Tecnologias digitais na pós-graduação: estratégias de incorporação no ensino e na orientação

  • Lucídio Bianchetti UFSC
  • Elisa Maria Quartiero UDESC

Resumo

Discute-se a reestruturação do trabalho acadêmico – entendido como o ensino, a orientação e a pesquisa – dos pesquisadores docentes da pós-graduação brasileira e europeia a partir da consolidação de políticas de avaliação e fomento para esse nível de formação executadas pela CAPES, no Brasil, e pelas políticas geradas dentro do chamado Processo de Bolonha, na União Europeia. Neste artigo o foco é a relação entre as novas exigências de trabalho para os profissionais que atuam na pós-graduação e a inserção de tecnologias digitais na organização e forma de desenvolver essas novas atividades. A partir de depoimentos de 90 pesquisadores da área de ciências humanas, procura-se analisar as estratégias de incorporação das tecnologias digitais no fazer acadêmico e as repercussões para a vida profissional e pessoal.

Biografia do Autor

Lucídio Bianchetti, UFSC
Doutor em História e Filosofia da Educação, Professor no Centro de Ciências da Educação da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).
Elisa Maria Quartiero, UDESC
Doutora em Mídia e Conhecimento. Professora associada no Centro de Ciências Humanas e da Educação da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC).

Referências

ANTUNES, Fátima. A nova ordem educacional. Espaço europeu de educação e aprendizagem ao longo da vida: atores, processos, instituições. Subsídios para debate. Coimbra: Almedina, 2008.

ADELMAN, Clifford. The Bologna Club: what U.S. Higher Education can learn from a decade of European reconstruction. Institute for Higher Educatrion Policy, may, 2008.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BIANCHETTI, Lucídio; SGUISSARDI, Valdemar (Orgs.). Dilemas da pós-graduação. Gestão e avaliação. Campinas: Autores Associados, 2009.

BINDÉ, Jérome (Coord.). Rumo às sociedades do conhecimento. Relatório Mundial da UNESCO. Lisboa: Instituto Piaget, 2007.

CACHAPUZ, Antônio. A construção do Espaço Europeu de Ensino Superior: um “case study” de globalização. In: PEREIRA, Elisabete Monteiro de Aguiar; ALMEIDA, Maria de Lourdes Pinto de (Orgs.). Universidade contemporânea. Políticas do processo de Bolonha. Campinas: Mercado de Letras, 2009.

CHAFE, Wallace. Integration and involviment speaking, writing and oral literature. In: TANNEN, Deborah (Ed.). Spoken and written Language: exploring orality and literacy. Norwood: Ablex, 1982. p. 35-52.

CUNHA, Rafael. Impressões digitais entre professores e estudantes: um estudo sobre o uso das TIC na formação inicial de professores nas universidades públicas em Santa Catarina. 2011. 156f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade do Estado de Santa Catarina, Centro de Ciências Humanas e da Educação, Florianópolis, 2011.

DAL ROSSO, Sadi. Mais trabalho! A intensificação do labor na sociedade contemporânea. São Paulo: Boitempo, 2008.

DALE, Roger. Globalização e educação: demonstrando a existência de uma “cultura educacional mundial comum” ou localizando uma “agenda globalmente estruturada para a educação”? Educação, Sociedade & Culturas. Porto, FPCE/UP, n. 16, p. 133-169, 2001.

DE MASI, Domenico. A sociedade pós-industrial. São Paulo: Editora do SENAC, 1999.

GARCÍA MANJÓN, Juan Vicente (Coord.). Hacia el espacio europeo de educación superior. El reto de la adaptación de la Universidad a Bolonia. La Coruña, Netbiblo, 2009.

GIDDENS, Anthony. A Europa na era global. Barcarena: Editorial Presença, 2009.

KUENZER, Acácia Zenaide; MORAES, Maria Célia Marcondes. Temas e tramas na pós-graduação em Educação. Educação & Sociedade, Campinas, v. 26, n. 93, p. 1341-1363, set./dez. 2005.

