Percurso de implantação do terceiro ciclo para aprendizagem na rede pública de ensino do Distrito Federal

Palavras-chave: organização de ensino, ciclo para as aprendizagens, professores

Resumo

O texto objetiva refletir acerca dos Ciclos para as Aprendizagens implementados na rede pública de ensino do Distrito Federal, legitimados pela Lei n. 5.499, de 14/7/2015, que aprova o Plano Distrital de Educação (PDE). Assim, a partir da promulgação do PDE (2015), as escolas, em substituição à organização seriada, passam a se organizar em ciclos para as aprendizagens. É uma pesquisa bibliográfica e documental. Mesmo com os aspectos legais, compreende-se que esse processo de organização escolar deve ser implementado com cautela, uma vez que a legislação é base dessa política pública, porém as leis não a sustentam por si só. Os dados analisados indicam a preocupação com a retenção dos estudantes, bem como a formação continuada para atuarem nos ciclos. Observa-se que não basta trocar a forma de organização da escolaridade, é preciso instrumentalizar os docentes para que possam materializar a política nas salas de aula.

Biografia do Autor

Valdivina Alves Ferreira, Universidade Católica de Brasília (UCB)

Doutora em Educação (PUC GO), Mestre em Educação pela UFMS; Especialista em Planejamento Educacional, Métodos e Técnicas de Ensino, Ciência da Computação, Administração e Supervisão Escolar; Graduada em Pedagogia Licenciatura Plena pela FESURV. Docente no Programa de Pós-Graduação da Universidade Católica de Brasília (UCB). Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Políticas Públicas Educacionais no Âmbito da Educação Básica (GEPPEB). Atua nos temas: Políticas Públicas Educacionais, Políticas Públicas de Educação Profissional e Tecnológica, Formação de Professores e Informática Educativa.

Alisson Moura Chagas, Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal (SEEDF)

Mestre em Educação pela Universidade Católica de Brasília (UCB). Atualmente, é Pedagogo-Orientador Educacional na Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal. Professor de Educação de Jovens e Adultos (EJA) na Secretaria Municipal de Santo Antônio do Descoberto. 

Thamara Maria de Souza, Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal (SEEDF)

Mestre em Educação pela Universidade Católica de Brasília (UCB). Especialista em Gestão Pedagógica pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). Psicopedagoga clínica e institucional pela Universidade de Brasília (UnB). Especialista em Gestão de Recursos Humanos pela UCB (2007).

Referências

ARROYO, M. G. Ciclos de desenvolvimento humano e formação de educadores. Educação & Sociedade, Campinas, v. 20, n. 68, p. 143-62, 1999. Disponível em: www.scielo.br/pdf/es/v20n68/a08v2068.pdf.Acesso em: 21 out. 2017.

BARBOSA, M. C. S. Infância, escola e uma nova compreensão da temporalidade. In: MOLL, Jaqueline (Org.). Os tempos da vida nos tempos da escola: construindo possibilidades. 2. ed. Porto Alegre: Penso, 2013.

BARRETTO, E. S. S.; MITRULIS, E. Trajetória e desafios dos ciclos escolares no país. Estudos avançados/USP, São Paulo, v. 15, n. 42, p. 103-40, maio/ago. 2001.

BRASÍLIA (Distrito Federal). Secretaria de Educação do Distrito Federal [SEEDF]. Tira-Dúvidas: Organização Escolar em Ciclos para as Aprendizagens - Ensino Fundamental. Brasília: SEEDF, 2016. Disponível em: http://www.cre.se.df.gov.br/ascom/documentos/dez16/ens_fund_caderno_tira_duvidas_org_ciclos.pdf. Acesso em: 10 jul. 2018.

BRASÍLIA (Distrito Federal). Lei n. 5.499, de 14 de julho de 2015. PDE - Plano Distrital de Educação (2015-2024). Brasília, DF, 2015. Disponível em: http://www.cre.se.df.gov.br/ascom/documentos/pde_15_24.pdf. Acesso em: 21 out. 2017.

BRASÍLIA (Distrito Federal). Portaria n. 206, de 24 de setembro de 2014. Aprova as Diretrizes Pedagógicas para a Organização Escolar do 2º Ciclo para as aprendizagens. Diário Oficial do Distrito Federal, Seção 01, p. 7, de 25 jul. 2014. Brasília-DF, 2014a. Disponível em: www.buriti.df.gov.br/ftp. Acesso em: 1º jul. 2018.

BRASÍLIA (Distrito Federal). Portaria n. 207, de 24 de setembro de 2014. Aprova as Diretrizes Pedagógicas para a Organização Escolar do 3º Ciclo para as aprendizagens. Diário Oficial do Distrito Federal, Seção 01, p. 7, 25 de jul. 2014. Brasília, DF, 2014b. Disponível em: www.buriti.df.gov.br/ftp. Acesso em: 1º jul. 2018.

