Políticas de avaliação em larga escala e a questão da inovação educacional

  • Bernardete Angelina Gatti Fundação Carlos Chagas

Resumo

Neste texto discutem-se as políticas de avaliação em larga escala no âmbito das políticas educacionaisbrasileiras, retratando como as avaliações se tornaram o carro chefe das ações políticas em educação,marcadas por uma perspectiva produtivista e vinculada às pressões dos organismos internacionais. Comtal perspectiva, instalou-se um modelo gerencialista que se baseia nos resultados do rendimento escolardos alunos, medidos por testes em larga escala, utilizados como indicadores da qualidade de ensinoe como forma de controle da educação nacional. Nesse sentido, dificilmente pode-se falar em caráterinovador dessas avaliações.

Biografia do Autor

Bernardete Angelina Gatti, Fundação Carlos Chagas
Pesquisadora Colaboradora na Fundação Carlos Chagas.

Referências

AFONSO, A. J. Avaliação educacional: regulação e emancipação. São Paulo: Cortez, 2000.

GATTI, B. A.; BARRETTO, E. S. S.; ANDRÉ, M. E. D. A. Políticas docentes no Brasil: um estado da

arte. Brasília: UNESCO, 2011.

KLEIN, R. Uma re-análise dos resultados do PISA: problemas de comparabilidade. Ensaio: Avaliação

e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 19, n. 73, p. 717-768, dez. 2011.

INEP/MEC. Prêmio de Inovação em Gestão Educacional, Documentos, 2008.

RAVELA, P. et al. Hacia donde y como avanzar en la evaluación de aprendizages en América

Latina. Umbral 2000, Digital n. 3, mayo, 2000. Disponível em: <www. reduc.cl>.

WERLE, F. O. C. Políticas de avaliação em larga escala na educação básica: do controle de

resultados à intervenção nos processos de operacionalização do ensino. Ensaio: Avaliação e

Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 19, n. 73, p. 769-792, out./dez. 2011.

Publicado
2013-05-31
Seção
Dossiê