Currículo e (de)colonialidade: a potência decolonial em escolas com baixo IDEB

Palavras-chave: currículo, decolonialidade, escola

Resumo

O artigo, fruto de projeto de pesquisa com apoio do CNPq, pretende mostrar, por meio da análise de entrevistas com professoras e professores que atuam em escolas públicas com baixo Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB), que há potência decolonial em escolas (des)classificadas pelas avaliações em larga escala como tendo baixa qualidade. Inicialmente, fazemos uma discussão do currículo e da colonialidade. Em seguida, trazemos as incursões metodológicas, com destaque para a escolha dos sujeitos e para o instrumento de coleta de dados, articulando-as com a concepção teórica, pautada em autores do campo crítico, sobretudo em autores da decolonialidade. Segue, então, a análise da pesquisa de campo. Por fim, apresentamos algumas conclusões, de caráter provisório, pois entendemos, juntamente dos autores e das autoras que trazemos neste artigo, que tanto o conhecimento quanto o currículo são campos dinâmicos, portanto, sem possibilidade de oferecer conclusões definitivas e fechadas. As falas analisadas das professoras e dos professores situam-se, ainda que de forma tênue, na perspectiva da denúncia, ao criticarem o racismo e o currículo oficial, mas também se situam na perspectiva das alternativas ao inserirem o contexto e a realidade dos alunos, vendo neles conhecimentos importantes a serem incluídos no currículo. 

Biografia do Autor

Ruth Pavan, Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)

Pós-Doutorado em Educação pela Universidade do Minho. Professora do Programa de Pós-Graduação Mestrado e Doutorado em Educação na Universidade Católica Dom Bosco (UCDB).

Sirley Lizott Tedeschi, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Doutora em Educação pela Univesidade Católica Dom Bosco (UCDB). Professora da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS). 

Referências

BERGAMASCHI, Maria Aparecida; MELO, Dannilo Cesar Silva. Karaí Arandú na Bienal do Mercosul: educação guarani como possibilidade para uma estética decolonial. Revista Brasileira de Estudos da Presença, Porto Alegre, v. 8, n. 4, p. 719-49, 2018.

BERNARDINO-COSTA, Joaze. Decolonialidade, Atlântico Negro e intelectuais negros brasileiros: em busca de um diálogo horizontal. Sociedade e Estado, Brasília, v. 33, n. 1, p. 117-35, abr. 2018.

BERNARDINO-COSTA, Joaze; GROSFOGUEL, Ramón. Decolonialidade e perspectiva negra. Sociedade e Estado, Brasília, v. 31, n. 1, p. 15-24, abr. 2016.

BRIGHENTI, Clovis Antônio. Entre o universal e os específicos na construção da educação escolar indígena. Revista de Educação Pública, Cuiabá, v. 2, n. 62, p. 391-403, 2017.

COSTA, Marisa Vorraber. Uma agenda para jovens pesquisadores. In: COSTA, Marisa Vorraber (Org.). Caminhos investigativos II: outros modos de pensar e fazer pesquisa em educação. Rio de Janeiro: Dp&A, 2002. p. 143-56.

ESTEBAN, Maria Teresa. Considerações sobre a política de avaliação da alfabetização: pensando a partir do cotidiano escolar. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 17, n. 51, p. 573-92, 2012.

ESTERMANN, Josef; TAVARES, Gomes; GOMES, Sandra. Interculturalidade crítica e decolonialidade da educação superior: para uma nova geopolítica do conhecimento. Laplage em Revista, Sorocaba, v. 3, n. 3, p. 17-29, set./dez. 2017.

FREIRE-MEDEIROS, Bianca; NAME, Leo. Epistemologia da laje. Tempo e Sociedade, São Paulo, v. 31, n. 1, p. 153-72, abr. 2019.

GOMES, Nilma Lino. O Movimento Negro e a intelectualidade negra descolonizando os currículos. In: BERNARDINO-COSTA, Joaze; TORRES, Nelson Maldonado; GROSFOGEL, Ramon (Org.). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. Belo Horizonte: Autêntica, 2018. p. 223-46. (V. 1).

LIMA, Licínio C. Escolarizando para uma educação crítica: a reinvenção das escolas como organizações democráticas. In: TEODORO, António; TORRES, Carlos Alberto (Org.). Educação crítica & utopia: perspectivas para o século XXI. São Paulo: Cortez, 2006. p. 19-34.

MIRANDA, Claudia; RIASCOS, Fanny Milena Quiñones. Pedagogias decoloniais e interculturalidade: desafios para uma agenda educacional antirracista. Educação em Foco, Juiz de Fora, v. 21, n. 3, p. 545-72, set./dez. 2016.

OLIVEIRA, Luiz Fernandes; CANDAU, Vera Maria Ferrão. Pedagogia decolonial e educação antirracista e intercultural no Brasil. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 26, n. 1, p. 15-40, abr., 2010.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder e classificação social. In: SANTOS, Boaventura de Souza; MENESES, Maria Paula (Org.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez Editora, 2010. p. 84-130.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. Novos Estudos – CEBRAP, São Paulo, n. 79, p. 71-94, nov. 2007.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Pela mão de Alice: O Social e o Político na Pós-Modernidade. 12. ed. São Paulo: Editora Cortez, 1995.

SANTOS, Boaventura de Sousa. O fim do império cognitivo: a afirmação das epistemologias do Sul. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019.

STRECK, Danilo R.; ADAMS, Telmo . Pesquisa Participativa, emancipação e (des)colonialidade. Curitiba: CRV, 2014. (V. 1).

WALSH, Catherine. Notas pedagógicas a partir das brechas decoloniais. In: CANDAU, Vera Maria (Org.). Interculturalizar, descolonizar, democratizar: uma educação “outra”? Rio de Janeiro: 7 Letras, 2016. p. 64-75.

Publicado
2021-10-18
Como Citar
Pavan, R., & Lizott Tedeschi, S. (2021). Currículo e (de)colonialidade: a potência decolonial em escolas com baixo IDEB . Série-Estudos - Periódico Do Programa De Pós-Graduação Em Educação Da UCDB, 26(57), 253-266. https://doi.org/10.20435/serie-estudos.v26i57.1538
Seção
Artigos