Devir estético da docência da educação infantil

Palavras-chave: docência, estética, educação infantil

Resumo

Objetiva discutir a produção estética de um currículo acontecimento nos processos de aprendizagens instauradas por professoras da educação infantil pública desejantes, os quais promovem açõespensamentosdesejos curriculares mediante uma abordagem sofisticada do simples. Modos de expressão que emergem de um cuidadoso trabalho de pesquisa e criação docente que busca romper com a centralidade da criança no processo educativo, destacando a constituição de blocos de devires na produção curricular por efeito da produção de um estilo de inscrição estética que envolve o encontro educativo. Opera-se metodologicamente com a cartografia, desenhando um traçado desejante dos percursos intensivos e extensivos de um corpo infantil que, por força dos signos, impulsiona o pensamento pedagógico das infâncias a se lançar às aventuras do fora acompanhadas por Carvalho, Corazza e Deleuze. Pesquisa-intervenção que, utilizando-se da criação de imagens não recognitivas, introduz um ponto de inflexão nas práticas pedagógicas, criando processos inventivos em tomadas de cenas, as quais, por enquadramentos singulares e diferenciais, narram a descontinuidade da produção curricular com as infâncias, fabulando mundos outros. Evidenciam-se outras montagens, arranjos, imagens menores e descontínuas que estão a forjar um intenso movimento micropolítico pelas forças da docência em devir, imagens que convidam a lançar-se ao fora e estranhar-se em um processo de produção de si na perspectiva ético-estético e política.

Biografia do Autor

Ana Paula Holzmeister, Universidade Vila Velha (UVV)

Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Professora Titular da Universidade Vila Velha (UVV).  

Camilla Gonçalves, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Mestre em Educação na Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Doutoranda - UFES

Referências

CARVALHO, Janete Magalhães; LOURENÇO, Suzany Goulart.; ROSEIRO, Steferson Zanoni. Por docências não dogmáticas e existências não mínimas nos cotidianos escolares. In: CARVALHO, Janete Magalhães; SILVA, Sandra Kretli; DELBONI, Tânia Mara Zanotti Guerra Frizzera (Org.). Currículo e estética da arte de educar. Curitiba: CRV, 2020.

CORAZZA Sandra Mara; MONTEIRO, Silas Borges. Transcriação de signos: infantil, aula, docência. In: CARVALHO, Janete Magalhães; SILVA, Sandra Kretli; DELBONI Tânia Mara Zanotti Guerra Frizzera (Org.). Currículo e estética da arte de educar. Curitiba: CRV, 2020.

CORAZZA, Sandra Mara. O que se transcria em educação. Porto Alegre, RS: Editora UFRGS/DOISA, 2013.

DIAS, Sousa. Partir, evadir-se, traçar uma linha: Deleuze e a literatura. Educação, v. 30, n. 62, p. 277-85, maio/ago. 2007. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/848/84806205.pdf. Acesso em: 10 ago. 2021.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 50. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

Publicado
2022-02-17
Como Citar
Holzmeister, A. P., & Gonçalves, C. (2022). Devir estético da docência da educação infantil. Série-Estudos - Periódico Do Programa De Pós-Graduação Em Educação Da UCDB, 26(58), 211-223. https://doi.org/10.20435/serie-estudos.v26i58.1606
Seção
Dossiê: Currículo, resistência e criação com as artes