Cultura visual, gênero e embalagens de jogos de ciência: (Como) meninas brincam de ciência?

(How) girls play science?

Palavras-chave: Educação, Infância, Visualidades

Resumo

 As representações de adultos/as sobre o que é considerado feminino e masculino reforçam estereótipos de gênero e, com isso, brinquedos, jogos e demais artefatos da cultura visual tendem a caracterizar meninos e meninas de formas diferentes. Como as identidades de gênero de meninas e meninos são representadas nos jogos infantis de ciência? As meninas aparecem nas embalagens desses jogos? Quando aparecem, como são apresentadas? Para responder a essas questões, neste artigo, de cunho documental e analítico, temos como objetivo problematizar as representações de ciência e feminilidade nas embalagens de jogos infantis. Para tanto, investigamos 38 embalagens de jogos infantis de ciência comercializados em 2017. Durante a análise, dividimos esse montante de embalagens em cinco grupos, os quais foram investigados sob fundamentos dos Estudos de Gênero e Estudos da Cultura Visual. Avaliamos que as embalagens de jogos científicos analisadas sugerem um “não protagonismo” feminino nos jogos de ciências. Constatamos, nesses artefatos, a ausência de endereçadores visuais que convidem as meninas a brincarem/fazerem ciência − ao menos que as atividades envolvam os cuidados com o corpo, os afazeres domésticos e a atuação como auxiliares.

Biografia do Autor

João Baliscei, Universidade Estadual de Maringá (UEM)

Doutor em Educação pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Mestre em Educação pela UEM. Especialista em Arte-Educação e em Educação Especial pelo Instituto de Estudos Avançados e Pós-Graduação (ESAP). Graduado em Artes Visuais pelo Centro Universitário de Maringá (Unicesumar). É professor no curso de Artes Visuais na UEM e coordenador do Grupo de Pesquisa em Arte, Educação e Imagens (ARTEI). Desenvolve pesquisas sobre Educação, Arte/Ensino de Arte; Estudos Culturais; Estudos da Cultura Visual; Visualidades; Gênero e Masculinidades. Autor do livro “PROVOQUE: cultura visual, masculinidades e ensino de Artes Visuais” (2020) e “Não se nasce Azul ou Rosa, torna-se: Cultura Visual, Gênero e Infâncias” (2021).

Ana Carla Vagliati, Universidade Estadual de Maringá (UEM)

Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Maringá. Mestra em Educação pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE). Pedagoga pela UNIOESTE. Tem experiência na área de Educação, com ênfase na Educação Infantil, Graduação e Pós-Graduação. Desenvolve pesquisa em temas que envolvem representações sociais, formação docente e violência sexual.

Referências

BALISCEI, João Paulo. Não se nasce azul ou rosa, torna-se: cultura Visual, gênero e infâncias. Salvador: Devires, 2021.

BALISCEI, João Paulo. PROVOQUE: cultura visual, masculinidades e ensino de artes visuais. Rio de Janeiro: Metanoia, 2020.

SCIENCE4YOU. Site da Science4you, 2017. Brinquedos e jogos educativos. Disponível em: https://brinquedos.science4you.pt/. Acesso em: 20 abr. 2017.

CASAGRANDE, Lindamir Salete; CARVALHO, Marilia Gomes. Desempenho escolar em Matemática: o que o gênero tem a ver com isso? In: CASAGRANDE, Lindamir Salete; LUZ, Nanci Stancki; CARVALHO, Marília Gomes (Org.). Igualdade na diversidade: enfrentando o sexismo e a homofobia. Curitiba: UTFPR, 2011.

CHINEM, Marina Jugue. As variantes sígnicas da embalagem: as relações da percepção no processo intersemiótico na construção dos estímulos táteis e visuais. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, INTERCOM, 28., set. 2005., Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro, 2005.

CÍVICO, Irene; PARRA, Sergio. Las chicas son de ciências: 25 científicas que cambiaron el mundo. Barcelona: Penguin Random House Grupo Editorial, 2018.

CLEMENTONI. Site da Clementoni, 2017. Every world you can imagine. Disponível em: https://www.clementoni.com/pt/. Acesso em: 20 abr. 2017.

CUNHA, Susana Rangel Vieira. Menin@s nas tramas da cultura visual. In: BUSSOLETTI, Denise; MEIRA, Mirela (Org.). Infâncias em passagens. Pelotas: UFPel, 2010. p. 55-78.

