021-06-10
Como Citar
Ortega, D. V., & Militão, S. C. N. (2021). O Programa São Paulo Faz Escola e a proposta curricular paulista na visão dos professores. Série-Estudos - Periódico Do Programa De Pós-Graduação Em Educação Da UCDB, 26(56), 171-193. https://doi.org/10.20435/serie-estudos.v26i56.1431
Seção
Artigos