Trajetórias de profissionalização docente da mulher educadora: monitoras de creche em Naviraí, MS

Palavras-chave: profissão docente, gênero, figurações.

Resumo

O atendimento coletivo das crianças nas creches no Brasil se pautou pela ideia preconcebida de que a mulher, por sua natureza feminina, seria mais bem preparada para assumir as funções naqueles espaços.  Nesse contexto, o objetivo geral neste texto foi dar visibilidade às trajetórias de profissionalização docente de mulheres educadoras de Naviraí, Mato Grosso do Sul. Para tanto, elencaram-se como objetivos específicos saber quando se tornaram monitoras de creche; quais motivos e/ou interesses as levaram à escolha profissional; como questões de gênero permearam e refletiram nas trajetórias de vida e profissão; e de que forma compreenderam a necessidade de uma profissionalização docente para se estabelecerem na carreira. Utilizou-se como recurso metodológico a História Oral temática, tendo sido realizadas entrevistas, as quais foram analisadas à luz do referencial teórico eliasiano. Percebeu-se que as políticas educacionais pensadas para o atendimento à criança pequena geraram uma alteração na carreira destas profissionais, e isso se refletiu em suas trajetórias de formação docente. Compreendeu-se que rememorar os aspectos envolvidos no percurso de suas vidas e trajetórias profissionais possibilitou o entendimento de como as figurações, isto é, as redes de interdependência, foram constituídas pelas mulheres educadoras e ao mesmo tempo as constituíram, trazendo à tona questões de gênero e poder inerentes aos diferentes tempos e espaços de trabalho e formação.

Biografia do Autor

Larissa Wayhs Trein Montiel, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)

Doutorado e mestrado em Educação pela Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD). Graduação em Pedagogia pela UFGD.  Professora Adjunta da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), campus Naviraí. Pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisa em Prática Educativa e Tecnologia Educacional (GEPPETE), sendo a líder da linha de pesquisa Práticas Educativas e Formação Docente. Atua principalmente nos seguintes temas: História da Educação, Formação de Professores e Práticas Educativas na Educação Infantil e Ensino Fundamental.

Míria Izabel Campos, Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)

Doutorado e mestrado em Educação pela Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD). Especialização em Psicologia Educacional pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MINAS). Graduação em Psicologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). É professora adjunta na UFGD, lotada na Faculdade de Educação (FAED). Atualmente é membro titular da Comissão Permanente de Pesquisa da Faculdade de Educação (FAED) na UFGD e membro titular da Comissão Permanente de Apoio ao Curso de Pedagogia. Participa da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa (ANPEd), atuando como parecerista ad hoc da ANPEd Regional Centro-Oeste, Grupo de Trabalho (GT) 23: Gênero, Sexualidade e Educação; e participa da Associação Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica (BIOGraph). É Vice-Líder do Grupo de Pesquisa Educação e Processo Civilizador (GPEPC).

Referências

ALBERTI, Verena. História dentro da História. In: PINSKY, Carla B. Fontes históricas. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2006.

ARCE, Alessandra. Documentação oficial e o mito da educadora nata na Educação Infantil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 113, p. 167-84, 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cp/n113/a09n113.pdf. Acesso em: 2 fev. 2019.

BADINTER, Elisabeth. Um amor conquistado: o mito do amor materno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

BONI, Valdete; QUARESMA, Silvia Jurema. Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em ciências sociais. Em Tese, Florianópolis, v. 2, n. 1, p. 68-80, jan. 2005. ISSN 1806-5023. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/emtese/article/view/18027/16976. Acesso em: 23 jan. 2019.

BRASIL. Lei n. 12.796, de 4 de abril de 2013. Altera a Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dá outras providências. Brasília-DF, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2013/Lei/L12796.htm. Acesso em: 3 mar. 2019.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília-DF, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 3 mar. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Por uma política de formação do profissional de Educação Infantil. Brasília-DF: MEC/SEF/DPE/COEDI, 1994a.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Política de Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF/DPE/COEDI, 1994b.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Lei Orgânica de Assistência Social. Brasília-DF: MPAS, 1993.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília-DF, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 3 mar. 2019.

CAMPOS, Míria Izabel. Tempos de escritas: memoriais de infância, docência e gênero. 188 f. 2018. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, MS, 2018.

CUNHA, Charles M. Memórias docentes: convocações do presente. Jundiaí: São Paulo: Paco, 2017.

CUNHA, Maria Isabel. Conta-me agora! As narrativas como alternativas pedagógicas na pesquisa e no ensino. Revista Faculdade de Educação São Paulo, v. 23, n. 1/2, p. 185-95, jan./dez. 1997. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-25551997000100010. Acesso em: 9 fev. 2019.

