Os limites de um currículo eurobrancocêntrico e as expectativas de uma formação crítica e antirracista em um curso de licenciatura em História

Palavras-chave: formação crítica e antirracista, euro-brancocentrismo, licenciatura em história

Resumo

Discuto a formação pretendida por um curso de licenciatura em História pertencente a uma universidade pública do estado do Paraná, Brasil. Essa formação está pautada em uma perspectiva crítica da história e da educação, mas também no antirracismo. Apresento a tensão entre as expectativas de formar docentes críticos antirracistas e o eurobrancocentrismo no currículo dessa licenciatura por meio da análise de registros feitos, inspirados na etnografia, de aulas do curso assistidas, do projeto pedagógico do curso e de entrevistas feitas com estudantes e professores do curso. No currículo da licenciatura em História participante da pesquisa, de modo ambivalente, coexistem críticas e conivências com o eurobrancocentrismo. Embora a Europa e o branco, enquanto referenciais, sejam os eixos principais em torno dos quais o currículo do curso ainda se movimenta, também acontecem eventuais iniciativas de mostrar os protagonismos históricos dos indígenas e dos negros que servem para o combate às representações racistas.

Biografia do Autor

José Bonifácio Alves da Silva, Universidade Regional de Blumenau (FURB)

Doutor e mestre em Educação pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB). Licenciado em História pela UCDB. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas Educação e Diferença Cultural − vinculado à Linha de Pesquisa Diversidade Cultural e Educação Indígena do Programa de PósGraduação em Educação da UCDB; do Grupo de Pesquisa Políticas de Educação na Contemporaneidade e do Grupo de Pesquisa Educogitans − vinculados à Linha de Pesquisa Educação, Cultura e Dinâmicas Sociais do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Regional de Blumenau (PPGE-FURB). Participa do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros (NEAB) da FURB. Faz estágio pós-doutoral no PPGE-FURB e é coeditor da Revista Atos de Pesquisa em Educação.

Referências

ANHORN, Carmen Teresa Gabriel. Um objeto de ensino chamado História: a disciplina de história nas tramas da didatização. 2003. 403f. Orientadora: Vera Maria Ferrão Candau. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Rio (PUC-Rio), Rio de Janeiro, RJ, 2003.

BEZERRA, Holien Gonçalves. Ensino de História: conteúdos e conceitos básicos. In: KARNAL, Leandro (Org.). História na sala de aula: conceitos, práticas e propostas. São Paulo: Contexto, 2010. p. 37-48.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP n. 2, de 9 de junho de 2015. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial e Continuada dos Profissionais do Magistério da Educação Básica. Diário Oficial da União, Brasília, 25 de junho de 2015b, Seção 1, p. 13.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP n. 2, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Diário Oficial da União, Brasília, 2 de julho de 2015a, Seção 1, p. 8-12.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília: Ministério da Educação/Secad, 2004.

CANDAU, Vera Maria. Direitos humanos, educação e interculturalidade: as tensões entre igualdade e diferença. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 13, n. 37, p. 4556, jan./abr., 2008.

CARDOSO, Lourenço da Conceição. O branco ante a rebeldia do desejo: um estudo sobre a branquitude no Brasil. 2014. 290f. Orientador: Dagoberto José Fonseca. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara, SP, 2014.

CLIFFORD, James. A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2008.

COELHO, Mauro Cezar; COELHO, Wilma de Nazaré Baía. As licenciaturas em história e a lei 10.639/03 – percursos de formação para o trato com a diferença? Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 34, n. 192224, p. 1-39, 2018.

COSTA, Marisa Vorraber; SILVEIRA, Rosa Hessel; SOMMER, Luis Henrique. Estudos culturais, educação e pedagogia. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 23, p. 36-61, maio/ago. 2003.

ELLSWORTH, Elizabeth. Modo de endereçamento: uma coisa de cinema; uma coisa de educação também. In: SILVA, Tomaz Tadeu (Org.). Nunca fomos humanos: nos rastros do sujeito. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. p. 7-76.

FISCHER, Rosa Maria Bueno. Desafios de Foucault à teoria crítica em educação. In: APPLE, Michael W.; AU, Wayne; GANDIN, Luís Armando (Org.). Educação crítica: análise internacional. Porto Alegre: Artmed, 2011. p. 233-247.

FRANKENBERG, Ruth. A miragem de uma branquidade não-marcada. In: WARE, Vron (Org.). Branquidade: identidade branca e multiculturalismo. Rio de Janeiro: Garamond, 2004. p. 307-38.