LINHART, Danièle. Pourquoi travaillons-nous?Une approche sociologique de la subjectivité au travail. Ramonville Saint-Agne: Érès, 2008. p. 159-182.

MENDONÇA, Ana Waleska Pollo Campos. A pós-graduação como estratégia de reconstrução da universidade brasileira. Educar em Revista, Curitiba, Setor de Educação da UFPR, n. 21, p. 289-308, 2003.

NERAD, Maresi; HEGGELUND, Mimi (Editors). Toward a Global PhD? Forces & Forms in Doctoral Education Worldwide. Seattle and London: University of Washington Press, 2008. p. 131-145.

NEVES, Fernando dos Santos et al (Org.). Quem tem medo da “Declaração de Bolonha”? A “Declaração de Bolonha” e o Ensino Superior em Portugal. Lisboa: Edições Universitárias Lusófonas, 2005.

NÓVOA, Antônio. Modelos de análise em educação comparada: o campo e a carta. In: SOUZA, Donaldo Bello; MARTÍNEZ, Silvia Alícia (Orgs.). Educação comparada. Rotas de além-mar. São Paulo: Xamã, 2009.

PRENSKY, Marc. Digital natives, digital immigrants. MCB University Press, v. 9, n. 05, 2001. Disponível em: <http://www.marcprensky.com/writing/>. Acesso em: 19 fev. 2011.

ROBERTSON, Susan. O processo de Bolonha da Europa torna-se global: modelo, mercado, mobilidade, força intelectual ou estratégia para construção do Estado? Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, Campinas, v. 14, n. 42, p. 407-422, set./dez. 2009.

RUIZ, Roberto. El Proceso de Bologna, cuatro años después (Uma evaluación Del Área Europea de Educación Superior). Pró-Posições, Campinas, UNICAMP, v. 15, n. 3, p. 21-36, set./dez. 2004.

SERRALHEIRO, José Paulo (Org.). O processo de Bolonha e a formação dos educadores e professores portugueses. Porto: Profedições, 2005.

SGUISSARDI, Valdemar. A avaliação defensiva no “modelo CAPES de avaliação” – É possível conciliar avaliação educativa com processos de regulação e controle do Estado? Perspectiva, Florianópolis, NUP/Editora da UFSC, v. 24, n. 1, p. 49-88, jan./jun. 2006.

SGUISSARDI, Valdemar; SILVA JÚNIOR, João dos Reis. O trabalho intensificado nas federais. Pós-graduação e produtivismo acadêmico. São Paulo: Editora Xamã, 2009.

SIMÃO, José Veiga et al. A ambição para a excelência. A oportunidade de Bolonha. Lisboa: Gradiva, 2005.

SOUZA, Ricardo Augusto de. O discurso oral, o discurso escrito e o discurso eletrônico. In: MENEZES, Vera Lúcia. Interação e aprendizagem em ambiente virtual. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010. p. 16-41.

TREIN, Eunice; RODRIGUES, José. O mal-estar na academia: Produtivismo científico, o fetichismo do conhecimento-mercadoria. Caxambu. Trabalho Encomendado pelo GT “Trabalho e Educação”, Reunião Anual da ANPEd, 2010.

VEEN, Win; VRAKKING, Ben. Homo Zappiens: educando na era digital. Porto Alegre: Artmed, 2009.

WIELEWICKI, Hamilton de Godoy; OLIVEIRA, Marlize Rubin. Internacionalização da educação superior: Processo de Bolonha. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 18, n. 67, p. 215-234, abr./jun. 2010.

ZEMELMAN, Hugo. Estudos comparados, projeto histórico e análise de políticas públicas. Educação e Sociedade. Campinas: CEDES, v. 24, n. 82, p. 311-20, 2003.

Publicado
2013-05-31
Seção
Artigos