BRASÍLIA (Distrito Federal). Parecer n. 225/2013-CEDF. Aprova o Projeto de Organização Escolar em Ciclos para as Aprendizagens na Educação Infantil e Ensino Fundamental Anos Iniciais. Brasília, DF, 2013. Diário Oficial do Distrito Federal, Seção 01, p. 13-14, de 5 dez. 2013. Brasília, DF, 2013a. Disponível em: www.buriti.df.gov.br/ftp. Acesso em: 29 jan. 2018.

BRASÍLIA (Distrito Federal). Parecer n. 251/2013-CEDF. Aprova o Projeto de Organização Escolar em Ciclos para as Aprendizagens nos Anos Finais do Ensino Fundamental. Brasília, DF, Diário Oficial do Distrito Federal, Seção 01, p. 3, 30 dez. 2013. Brasília, DF, 2013b. Disponível em: www.buriti.df.gov.br/ftp. Acesso em: 29 jan. 2018.

BRASÍLIA (Distrito Federal). Lei n. 3.483, de 25 de novembro de 2004. Amplia o Ensino Fundamental da Rede Pública de Ensino do Distrito Federal, de oito para nove anos de duração mínima. Brasília, DF, 2004. Disponível em:http://www.tc.df.gov.br/SINJ/Norma/51417/Lei_3483_25_11_2004.html. Acesso em: 1º jul. 2018.

CHAGAS, A. M.; FERREIRA, V. A. A organização escolar em ciclos para as aprendizagens na Secretaria de Estado e Educação do Distrito Federal. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO: HISTÓRIA, HISTORIOGRAFIA, POLÍTICAS E PRÁTICAS, 2., Sorocaba, 2018.Anais [...]. Sorocaba, SP: Uniso, 2018. p. 262-80.

CONSELHO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL. Parecer n. 158/2014-CEDF. Aprova as Diretrizes Pedagógicas para a Organização Escolar do 2º Ciclo para as aprendizagens, correspondente aos anos iniciais do ensino fundamental: BIA e 2º Bloco (4º e 5º anos) da Rede Pública de Ensino do Distrito Federal. Brasília, DF, 2014.

CONSELHO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL [CEDF]. Resolução n. 1/2012-CEDF, de 11 de setembro de 2012. Estabelece normas para o Sistema de Ensino do Distrito Federal, em observância às disposições da Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996 - Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF, 2012. Disponível em: http://www.cre.se.df.gov.br/. Acesso em: 1º jul. 2018.

FREITAS, L. C. Ciclos, seriação e avaliação – confronto de lógicas. São Paulo: Editora Moderna, 2003.

GATTI, B. A. A formação inicial de professores para a educação básica: as licenciaturas. REVISTA USP, São Paulo, n. 100, p. 33-46, dez./fev. 2013.

GOMES, C. A. Desseriação escolar: alternativa para o sucesso? Ensaio: Avaliação, Políticas Públicas Educacionais, Rio de Janeiro, v. 13, n. 46, p. 11-38, jan./mar. 2005.

HOFFMANN, J. Avaliar: respeitar primeiro, educar depois. Porto Alegre: Mediação, 2008.

KNOBLAUCH, A. Ciclos de aprendizagem e avaliação de alunos: novas práticas de registro, velhas intenções. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 26., Poços de Caldas, 2003.Anais [...]. Poços de Caldas: ANPED, 2003.

LIBÂNEO, J. C.; OLIVEIRA, J. F.; TOSCHI, M. S. Educação escolar: políticas, estrutura e organização. São Paulo: Cortez, 2012.

MAINARDES, J. A escola em ciclos: fundamentos e debates. São Paulo: Cortez, 2009.

MAINARDES, J. Reinterpretando os ciclos de aprendizagem. São Paulo: Cortez, 2007.

PARO, V. H. Reprovação escolar: renúncia à educação. 2. ed. São Paulo: Xamã, 2003.

RIBEIRO, M. M. L. Ciclos de aprendizagem e inovação pedagógica. Rio de Janeiro: Autografia, 2016.

SOUZA, R. F. Escola e sociedade. Curitiba: IESD Brasil S.A., 2008.

Publicado
2021-10-18
Como Citar
Ferreira, V. A., Chagas, A. M., & Souza, T. M. de. (2021). Percurso de implantação do terceiro ciclo para aprendizagem na rede pública de ensino do Distrito Federal. Série-Estudos - Periódico Do Programa De Pós-Graduação Em Educação Da UCDB, 26(57), 289-306. https://doi.org/10.20435/serie-estudos.v26i57.1306
Seção
Artigos