Imagens da docência com bebês: problematizando narrativas de professoras de creche

  • Rodrigo Saballa de Carvalho Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) - Faculdade de Educação (FACED-UFRGS).
  • Lidianne Laizi Radomski Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS)
Palavras-chave: Educação Infantil, docência, creche.

Resumo

A partir do campo dos Estudos da Pedagogia da Infância, o artigo tem como objetivo evidenciar as imagens de docência de professoras que atuam com bebês em creches. Metodologicamente, foram realizadas 60 entrevistas sobre as percepções das professoras a respeito dos modos como exercem a docência com bebês. Com base nas análises, foram evidenciadas duas imagens de docência como eixos analíticos: o espectro da maternidade e o imperativo do estímulo. Em relação ao primeiro eixo, foi recorrente nas narrativas das professoras a imagem de que elas são substitutas maternas e que têm como função exclusiva o cuidado dos bebês. No segundo eixo, a tônica da imagem foram as narrativas que evidenciam o imperativo de que os bebês sejam estimulados para que se desenvolvam e estejam preparados para os níveis subsequentes da Educação Infantil. Desse modo, infere-se a importância de que o professor entenda que não existe um suposto modelo de atuação profissional a ser seguido na creche, mas uma miríade de possibilidades de constituição docente.

Biografia do Autor

Rodrigo Saballa de Carvalho, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) - Faculdade de Educação (FACED-UFRGS).
Pós - Doutor em Educação (UFPEL), Doutor em Educação (UFRGS), Mestre em Educação (UFRGS). Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGEDU-UFRGS.Professor da área de Educação Infantil no Departamento de Estudos Especializados da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Vice líder do CLIQUE - Grupo de Pesquisas em Linguagens, currículo e cotidiano de bebês e crianças pequenas (UFRGS).
Lidianne Laizi Radomski, Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS)

Acadêmica do 8º semestre do Curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS - Campus: Erechim RS).

Referências

ALVES, Nancy Nonato de Lima. “Amor à profissão, dedicação e o resto se aprende”: significados da docência em Educação Infantil na ambiguidade entre a vocação e a profissionalização. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 29., 2006, Caxambu. Anais eletrônicos... Rio de Janeiro: ANPEd, 2006. CD–ROM.

ARCE, Alessandra. Documentação oficial e o mito da educadora nata na educação infantil. Cadernos de Pesquisa, n. 113, p. 167-184, jul. 2001.

BARBOSA, Maria Carmem Silveira. Três notas sobre a formação inicial e a docência na Educação Infantil. In: CANCIAN, Viviane Ache; GALLINA, Simone Freitas da Silva; WESCHENFELDER, Noeli (Org.). Pedagogias das infâncias, crianças e docências na educação infantil. Santa Maria, RS: UFSM, 2016. p. 131-140.

BARBOSA, Maria Carmem Silveira. Tempo e cotidiano – tempos para viver a infância. Leitura: Teoria e Prática, Campinas, SP, v. 31, n. 6, p. 213-222, nov. 2013.

BARBOSA, Maria Carmem Silveira. Pedagogia da infância. In: OLIVEIRA, D. A.; DUARTE, A. M. C.; VIEIRA, L. M. F. Dicionário: trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2010. p. 10-12.

BARBOSA, Maria Carmem Silveira; RICHTER, Simonis Sandra. Creche: uma estranha no ninho educacional. Dialogia, São Paulo, n. 17, p. 75-92, jan./jun. 2013.

BONDIOLI, Anna; MANTOVANI, Susanna. Manual de Educação de Infantil de 0 a 3 anos. Porto Alegre, RS: Artes Médicas, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: MEC, 2009.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 5 out. 1988.

BROUGERE, Gilles. Vida cotidiana e aprendizagens. In: BROUGERE, Gilles; ULMANN, Anne-lise. Aprender pela vida cotidiana. Campinas, RS: Autores Associados, 2012. p. 11-24.

