Gestão democrática e formação de professores

Palavras-chave: educação, gestão democrática, formação de professores

Resumo

Ao refletir sobre gestão democrática e formação de professores no Brasil, com ênfase no caminho traçado para a cidadania, no Estado patrimonial, na universidade pública e no papel dos formadores de professores diante dos mecanismos de participação, este texto objetiva problematizar a formação de professores como um eixo fundante da promoção dos valores que fomentam a atuação voltada para uma gestão democrática na escola, bem como o entendimento da sua importância. Para cumprir com tal objetivo, é feito um estudo exploratório, de abordagem qualitativa. Partimos do pressuposto de que, na Educação Superior, a discussão crítica sobre o papel do Estado e a participação popular estimulam a formação de professores comprometida com  uma proposta de educação (e gestão) conduzida por um processo efetivamente democrático. Esse adjetivo empregado junto ao Estado brasileiro tem um caminho complexo e lento de firmamento de raízes em solo não tão fértil, o que faz com que seja necessário discutir tais idiossincrasias, temendo ventos fortes no sentido contrário, que abalem o pouco de sombra que se formou até aqui.

Biografia do Autor

Ana Lara Casagrande, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

Pós-doutora, doutora e mestre em Educação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Graduada em Letras pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP) e em Pedagogia pela Faculdade de Educação, Ciências e Artes Dom Bosco (FAECA).  Atualmente é professora Adjunta na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

Referências

ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. 5. ed. São Paulo: Perspectiva, 2000. (Coleção Debates, v. 64).

BOURDONCLE, Raymond. L’université et les professions: un itinéraire de recherche sociologique. Paris: L’Harmattan, 1994.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é Educação? 33. ed. São Paulo: Brasiliense, 1995.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília-DF, 1996.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília-DF, 1988.

BRASIL. Constituição Política do Império do Brasil. Rio de Janeiro, 1824.

BRASIL. Assembleia Geral Constituinte e Legislativa. Decisão n. 57. Rio de Janeiro: 1822.

CARVALHO, José Murilo. Cidadania no Brasil: o longo caminho. 14. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

CONTRERAS, José. A retórica do profissionalismo e suas ambiguidades. In: CONTRERAS, José. Autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002. p. 53-85.

FARIAS, Isabel Maria Sabino de. O discurso curricular da proposta para BNC da formação de professores da educação básica. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 13, n. 25, p. 155-68, jan./maio 2019.

FREITAG, Bárbara. Escola, Estado e sociedade. 6. ed. São Paulo: Moraes, 1986. (Coleção Universitária).

GATTI, Bernadete. Formação de professores no Brasil: características e problemas. Educação & Sociedade, Campinas, v. 31, n. 113, p. 1355-79, out./dez. 2010.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

HOLSTON, James. Cidadania insurgente: disjunções da democracia e da modernidade no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

LEVITSKY, Steven; ZIBLATT, Daniel. Como as democracias morrem. 1. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2018.

MENDONÇA, Erasto Fortes. Estado patrimonial e gestão democrática do Ensino Público no Brasil. Educação & Sociedade, Campinas, v. 22, n. 75, p. 84-108, ago. 2001.

MILL, John Stuart. Considerações sobre o governo representativo. São Paulo: Instituição Brasileira de Difusão Cultural, 1964. (Clássicos da democracia).

MOSSÉ, Claude. Atenas: a história de uma democracia. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1979.

NOBRE, Marcos. Ponto-final: a guerra de Bolsonaro contra a democracia. 1. ed. São Paulo: Todavia, 2020.

PAINE, Thomas. Dissertação sobre os primeiros princípios do governo. In: MILL, John Stuart. Considerações sobre o governo representativo. São Paulo: Instituição Brasileira de Difusão Cultural, 1964. p. 141-58. (Clássicos da democracia).

REIS, Maria Firmina. Ah! Não posso. In: REIS, Maria Firmina. Cantos à Beira-Mar. São Luís: Typografia do Paiz, 1871.

SARTI, Flavia Medeiros. Pelos caminhos da universitarização: reflexões a partir da masterização dos IUFM franceses. Educação em Revista, Belo Horizonte v. 29, n. 4, p. 215-44, dez. 2013.

WEBER, Max. Economía y Sociedad: esbozo de Sociología comprensiva. Tradução de José Medina Echavarría et al. México: Fondo de Cultura Económica, 1979.

ZABLUDOVSKY, Gina Kuper. La dominación patrimonial en la obra de Max Weber. Cidade do México: Fondo de Cultura Económica, 1989.

Publicado
2021-10-18
Como Citar
Casagrande, A. L. (2021). Gestão democrática e formação de professores. Série-Estudos - Periódico Do Programa De Pós-Graduação Em Educação Da UCDB, 26(57), 147-165. https://doi.org/10.20435/serie-estudos.v26i57.1498
Seção
Artigos