Projeto Convulsivo Sinódico − exercício de experiência estética e de responsabilidade com o outro

Palavras-chave: Escola pública, experiência estética, prática escolar

Resumo

A escola pública vive tempos difíceis, num contexto que visa a desqualificá-la, dando preferência aos investimentos privados na educação. Atualmente, é vista como inferior e incompetente perante os desafios da contemporaneidade. Na dimensão do conceito de ensaio de Larrosa, busca-se contribuir com a temática, analisando o Projeto Convulsivo Sinódico da E. E. “Prof. Carlos Augusto de Camargo”, de Piedade, SP, criado e desenvolvido pela escola no período de 1993-2017, à maneira de Walter Benjamin, para quem o passado pode ser retomado e se revelar em novas formas no presente, e de Roger Chartier, na dimensão da história cultural, de como uma realidade é dada a ler. A metodologia utilizada é a pesquisa qualitativa junto aos Planos Diretores e de Gestão da Escola. Os resultados sinalizam caminhos a serem explorados na dimensão de Gabriel Perissé, em torno da alfabetização estética, uma forma de romper com as cristalizações nos modos de ver e viver a educação; e de Emmanuel Lévinas, acerca da responsabilidade com o outro.

Biografia do Autor

Sônia Aparecida Ijano Batista, Universidade de Sorocaba (UNISO)

Doutoranda na Universidade de Sorocaba (UNISO), no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE), na linha de História e Historiografia: Políticas e Práticas Escolares. Participa do Grupo de Pesquisas em História da Educação.

 
Vânia Regina Boschetti, Universidade de Sorocaba (UNISO)

Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP). Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de Sorocaba (UNISO).

Referências

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução de Sergio Paulo Rouanet. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994. 253p.

BRALICH, Jorge. Diálogo de abertura: las condiciones de posibilidad de la Reforma de 1918. In: CONGRESO IBEROAMERICANO DE HISTORIA DE LA EDUCACIÓN LATINOAMERICANA: A 100 AÑOS DE LA REFORMA DE CÓRDOBA, 13., 2018, Montevideo, Uruguay. Caderno de resumos [...]. Montevideo, Uruguay: Sociedad Uruguaya de Historia de la Educación, 2018. p. 13.

CHARTIER, Roger. A história cultural entre práticas e representações. Tradução de Maria Manuela Galhardo.2. ed. Lisboa: Difusão Editorial, 2002. 244 p.

COMISSÃO ORGANIZADORA [do] Congresso Internacional “Escola Pública: tempos difíceis, mas não impossíveis”. Campinas, SP, Faculdade de Educação da UNICAMP, 2017. Disponível em: https://www.fe.unicamp.br/agenda-de-eventos/2767. Acesso em: 26 mar. 2018.

E. E. “PROF. CARLOS AUGUSTO DE CAMARGO”. Plano de Gestão da Escola. Piedade, SP, 2014.

E. E. “PROF. CARLOS AUGUSTO DE CAMARGO”. Plano Diretor da Escola. Piedade, SP, 2005.

EEPSG. “PROF. CARLOS AUGUSTO DE CAMARGO”. Plano Diretor da Escola. Piedade, SP, 1995.

EEPSG. “PROF. CARLOS AUGUSTO DE CAMARGO”. Plano Diretor da Escola Padrão. Piedade, SP, 1993.

ENGUITA, Mariano Fernández. A encruzilhada da instituição escolar.In: KRAWCZYK, Nora (Org.). Sociologia do Ensino Médio: crítica ao economicismo na política educacional. São Paulo: Cortez, 2014. p. 7-11.

FOLHA DE PIEDADE. Piedade, SP, ano 10, n. 565, 19 maio 2017.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Walter Benjamin ou a história aberta. In: BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução de Sergio Paulo Rouanet. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

JULIA, Dominique. A cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da Educação, Campinas, SP, n. 1, p. 9-43, jan./jun. 2001. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/rbhe/article/view/38749. Acesso em: 9 nov. 2017.

LARROSA, Jorge; KOHAN, Walter (Coord.). Apresentação da coleção. In: LARROSA, Jorge. Pedagogia profana: danças, piruetas e mascaradas. 6. ed. rev. amp. Belo Horizonte: Autêntica. 2017. p. 9-10. (Coleção: Educação, experiência e sentido).