CAMPOS, Maria Malta. Infância como construção social: contribuições do campo. In: VAZ, Alexandre Fernandez; MOMM, Caroline Machado (Org.). Educação Infantil e sociedade: questões contemporâneas. Nova Petrópolis, RS: Nova Harmonia, 2012. p. 11-20.

CARVALHO, Rodrigo Saballa. O imperativo do afeto na educação infantil: a ordem do discurso de pedagogas em formação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 40, n. 1, p. 231-246, jan./mar. 2014.

______. A emergência das instituições de Educação Infantil. História da Educação, Pelotas, RS, v. 20, n. 1, p. 115-134, set. 2006.

COUTINHO, Ângela Maria Scalabrin. A ação social dos bebês: um estudo etnográfico no contexto da creche. 2009. 312 f. Tese (Doutorado em Estudos da Criança) – Programa de Pós-Graduação em Estudos da Criança, Universidade do Minho, Portugal, 2009.

DUARTE, Fabiana. Professoras de bebês: as dimensões educativas que constituem a especificidade da ação docente. 2011.288f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina.

FOCHI, Paulo Sérgio; CAVALHEIRO, Carina; DRECHSLER, Cláudia Fernando Bergamo. Contribuições de Emmi Pikler para a educação de bebês nos contextos brasileiros. In: CANCIAN, Viviane Ache; GALLINA, Simone Freitas da Silva; WESCHENFELDER, Noeli (Org.). Pedagogias das infâncias, crianças e docências na educação infantil. Santa Maria, RS: UFSM, 2016. p. 297-308.

FOCHI, Paulo Sérgio. Mas os bebês fazem o quê no berçário, heim?: documentando ações de comunicação, autonomia e saber-fazer de crianças de 6 a 14 meses em contextos de vida coletiva. 2013. 172 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

GUIMARÃES, Daniela Oliveira. Relações entre crianças e adultos no berçário de uma creche pública na cidade do Rio de Janeiro: técnicas corporais, responsividade, cuidado. 2008. 222 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

GUY, Vincent; LAHIRE, Bernard; THIN, Daniel. Sobre a história e a teoria da forma escolar. Educação em Revista, Belo Horizonte, MG, n. 33, p. 07-47, jun. 2001.

HOYUELOS, Alfredo. La ética en el pensamento y obra pedagógica de Loris Malaguzzi. Barcelona: Octaedro, 2009.

MANTOVANI, Susanna; PERANI, Rita. Uma profissão a ser inventada: o educador da primeira infância. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 10, n. 1 (28), p. 75-98, mar. 1999.

MOLLO-BOUVIER, Suzanne. Socialização das crianças: uma abordagem sociológica. Educação e Sociedade, Campinas, SP, v. 26, n. 91, p. 391-403, maio/ago. 2005.

ONGARI, Barbara; MOLINA, Paola. A educadora de creche: construindo suas identidades. São Paulo: Cortez, 2003.

RICHTER, Sandra Regina Simonis; BARBOSA, Maria Carmem Silveira. Os bebês interrogam o currículo. Educação, Santa Maria, RS, v. 35, n. 1, p. 85-96, jan./abr. 2010.

ROCHA, Eloisa Acires Candal. A pesquisa em educação infantil no Brasil: trajetória recente e perspectiva de consolidação de uma pedagogia. 1999. 291 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 1999.

SCHMITT, Rosinete Valdeci. As relações sociais entre professoras, bebês e crianças pequenas: contornos da ação docente. 2014. 282 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014.

TARDOS, A; SZANTO, A. O que é autonomia na primeira infância? In: FALK, Judit (Org.). Educar os três primeiros anos: a experiência de Lóczy. Araraquara, SP: JM, 2004. p. 33-46.

ZAGO, Nadir. A entrevista e seu processo de construção: reflexões com base na experiência prática de pesquisa. In: ZAGO, Nadir; CARVALHO, Marilia Pinto; VILELA, R. A. T. (Org.). Itinerários de pesquisa: perspectivas qualitativas em Sociologia da Educação. Rio de Janeiro: DP&A, 2003. p. 287-309.

Publicado
2017-04-26
Seção
Artigos