Currículo, identidade e relações étnico-raciais: a escola mediando as fronteiras da in/exclusão.

Palavras-chave: currículo, identidade, relações étnico-raciais

Resumo

O presente trabalho tem como foco analisar fatores que podem influenciar o currículo escolar para uma educação crítica, no sentido de mediar as fronteiras da in/exclusão em relação às questões étnico-raciais. Delineia um breve histórico sobre as relações desiguais que permearam o período colonial e pós-colonial no Brasil, com evidência para a luta dos africanos e afro-brasileiros, no sentido de busca de uma condição de escolarização, a fim de uma inserção social. São chamados alguns autores que contribuíram na sociologia da educação para os debates em torno da categoria currículo. A intenção foi partir de breves descrições de seus pensamentos, destacar as teorias críticas e pós-críticas e sua relação com respeito ao papel da escola na sociedade. A partir daí, o artigo debate o porquê de algumas legislações serem cumpridas ou não. Quais interesses e relações de poder permeiam o currículo escolar? Por que uma lei inclusiva como a 11.645/2008 não consegue estar presente de forma efetiva no currículo escolar? Questões sobre performatividade e gerencialismo nos ajudam a pensar sobre a problemática levantada. Por fim, o texto encaminha como alternativa a ideia de microrresistências ao poder instituído, em que uma pedagogia culturalmente relevante pode ser uma das formas para que a escola medeie as fronteiras entre a in/exclusão.

Biografia do Autor

Cristiane Bartz de Ávila, Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil.

Doutoranda em Educação, com bolsa CAPES, mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Memória Social e Patrimônio Cultural, especialista em História da Educação pela Faculdade de Educação e graduada em Licenciatura Plena em História, todos pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel).

Álvaro Moreira Hypolito, Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil.

Doutor em Curriculum and Instruction (University of Wisconsin − Madison). Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Especialista em Educação e Sociedade, graduado em Licenciatura Curta em Educação Artística e graduação em Licenciatura Plena em Pedagogia, todos pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel). 

Referências

ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno. Os quilombos e as novas etnias: é necessário que nos libertamos da definição arqueológica. In: LEITÃO, Sérgio (Org.). Direitos territoriais das comunidades negras rurais. São Paulo: Instituto Socioambiental, 1999. (Documentos do ISA, n. 5).

APPADURAI, Arjun. Só nos resta dialogar com o ‘outro’. Entrevistador: Vitor Belanciano, [S.l.], 28 de outubro de 2008. Disponível em: www.globalizaçao/cosmopolitismo/internet. Acesso em: 30 maio 2013.

ÁVILA, Cristiane Bartz. Entre esquecimentos e silêncios: Manuel Padeiro e a memória da escravidão no distrito de Quilombo, Pelotas, RS. 2014. 185f. Dissertação (Mestrado em Memória Social e Patrimônio Cultural) - Instituto de Ciências Humanas, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, 2014.

ÁVILA, Cristiane Bartz de; RIBEIRO, Maria de Fátima Bento. Cultura, multiculturalismo e interculturalidade: as “tias minas” da cidade de Pelotas-RS e seu legado cultural. In: CONINTER - CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM CIÊNCIAS E HUMANIDADES, 2., 2013, Belo Horizonte. Anais [...]. Belo Horizonte: UFMG, 2013. p. 1-16.

BALL, Stephen J. Profissionalismo, gerencialismo e performatividade. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 35, n. 126, p. 539-64, set./dez. 2005.

BALL, Stephen J. Reformar escolas/reformar professores e os terrores da performatividade. Revista Portuguesa de Educação, Braga, Portugal, v. 15, n. 2, p. 3-23, 2002.

BIESTA, Gert. Para além da aprendizagem. Educação democrática para um futuro humano. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

BOURDIEU, Pierre. A escola conservadora. As desigualdades frente à escola e à cultura. Educação em Revista, Belo Horizonte, n. 10, p. 3-15, dez. 1989.

BRASIL. Lei 11.645, de 10 de março de 2008. Altera a Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei n. 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm. Acesso em: 10 maio 2014.

BRASIL. Lei 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm. Acesso em: 10 maio 2014.

BRASIL. Constituição Federal. 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 1º jan. 2014.

CANDAU, Joel. Conflits de mémoire: pertinence d’une métaphore? In: BONNET, Véronique (sous la direction de). Conflits de mémoire. Paris: Khartala, 2004.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994. COSTA, Marisa Vorraber (Org.). Estudos culturais em educação: mídia, arquitetura, brinquedo, biologia, literatura, cinema... 2. ed. Porto Alegre, RS: Editora da UFRGS, 2004.

CRUZ, Mariléia dos Santos. Uma abordagem sobre a história da educação dos negros. In: ROMÃO, Jeruse. História da educação dos negros e outras histórias (Org.). Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005. p. 21-33.

CUNHA, Olivia Maria Gomes da; GOMES, Flávio dos Santos (Org.). Quase cidadão: histórias e antropologia da pós-emancipação no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007.

FERNANDES, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes: o legado da raça branca. 5. ed. São Paulo: Globo, 2008.

FREIRE, Paulo. A pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GARCIA, Maria Manuela Alves; HYPOLITO, Álvaro Moreira; VIEIRA, Jarbas Santos. As identidades docentes como fabricação da docência. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 1, p. 45-56, jan./abr. 2005.

LADSON-BILLINGS, Gloria. Os guardiões de sonhos. O ensino bem-sucedido de crianças afro-americanas. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

MAINARDES, Jefferson; STREMEL, Silvana. Informações sobre a abordagem do ciclo de políticas. Ponta Grossa, PR: UEPG, 2015. Disponível em: www.uepg.br/gppepe. Acesso em: 5 ago. 2017.

MENDES, Ana Laura R.; ALVES, Bruna Pereira. Os negros e a educação: uma luta constante. Revista Pandora Brasil – “Cultura e materialidade escolar”, [S.l.], Edição especial n. 4, p. 1-16, mar. 2011.

PERES, Eliane. Sob(re) o silêncio das fontes... A trajetória de uma pesquisa em história da educação e o tratamento das questões étnico-raciais. Revista Brasileira de História da Educação, Maringá, PR, n. 4, p. 75-102, jul./dez. 2002.

RAVITCH, Diane. Vida e morte do grande sistema escolar americano: como os testes padronizados e o modelo de mercado ameaçam a educação. Porto Alegre: Sulina, 2011.

SAID, Edward W. Cultura e imperialismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2011. 459p.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 4. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

SKIDMORE, Thomas E. Preto no branco: raça e nacionalidade no pensamento brasileiro. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

Publicado
2020-05-20
Seção
Artigos