KRAWCZYK, Nora. Introdução. In: KRAWCZYK, Nora. Escola pública: tempos difíceis, mas não impossíveis. Campinas, SP: FE/UNICAMP; Uberlândia, MG: Navegando, 2018. p. 10-2.

KRAWCZYK, Nora. Conhecimento crítico e política educacional: um diálogo difícil, mas necessário. In: KRAWCZYK, Nora (Org.). Sociologia do Ensino Médio: crítica ao economicismo na política educacional. São Paulo: Cortez, 2014. p. 13-32.

LARROSA, Jorge. O ensaio e a escrita acadêmica. Revista Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 28, n. 2, p. 101-15, jul./dez. 2003. Disponível em http://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/25643/14981. Acesso em: 25 set. 2018.

LÉVINAS, Emmanuel. Ética e infinito.Diálogos com Philippe Nemo. Lisboa, Portugal: Edições 70, 1982. 105 p.

LIMA, Juliana Domingos. A ‘Fonte’ de Duchamp faz cem anos. Qual foi o impacto (e o legado) do mictório como obra de arte. 2017. Disponível em https://www.nexojornal.com.br/expresso/2017/03/05/A-%E2%80%98Fonte%E2%80%99-de-Duchamp-faz-cem-anos.-Qualfoi-o-impacto-e-o-legado-do-mict%C3%B3rio-como-obra-de-arte. Acesso em: 3 abr. 2018.

PERISSÉ, Gabriel. Estética e educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2009. 100 p.

PUC-RIO. Emmanuel Lévinas, o outro e a alteridade. Rio de Janeiro. Disponível em: https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/13482/13482_4.PDF. Acesso em: 20 jan. 2019.

SÃO PAULO (Estado). Decreto n. 34.035, de 22 de outubro de 1991. Disponível em: https://governo-sp.jusbrasil.com.br/legislacao/181563/decreto-34035-91. Acesso em: 5 jul. 2017.

SARMENTO, Albertina Paes; ARRUDA, Aparecida Luvisotto M. Martins. Escola Padrão, curta-vida, longa saudade. Revista Eletrônica Saberes da Educação, São Roque, SP, v. 2, n. 1, p. 1-22, 2011. Disponível em: http://docs.uninove.br/arte/fac/publicacoes/pdf/v2n1-2011/Albertina.pdf. Acesso em: 25 mar. 2018.

SOARES, Maria Lúcia de Amorim. De história e práticas: o Projeto Convulsivo – Sinódico do “Carlos Augusto” de Piedade/SP. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, n. 21, p. 65-73, mar. 2006. Disponível em: https://periodicos.uff.br/revistaleph/article/view/39009. Acesso em: 20 jan. 2019.

SOARES, Maria Lúcia de Amorim. Girassóis ou heliantos: maneiras criadoras para o conhecer geográfico. Sorocaba, SP: Prefeitura Municipal, Prêmio Linc, 2001. 182 p.

SOARES, Maria Lúcia de Amorim; NOGUEIRA. Eliete Jussara. Educação estética: alguns princípios orientadores para práticas pedagógicas emancipatórias no cotidiano escolar. RevistAleph. UFF, Rio de Janeiro, ano VI, n. 18, p. 126-41, dez. 2012. Disponível em: http://revistaleph.uff.br/index.php/REVISTALEPH/article/viewFile/39/34. Acesso em: 23 jul. 2017.

THOMPSON, Edward Palmer. Educação e experiência. In: THOMPSON, Edward Palmer. Os românticos: a Inglaterra e a era revolucionária. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. p. 11-47.

TIRAMONTI. Guilhermina. A escola moderna. Restrições e potencialidade frente às exigências da contemporaneidade. In: KRAWCZKY, Nora. (Org.). Sociologia do Ensino Médio: crítica ao economicismo na política educacional. São Paulo: Cortez, 2014. p. 185-206.

VIÑAO FRAGO, Antonio. Sistemas educativos, culturas escolares y reformas: continuidades y câmbios. 2002. 106 p. Disponível em: http://www.oei.org.ar/edumedia/pdfs/T05_Docu3_Sistemaseducativosculturasescolares_Vinao.pdf. Acesso em: 4 dez. 2017.

Publicado
2020-08-20
Seção
Artigos