A concepção de in/exclusão da pessoa com deficiência visual na perspectiva histórica

  • Claunice Maria Dorneles Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)
  • Ruth Pavan Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)

Resumo

Este artigo tem como objetivo contextualizar/historicizar como a sociedade, em cada época, concebe a pessoa com deficiência visual, desde a Antiguidade, passando pela Idade Média, Moderna e Contemporânea. Esse processo histórico repercutiu no Brasil, bem como na unidade federada Mato Grosso do Sul. Como resultado da análise histórica, observa-se que há um processo histórico de discriminação. Mas há também um processo histórico de luta pela inclusão das pessoas com deficiência visual, o que resultou em políticas públicas, incluindo políticas públicas educacionais que vêm possibilitando avanços significativos, como a inclusão das pessoas com deficiência nas escolas regulares e a  implantação das salas de recursos multifuncionais.

Palavras-chave: Deficiência visual. Educação. In/exclusão.

 

Biografia do Autor

Claunice Maria Dorneles, Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)
Doutora em Educação pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB). Coordenadora do CAP/DV/MS.
Ruth Pavan, Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)
Doutora em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação – Mestrado e Doutorado da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB).

Referências

AMARAL, Lígia Assunção. Conhecendo a deficiência (em companhia de Hércules). São Paulo: Robe editorial, 1995.

ANACHE, Alexandra A. Educação e deficiência: estudo sobre a educação da pessoa com “deficiência” visual. Campo Grande: CECITEC/UFMS, 1994.

BEYER, Hugo Otto. Da integração escolar à educação inclusiva: implicações pedagógicas. In: BAPTISTA, Claudio Roberto. Inclusão e escolarização: múltiplas perspectivas. Porto Alegre: Mediação, 2009. p. 73-82.

BRASIL. Resolução CNE/CEB 4/2009. Institui Diretrizes Operacionais para Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Diário Oficial da União, Brasília, 05 out. 2009.

______. Decreto n. 6.571, de 17 de setembro de 2008. Diário Oficial da União, Brasília, 18 set. 2008.

______. Decreto n. 9, de 24 de novembro de 1889. Denomina de Instituto de Meninos Cegos (IMC). Rio de janeiro, 1889. Benjamin Constant, Rio de Janeiro, Edição Especial, 01, p. 23-28, set. 2004a.

______. Decreto n. 1.320, de 24 de janeiro de 1891. Altera a denominação de Instituto Nacional dos Cegos para Instituto Benjamin Constant. Benjamin Constant, Rio de Janeiro, Edição Especial, 01, set. 2004b, p. 23-28.

______. Resolução CNE/CEB 2/2001. Diretrizes Nacionais de Educação Especial para a Educação Básica. Diário Oficial da União, Brasília, 11 set. 2001.

______. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, p. 27833-27841, 23 dez. 1996.

______. Decreto-Lei n. 5.692, de 11 de Agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o Ensino de 1º e 2º graus e dá outras providências. Coletânea da Legislação Estadual de Ensino, Curitiba, Secretaria Educacional do Estado do Paraná (SEEC): Fundepar, 1971. p. 589.

______. Decreto n. 193 de 30 de janeiro de 1890. Altera a denominação do Instituto dos Meninos Cegos para Instituto Nacional dos Cegos. Diário Oficial da União, n. 30, Rio de Janeiro, 31 jan. 1890. Disponível em: <www.jusbrasil.com.br>. Acesso em: 31 maio 2012.

______. Decreto Imperial n. 1428, de 12 de setembro de 1854. Cria na Côrte o Instituto dos Meninos Cegos. In: Regulamente e Regimento Interno do Imperial Instituto dos Meninos Cegos. Rio de Janeiro, 18 dez. 1854. [Mimeo].

BRUNO, Marilda M. Garcia; MOTA, Maria Glória B. Programa de Capacitação de recursos Humanos do Ensino Fundamental: deficiência visual. Colaboração IBC. Brasília: Ministério da Educação, SEESP, 2001. (v. 1).

CERQUEIRA, Jonir Bechara (Org.). José Álvares de Azevedo: coletânea de sete textos, 2004. p. 03. [Mimeo].

COSTA, Claudio. Trechos do livro “História cronológica do Imperial Instituto dos Meninos Cegos”. Benjamin Constant, Rio de Janeiro, Edição Especial, 01, p. 7-11, set. 2004.

DIDEROT, Denis. Carta sobre os cegos - para uso dos que vêem, 1749. São Paulo: Abril Cultural, 1979. (Coleção Os Pensadores).

DUTRA, Claudia Pereira; SANTOS, Martinha Clarete D.; GUEDES, Martha Tombesi (Elab.). Manual de orientação: programa de implantação de Salas de Recursos Multifuncionais. Brasília: MEC/SEESP, 2010.

HENRI, Pierre. Valentin Haüy: premier instituteur dês aveugles, 1745-1822. França: Associação Valentin Haüy, 1952.

LEITE, Cristiane das Garças. Alfabetização de adultos portadores de deficiência visual. Benjamin Constant, Rio de janeiro, ano 9, n. 24, p. 03-13, abr. 2003.

LEMOS, Édson Ribeiro et al. Louis Braile: sua vida e seu sistema. 2. ed. ver. e atual. São Paulo: Fundação Dorina Nowil, 1999.

LEMOS, Édson Ribeiro. A educação dos cegos. Contato, São Paulo, ano 4. n. 6, set, 2000, p. 7-18. LOPES, Maura Corcini; FABRIS, Eli Hernn. Inclusão & Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

LUCRÉCIO, T. (60 a.C.). Da Natureza (De natura rerum). Trad. Agostinho da Silva. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1980. p. 21-135. (Coleção Os Pensadores).

MASINI, Elcie F. Salzano. A Educação do portador de deficiência visual: as perspectivas do vidente e do não vidente. Em Aberto, Brasília, ano 13, n. 60, p. 61-76, out./dez. 1993.

SILVA, Maria Odete E. Da exclusão à inclusão: concepções e práticas. Revista Lusófona de Educação, Lisboa, v. 13, n. 13, p. 135-153, 2009.

TEITELBAUM, Kenneth. Recuperando a memória coletiva: os passados da educação crítica. In: APPLE, Michael W.; AU, Wayne; GANDIN, Luís Armando. Educação crítica: análise internacional. Trad. Vinicius Figueira. Porto Alegre: Artmed, 2011. p. 349-369.

VENTURA, Adilson. Diversidade na Educação: desafio para o novo milênio. In: CONGRESSO IBERO-AMERICANO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL, 3., nov. 1998, Foz do Iguaçu, PR. Anais... Foz do Iguaçu, 1998, p. 194-198.

Publicado
2014-11-26
Seção
Artigos