Relação professor-aluno e afetividade: reflexões wallonianas sobre o ambiente de aprendizagem e a prática docente

  • Silvia Adriana Rodrigues UNIESP
  • Gilza Maria Zauhy Garms Profa. da FCT/UNESP de Presidente Prudente.

Resumo

Entre outras dificuldades, o professor passa a maior parte de seu tempo tentando criar condições para efetivar seu fazer pedagógico. A vida escolar cotidiana constitui uma realidade de cooperação e conflitos que pode ser menos ou mais cooperativa, dependendo da forma de interagir dos sujeitos. Assim, acreditamos que uma das vias de entendimento da dinâmica escolar é esquadrinhar a qualidade das relações interpessoais entre seus atores. Nessa perspectiva, o presente trabalho verificou como 50 alunos do ensino fundamental de uma escola estadual do município de Presidente Prudente percebem seus professores do ponto de vista afetivo. Nas respostas para as provocações: “o que mais gosto e o que menos gosto nos meus professores”, há indicativos de que a dimensão afetiva é ignorada no âmbito escolar.

Biografia do Autor

Silvia Adriana Rodrigues, UNIESP
Mestranda em Educação da FCT/UNESP Presidente Prudente; Profa. UFMS e da Faculdade de Educação de Presidente Prudente – Campus UNIESP.
Gilza Maria Zauhy Garms, Profa. da FCT/UNESP de Presidente Prudente.
Profa. da FCT/UNESP de Presidente Prudente.
e-mail: gmzauhy@hotmail.com

Referências

Almeida, A. R. S. A emoção e o professor: um estudo à luz da teoria de Henri Wallon. Psicologia: Teoria e Pesquisa. Brasília, v.13, n.2, p.239-249, 1997.

______ . A emoção na sala de aula. Campinas: Papirus, 1999. (Coleção Papirus Educação).

ALMEIDA, S. F. C. de. O lugar da afetividade e do desejo na relação ensinar-aprender. Temas de Psicologia. n.1, p.31-44, 1993.

DANTAS, H. A afetividade e a construção do sujeito na psicogenética de Wallon. In: LA TAILLE, Y de; OLIVERIA, M. K. de; DANTAS, H. Piaget, Vygoysky, Wallon: teorias em discussão. São Paulo: Summus, 1992, p.85-100.

GALVÃO, I. Henry Wallon. Uma concepção dialética do desenvolvimento infantil. 14.ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

______ . Uma reflexão sobre o pensamento pedagógico de Henri Wallon. In: DURAN, M. C. G. (Coord.). Construtivismo em Revista. São Paulo: FDE - Diretoria Técnica, 1993, p.33-39 (Série Idéias, n.20).

LAJONQUIERE, L. Do sujeito epistêmico a um sujeito (do desejo). In: ______ . De Piaget a Freud: para repensar as aprendizagens. 3.ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1992, p.128-139.

LEITE, D. M. (1991). Educação e relações interpessoais. In: PATTO, M. H. S. (Org.). Introdução à psicologia escolar. 3.ed. São Paulo: T. A. Queiroz, 1991, p.235-357.

MAUCO, G. Psicanálise e escola. In: ______ . Psicanálise e Educação. Lisboa: Mores Editora Ltda., 1968, p.114-169.

WALLON, H. As origens do caráter na criança: os prelúdios do sentimento de personalidade. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1971.

______ . Psicologia e educação da infância. Paris, Lisboa: Editorial Estampa, 1979.

______ . A evolução psicológica da criança. 2.ed. Lisboa: Edições 70, 1995.

Publicado
2013-06-11
Seção
Artigos