Ser professor: identidade histórica que se constrói no desempenho de papéis

  • Maria Gladis Sartori Proença UEMS
  • Lucrécia Stringhetta Mello UFMS

Resumo

Este artigo aborda a temática da identidade docente, considerando-a num movimento dialético decorrente dos vários papéis que se assumem ao longo da vida. Autores como Ciampa (1987), Freire (1993), Pereira (1996), Libâneo (2005) articulam a evolução dos conceitos e discussões nos estudos sobre a temática. Os metaestudos, balanços ou tendências oferecem formas de realizar investigações, fundamentos e análises, como o trabalho de Nóvoa (1995) e Mello (2004). Este texto aborda a questão da conceitualização de identidade e os elementos constitutivos do ser professor. O professor faz parte do contexto histórico, mas está sendo levado a pôr em segundo plano seus projetos educativos. É essencial concretizar seus projetos pessoais e profissionais, que podem ser instrumentos de transformação do que está posto na sociedade.

Biografia do Autor

Maria Gladis Sartori Proença, UEMS
Doutoranda em Educação na UFMS. Professora Mestre da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - UEMS e bolsista da Fundect.
Lucrécia Stringhetta Mello, UFMS
Professora Doutora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – UFMS e integrante do Departamento de Educação do Campus de Três Lagoas/UFMS.

Referências

BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembranças de velhos. São Paulo: Cia das Letras, 1994. p. 405-452.

CIAMPA, Antonio da Costa. Identidade. In: LANE, S.T.M.; CODO, W. (orgs.). O homem em movimento. 5. ed. São Paulo: Brasiliense, 1987. p. 59-75.

______. A estória do Severino e a história da Severina: um ensaio de Psicologia Social. São Paulo: Brasiliense, 1987.

DOTTA, Leanete Thomas. Representações sociais do ser professor. Campinas, SP: Alínea, 2006.

ERIKSON, Erik H. Identidade, juventude e crise. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Miniaurélio Século XXI Escolar: o minidicionário da língua portuguesa. 4. ed. rev. ampliada. Rio de janeiro: Nova Fronteira, 2001.

FREIRE, Paulo. Política e educação. São Paulo: Cortez, 1993.

GOFFMAN, Erving. A representação do eu na vida cotidiana. Trad. Maria Célia Santos Raposo. Petrópolis-RJ: Vozes, 1975.

KRAMER Sonia; SOUZA Solange Jobim. Experiência humana, história de vida e pesquisa: um estudo da narrativa, leitura e escrita de professores. Texto elaborado para ser apresentado na XVII Reunião Anual da Anped, maio de 1994.

LIBÂNEO, José Carlos. Pedagogia e pedagogos para quê? 8. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

MELLO, Lucrécia Stringhetta. Pesquisa interdisciplinar: um processo em construção. Campo Grande-MS: Editora UFMS, 2004.

MORETTINI, Marly T. A constituição do professor e a atividade docente: implicações da psicologia histórico-cultural. In: URT, S. C. (org.). Psicologia e práticas educacionais. Campo Grande-MS: Editora UFMS, 2000.

MOSCOVICI, Serge. Representações sociais: investigações em psicologia social. Trad. Pedrinho A. Guareschi. Petrópolis-RJ: Vozes, 2003.

NÓVOA, Antonio. Vidas de professores. 2. ed. Porto-Portugal: Editora Porto, 1995.

PEREIRA, Marcos Vilela. A estética da professoralidade: um estudo interdisciplinar sobre a subjetividade do professor. São Paulo: PUC, 1996.

SACRISTÁN, Gimeno; GOMEZ, A.T.Pérez. Compreender e transformar o ensino. Trad. Ernani F. da Fonseca. 4. ed. São Paulo: Artes Médicas, 1998.

SEVERINO, Antônio Joaquim. O conhecimento pedagógico e a interdisciplinaridade: o saber como intencionalização da prática. In: FAZENDA, Ivani Catarina Arantes. Didática e interdisciplinaridade. 5. ed. Campinas-SP: Papirus, 1998.

SOUZA, Clarilza Prado de Sousa. Estudos de representações sociais em educação. Revista de Psicologia da Educação, PUC, São Paulo, n. 14,15, p. 285-323, 1º e 2º sem. de 2002.

Publicado
2013-06-05
Seção
Artigos