CUNHA, Susana Rangel Vieira. Infância e cultura visual. In: ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO, 31., out. 2008, Caxambu. Anais [...]. Caxambu, 2008.

ESTRELA. Site da Estrela, 2017. Brinquedos Estrela. Disponível em: https://www.estrela.com.br/. Acesso em: 20 abr. 2017.

FARINA, Modesto; PEREZ, Clotilde; BASTOS, Dorinho. Psicodinâmica das cores em Comunicação. 5. ed. rev. e ampl. São Paulo: Edgard Blücher, 2006.

FERRARI, Pri. Coisa de Menina. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 2016.

GOBBI, Marcia Aparecida. Lápis vermelho é de mulherzinha: vinte anos depois. In: FINCO, Daniela; GOBBI, Marcia Aparecida (Org.). Creche e feminismo: desafios atuais para uma educação descolonizadora. Campinas: Edições Leitura Crítica, 2015. p. 137-62.

HERNÁNDEZ, Fernando. Catadores da cultura visual: transformando fragmentos em nova narrativa educacional. Tradução de Ana Duarte. Porto Alegre: Mediação, 2007.

JESUS, Jaqueline Gomes. Homofobia: identificar e prevenir. Rio de Janeiro: Metanoia, 2015.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

LLOYD, Barbara; DUVEEN, Gerard. Un análisis semiótico del desarrollo de las representaciones sociales de género. In: CASTORINA, J. A. Representaciones sociales: problemas teóricos y conocimientos infantiles. Barcelona: Gedisa, 2003.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 1997.

OLIVEIRA, Megg Rayara Gomes. O Diabo em forma de gente: (re)existências de gays afeminados, viados e bichas pretas na educação. 2017. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR, 2017.

PAOLETTI, Jo B. Pink and Blue: telling the boys from the girls in America. Bloomington: Indiana University Press, 2012.

PASTOUREAU, Michel; SIMONNET, Dominique. Breve historia de los colores. Barcelona: Ediciones Paidós Ibérica, 2006.

PERRY, Grayson. La caída del hombre. Barcelona: Malpaso Ediciones, 2016.

RIHAPPY. Site da Ri happy, 2017. Ri happy brinquedos. Disponível em: https://www.rihappy.com.br/. Acesso em: 20 abr. 2017.

SCHOR, Juliet B. Nascidos para comprar: uma leitura essencial para orientarmos nossas crianças na era do consumismo. Tradução de Eloisa Helena de Souza Cabral. São Paulo: Editora Gente, 2009.

SOUZA, Nadia Geisa Silveira. Discutindo práticas implicadas na produção do corpo. In: CAMOZZATO, Viviane Castro; CARVALHO, Rodrigo Saballa; ANDRADE, Paula Deporte (Org.). Pedagogias Culturais: a arte de produzir modos de ser e viver na contemporaneidade. Curitiba: Appris, 2016. p. 33-52.

STEINBERG, Shirley R.; KINCHELOE, Joe L. Sem segredos: cultura infantil, saturação de informações e infância pós-moderna. In: STEINBERG, Shirley R.; KINCHELOE, Joe L. (Org.). Cultura infantil: a construção corporativa da infância. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001. p. 9-52.

VAGLIATI, Ana Carla; CALSA, Geiva Carolina. Lugar de menina é na ciência e onde ela quiser: representações em jogos infantis de ciências. In: SEMINÁRIO BRASILEIRO DE ESTUDOS CULTURAIS E EDUCAÇÃO, 7; SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ESTUDOS CULTURAIS E EDUCAÇÃO, 4., jun. 2017, Canoas. Anais [...]. Canoas, 2017.

XAVIER-FILHA, Constantina. A menina e o menino que brincavam de ser...: representações de gênero e sexualidade em pesquisa com crianças. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro v. 17, n. 51, p. 627-46, 2012.

Publicado
2021-10-18
Como Citar
Baliscei, J., & Vagliati, A. C. (2021). Cultura visual, gênero e embalagens de jogos de ciência: (Como) meninas brincam de ciência? : (How) girls play science?. Série-Estudos - Periódico Do Programa De Pós-Graduação Em Educação Da UCDB, 26(57), 185-208. https://doi.org/10.20435/serie-estudos.v26i57.1505
Seção
Artigos