GABRIEL, Carmen Teresa. Jogos do tempo e processos de identificação hegemonizados nos textos curriculares de História. Revista História Hoje, São Paulo, v. 4, n. 8, p. 32-56, 2015.

GARCÍA CANCLINI, Néstor. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: EdUSP, 2008.

GARCIA, Maria Manuela Alves. O sujeito emancipado nas pedagogias críticas. Educação e Realidade, Porto Alegre, n. 26, v. 2, p. 31-50, jul./dez., 2001.

GIROUX, Henry. Os professores como intelectuais transformadores: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2004.

HALL, Stuart. A questão multicultural. In: SOVIK, Liv (Org.). Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG/UNESCO, 2003c. p. 51-100.

HALL, Stuart. El trabajo de la representación. In: RESTREPO, Eduardo; WALSH, Katherine; VICH, Víctor. Sin garantías: trayectorias y problemáticas en estudios culturales. Popayán/ Lima/Bogotá: Instituto de Estudios Sociales y Culturales Pensar/Instituto de Estudios Peruanos/Universidad Andina Simón Bolívar, 2010. p. 447-82.

HALL, Stuart. Notas sobre a desconstrução do “popular”. In: SOVIK, Liv (Org.). Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG/UNESCO, 2003b. p. 247-64.

HALL, Stuart. Quem precisa da identidade? In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000, p. 103-33.

HALL, Stuart. Significação, representação, ideologia: Althusser e os debates pósestruturalistas. In: SOVIK, Liv (Org.). Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG/UNESCO, 2003a. p. 160-98.

LOPES, Alice Casimiro. Teorias pós-críticas, política e currículo. Educação, Sociedade & Culturas, Porto, n. 39, p. 7-23, 2013.

LOPES, Alice Casimiro; BORGES, Veronica. Formação docente, um projeto impossível. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 45, n. 157, p. 486-507, jul./set., 2015.

LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elizabeth. Nota introdutória − cultura e política: implicações para o currículo. Currículo sem Fronteiras, [s.l.], v. 9, n. 2, p. 5-10, jul./dez. 2009.

LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elizabeth. O pensamento curricular no Brasil. In: LOPES, Alice Casimiro;

MACEDO, Elizabeth (Org.). Currículo: debates contemporâneos. São Paulo: Cortez, 2002. p. 13-54.

MARTINS, Estevão C. de Rezende. História: consciência, pensamento, cultura, ensino. Educar em Revista, Curitiba, n. 42, p. 43-58, out./dez. 2011.

MCLAREN, Peter. Multiculturalismo crítico. São Paulo: Cortez; Instituto Paulo Freire, 2000.

MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. Petrópolis: Vozes, 1999.

PASSOS, Ana Helena Ithamar. Um estudo sobre a branquitude no contexto de reconfiguração das relações raciais no Brasil, 2003-2013. 2013. 197f. Orientadora: Denise Pini Rosalem da Fonseca. Tese (Doutorado em Serviço Social) – Pontifícia Universidade Católica do Rio (PUC-Rio), Rio de Janeiro, RJ, 2013.

RÜSEN, Jörn. Razão histórica: teoria da história − fundamentos da ciência histórica. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 2001.

SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves. Aprender, ensinar e relações étnico-raciais no Brasil. Educação, Porto Alegre, ano XXX, n. 3 (63), p. 489-506, set./dez. 2007.

SILVA, Tomaz Tadeu. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

SILVEIRA, Rosa Maria Hessel. A entrevista na pesquisa em educação – uma arena de significados. In: COSTA, Marisa Vorraber (Org.). Caminhos investigativos II: outros modos de pensar e fazer pesquisa em educação. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. p. 119-41.

WORTMANN, Maria Lúcia Castagna. O uso do termo representação na Educação em Ciências e nos Estudos Culturais. Pro-Posições, Campinas, v. 12, n. 1 (34), p. 151-61, mar./2001.

ZEICHNER, Kenneth. Formando professores reflexivos para uma educação centrada no aprendiz: possibilidades e contradições. In: ESTEBAN, Maria Teresa; ZACCUR, Edwiges (Org.). Professora-pesquisadora: uma práxis em construção. Rio de Janeiro: DP&A, 2002, p. 25-52.

ZEICHNER, Kenneth. Uma análise crítica sobre a “reflexão” como conceito estruturante na formação docente. Educação e Sociedade, Campinas, v. 29, n. 103, p. 535-54, maio/ago. 2008.

Publicado
2020-08-20
Seção
Artigos