Do mal-estar docente ao abandono da profissão professor: a história de Estela

  • Flavinês Rebolo Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)

Resumo

Acreditando que os baixos salários e a desvalorização profissional não são os únicos fatores queinfluenciam o mal-estar docente e a evasão de professores, a pesquisa que deu origem ao texto aquiapresentado teve como objetivo identificar os fatores intervenientes no abandono da profissão. Considerandoo abandono da docência como um processo que se desenvolve durante o percurso profissionaldo professor, a abordagem metodológica que se mostrou mais adequada foi a das histórias de vida. Ahistória de Estela, uma entre as dezesseis histórias constantes da pesquisa maior, foi coletada por meiode entrevista semiestruturada. Com as análises foram identificados os diversos fatores de satisfação einsatisfação com o magistério e de que forma esses fatores se enredam e se combinam a ponto delevarem à ruptura definitiva dos vínculos estabelecidos com a escola e com o trabalho docente.

Biografia do Autor

Flavinês Rebolo, Universidade Católica Dom Bosco (UCDB)
Professora Doutora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB).

Referências

BATISTA, A. S.; ODELIUS, C. C. Infra-estrutura das escolas e Burnout nos professores. In: CODO, Wanderley (Coord.). Educação: carinho e trabalho. Petrópolis, RJ: Vozes; Brasília: Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação/Universidade de Brasília/Laboratório de Psicologia do Trabalho, 1999. p. 324-332.

BENAVENTE, A. Dos obstáculos ao sucesso ao universo simbólico das professoras. Mudança e resistência à mudança. In: STOER, S. R. (Org.). Educação, Ciências Sociais e realidade portuguesa. Porto: Edições Afrontamento, 1991. p. 171-186.

BOHOSLAVSKY, R. Orientação vocacional: a estratégia clínica. São Paulo: Martins Fontes, 1977.

BOURDIEU, P. A ilusão biográfica. In: AMADO, J.; FERREIRA, M. M. (Coord.). Usos & abusos da história oral. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1996. p. 183-191.

______. Classificação, desclassificação, reclassificação. In: NOGUEIRA, M. A.; CATANI, A. (Org.). Escritos de educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998. p. 145-183.

CABRAL, Á.; NICK, E. Dicionário técnico de Psicologia. São Paulo: Cultrix, 1974.

CAVACO, M. H. Ser professor em Portugal. Lisboa: Editorial Teorema, 1993.

DEJOURS, C. A loucura do trabalho. São Paulo: Cortez/Oboré, 1991.

ESTEVE, J. M. O mal-estar docente. Lisboa: Escher/Fim de Século Edições, 1992.

FERRAROTTI, F. Sobre a autonomia do método biográfico. In: NÓVOA, A.; FINGER, M. (Orgs.). O método (auto) biográfico e a formação. Lisboa: Ministério da Saúde, 1988. p. 17-34.

HUBERMAN, M. O ciclo de vida profissional dos professores. In: NÓVOA, A. Vidas de professores. Porto: Porto Editora, 1992. p. 31-62.

LÉVY-LEBOYER, C. A crise das motivações. São Paulo: Atlas, 1994.

MOITA, M. da C. Percursos de formação e de transformações. In: NÓVOA, A. (Org.). Vidas de professores. Porto: Porto Editora, 1992. p. 111-140.

NÓVOA, A.; FINGER, M. (Orgs.). O método (auto) biográfico e a formação. Lisboa: Ministério da Saúde, 1988.

SAWREY, J. M.; TELFORD, C. W. Psicologia do ajustamento. São Paulo: Cultrix, 1974.

Publicado
2013-05-31
Seção
Artigos