ELIAS, Norbert. Introdução à sociologia. Lisboa: Edições 70, 2008.

ELIAS, Norbert. Escritos e ensaios. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006. (Estado, processo, opinião pública, v. 1)

ELIAS, Norbert. O processo civilizador. Rio de Janeiro: Zahar, 1993. (Formação do Estado e civilização, v. 2).

ENGUITA, Mariano F. A ambiguidade da docência: entre o profissionalismo e a proletarização. Teoria & Educação, Porto Alegre, n. 4, p. 41-61, 1991.

FREITAS, Sônia M. História oral: possibilidades e procedimentos. 2. ed. São Paulo: Associação Editorial Humanitas, 2006.

GONÇALVES, Albertino. Métodos e técnicas de investigação social I: programa, conteúdo e métodos de ensino teórico e prático. Cidade: UMinho, 2004.

LANG, Alice B. Silva Gordo. História oral: muitas dúvidas, poucas certezas e uma proposta. In: MEIHY, José Cícero Sebe Bom (Org.). (Re)introduzindo a história oral no Brasil. São Paulo: Xamã, 1996. p. 33-47.

LOURO, Guacira. L. Mulheres na sala de aula. In: PRIORE, Mary Del (Org.). História das mulheres no Brasil. 10. ed. São Paulo: Contexto, 2011. p. 443-81.

MONTIEL, Larissa Wayhs Trein. Da Assistência à Educação Infantil: a transição do atendimento à infância no município de Naviraí - MS (1995-2005). 2019. 233 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, MS, 2019.

NAVIRAÍ (Cidade). Centro Integrado de Educação Infantil [CIEI] Maria José Da Silva Cançado. Projeto Político Pedagógico. Naviraí, 2015.

NÓVOA, Antonio. Para um estudo sócio histórico da gênese e desenvolvimento da profissão docente. Teoria & Educação, Porto Alegre, n. 4, p. 109-39, 1991.

OZELLA, Sérgio. Pesquisar ou construir conhecimento. O ensino da pesquisa na abordagem sócio histórica. In: BOCK, Ana Mercês (Org.). A perspectiva sócio-histórica na formação em psicologia. Petrópolis: Vozes, 2003. p. 113-31.

PAVAN, Ruth. Currículo e exclusão social: a perspectiva das alunas/professoras do PIBID de Pedagogia. Série-Estudos, Campo Grande, v. 23, n. 49, p. 193-206, set./dez. 2018.

PINTO, Adriana F. E.; FLORES, Maria L. R. Formação inicial e valorização das professoras na Educação Infantil. In: ALBUQUERQUE, Simone S.; FELIPE, Jane.; CORSO, Luciana V. (Org.). Para pensar a educação infantil em tempos de retrocessos: lutamos pela educação infantil. Porto Alegre: Evangraf, 2017.

SARAT, Magda. História da formação de professoras para a infância: experiências no Brasil e na Argentina. Revista Teoria e Prática da Educação, v. 18, n. 1, p. 23-36, jan./abr. 2015.

SARAT, Magda; SANTOS, Reinaldo. História Oral como fonte: apontamentos metodológicos e técnicos da pesquisa. In: COSTA, Célio J.; MELO, José J. P.; FABIANO, Luiz H. Fontes e métodos em história da educação. Dourados: UFGD, 2010. p. 49-78.

SOUZA, José Edimar. Memórias de uma trajetória formativa na Escola Normal de Sapiranga/RS – Brasil (1963- 1975). In: ENCONTRO NACIONAL DE HISTÓRIA ORAL, 13., 1-4 maio 2016, Porto Alegre. Anais [...]. Porto Alegre: UFRGS, 2016. Disponível em: https://www.encontro2016.historiaoral.org.br/resources/anais/13/1461899266_ARQUIVO_textocompletosubmetido.pdf. Acesso em: 10 fev. 2021.

THOMPSON, Edward P. A miséria da teoria ou o planetário de erros: uma crítica ao pensamento de Althusser. Rio de Janeiro: Zahar editores, 1981.

THOMPSON, Paul. A voz do passado: História Oral. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

Publicado
2021-10-18
Como Citar
Montiel, L. W. T., & Campos, M. I. (2021). Trajetórias de profissionalização docente da mulher educadora: monitoras de creche em Naviraí, MS. Série-Estudos - Periódico Do Programa De Pós-Graduação Em Educação Da UCDB, 26(57), 231-251. https://doi.org/10.20435/serie-estudos.v26i57.1430
Seção
Artigos