Olhar ecológico das crianças sobre o processo de aprendizagem nos anos iniciais do Ensino Fundamental

  • Marcia Soares da Silva Universidade Federal do Rio Grande - FURG
  • Narjara Mendes Garcia Universidade Federal do Rio Grande
Palavras-chave: educação ambiental, olhar ecológico, escola, pesquisa com crianças.

Resumo

As crianças podem expressar as suas vivências dentro do ambiente escolar e através dessa manifestação, algumas demonstraram um “olhar ecológico”. Através desse olhar, as crianças podem conhecer o mundo e transformar esse conhecimento em consciência e prática social. O presente estudo teve como objetivo investigar a percepção e interpretação das crianças acerca do processo de escolarização e os sentimentos diante da aprovação e reprovação nos primeiros anos do Ensino Fundamental. Foi realizada uma pesquisa qualitativa com vinte e três crianças do terceiro ano, através de estratégias lúdicas e conversas gravadas. Os resultados dessa pesquisa apontam que as crianças percebem as adversidades enfrentadas no processo de escolarização e sabem expressar os sentimentos de sucesso diante da aprovação ou frustração com a reprovação no primeiro ciclo dos anos iniciais do Ensino Fundamental. As crianças entendem que a reprovação pode ocorrer pela falta de esforço e estudo do educando, assim como problemas e ausência de apoio dos familiares. Diferentemente do que muitos adultos acreditam, as crianças têm um olhar e constroem expectativas a respeito da situação na qual estão imersas e sabem apontar o que pode ser melhor para elas.

Biografia do Autor

Marcia Soares da Silva, Universidade Federal do Rio Grande - FURG
Pedagoga. Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental na Universidade Federal do Rio Grande - FURG. Professora da rede pública de ensino.
Narjara Mendes Garcia, Universidade Federal do Rio Grande
Pedagoga. Doutora em Educação Ambiental. Professora Adjunta no Instituto de Educação da Universidade Federal do Rio Grande- FURG. Professora Permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental. Pesquisa do Núcleo de Pesquisa e Educação da Infância - NEPE/ FURG.

Referências

BRONFENBRENNER, U. Bioecologia do desenvolvimento humano: tornando os seres humanos mais humanos. Porto Alegre: Artmed, 2011.

______. A ecologia do desenvolvimento humano. Experimentos naturais e planejados. 2. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

BRONFENBRENNER, U.; MORRIS, P. The ecology of developmental processes. In: DAMON, W. (Org.). Handbook of child psychology. New York: John Wiley Sons, 1998. V. 1.

CECCONELLO, A. M. Resiliência e vulnerabilidade em famílias em situação de risco. 2003. Tese (Doutorado em Psicologia do Desenvolvimento) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, 2003.

CECCONELLO, A. M.; KOLLER, S. H. Inserção ecológica na comunidade: uma proposta metodológica para o estudo de famílias em situação de risco. In: KOLLER, S. H. (Org.). Ecologia do desenvolvimento humano: pesquisa e intervenção no Brasil. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004.

CHARLOT, B. A mistificação pedagógica: realidades sociais e processos ideológicos na teoria da educação. São Paulo: Cortez, 2013.

CORSARO, W. A. Sociologia da infância. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2011.

CRUZ, S. H. V. A criança fala: a escuta de crianças em pesquisas. São Paulo: Cortez, 2008.

DELGADO, A. C. C.; MULLER, F. Infâncias, tempos e espaços: um diálogo com Manuel Jacinto Sarmento. Currículo sem Fronteiras, v. 6, n. 1, p. 15-24, jan./jun. 2006.

FRANCISCO, Z. F.; ROCHA, E. A. C. “Zé, tá pertinho de ir pro parque?” O tempo e o espaço do parque em uma instituição de Educação Infantil. In: CRUZ, S. H. V. (Org.). A criança fala: a escuta de crianças em pesquisas. São Paulo: Cortez, 2008. p. 307-11.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 25. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

HUTZ, C. S.; KOLLER, S. H.; BANDEIRA, D. R. Resiliência e vulnerabilidade em crianças em situação de risco. In: KOLLER, S. H. Aplicações da Psicologia na melhoria da qualidade de vida. Porto Alegre, RS: ANPEPP, 1996. (Coletâneas da ANPEPP, n. 12, p. 79-86).

KOLLER, S. H. Ecologia do desenvolvimento humano. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004.

LISBOA, C S. M.; KOLLER, S. H. O microssistema escolar e os processos proximais: exemplos de investigações científicas e intervenções práticas. In: KOLLER, S. H. Ecologia do desenvolvimento humano. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004. p. 337-80.

LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo et al. Pensamento complexo, dialética e educação ambiental. São Paulo: Cortez, 2006.

MORAES, L. S. Interlocuções matemáticas na aprendizagem da leitura e da escrita. In: RAPOPORT, A.; SARMENTO, D. F.; NÕRNBERG, M.; PACHECO, S. M. A criança de seis anos: no ensino fundamental. Porto Alegre: Mediação, 2009. p. 83-90.

RAPOPORT, A. Adaptação ao primeiro ano do ensino fundamental. In: RAPOPORT, A.; SARMENTO, D. F.; NÕRNBERG, M.; PACHECO, S. M. A criança de seis anos: no ensino fundamental. Porto Alegre: Mediação, 2009. p. 23-35.

TAVARES, J. Resiliência e educação. São Paulo: Cortez, 2001.

YUNES, M. A. M. Psicologia positiva e resiliência: o foco no indivíduo e na família. Psicologia em Estudo, Maringá, PR, v. 8, número especial, p. 75-84, 2003.

YUNES, M. A. M.; SZYMANSKI, H. Grounded-Theory e a entrevista reflexiva: uma associação de estratégias metodológicas qualitativas para a compreensão da resiliência em famílias. In: GALIAZZI, M. C.; FREITAS, J. V. Metodologias emergentes de pesquisa em educação ambiental. Ijuí, RS: Ed. Unijuí, 2005.

______. Resiliência: noção, conceitos afins e considerações críticas. In: TAVARES, J. (Org.). Resiliência e educação. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2001. p. 13-42.

Publicado
2017-07-28
Seção
Artigos