Avaliação Educacional: concepções de formandos em Pedagogia

  • Carlos Alberto Vasconcelos Universidade Federal de Sergipe

Resumo

O presente texto descreve experiência vivenciada na disciplina Avaliação Educacional. Parte-se de conhecimentos teóricos e da prática docente dos alunos/professores envolvidos, que, até então, demonstravam pouco conhecimento da temática abordada e encontravam-se, em sua maioria, enraizados em uma postura tradicional de avaliação. Com discussões, exemplificações, metodologias, a concepção de avaliação foi alterada, concebendo-a como construção do conhecimento, integrante de um processo contínuo e duradouro, que envolve todo o processo educacional.

Palavras-chave

Compreensão de Avaliação. Formandos em Pedagogia. Experiência.

Biografia do Autor

Carlos Alberto Vasconcelos, Universidade Federal de Sergipe
Prof. Dr. do Depto. de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática (NPGECIMA) da Universidade Federal de Sergipe.

Referências

ÁLVAREZ-MÉNDEZ, J. M. Avaliar para conhecer: examinar para excluir. Porto Alegre: Artmed, 2002.

BERGER, M. A. Avaliação da aprendizagem: pressupostos teóricos, vivências e desafios. Aracaju: J. Andrade, 2002.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J. C. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Brandão, 1975.

CALDEIRA, A. M. S. Ressignificando a avaliação escolar. Comissão Permanente de Avaliação Institucional (UFMG-PAIUB). Belo Horizonte: PROGRAD/UFMG, 2000. (Cadernos de Avaliação, 3).

CUNHA, M. I. O professor universitário: na transição de paradigmas. Araraquara, SP: JM, 1998.

DALBEN, Ângela I. M. L. F. A prática pedagógica e os ciclos de formação na Escola Plural. In: DALBEN, A. I. L. F. (Org.). Singular ou plural? Eis a questão. Belo Horizonte: GAME/FAE/UFMG, 2005.

______. Avaliação na Escola Plural: uma questão de adesão a novos valores educativos. Tessituras - Caderno Escola Plural, n. 2, p. 04-10, abr. 2002.

ESTEBAN, M. T. (Org.). Avaliação: uma prática em busca de novos sentidos. 4. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis, RJ: Vozes, 1987.

GIROUX, Henry. Pedagogia radical: subsídios. São Paulo: Cortez, 1986.

HAYDT, R. C. C. Avaliação do processo ensino-aprendizagem. 6. ed. São Paulo: Ática, 1997. (Série Educação).

HOFFMANN, J. Avaliação mediadora: uma prática em construção da pré-escola à universidade. 21. ed. Porto Alegre: Mediadora, 1993a.

______. Avaliação: mito e desafio - uma perspectiva construtivista. 32. ed. Porto Alegre: Mediadora, 1993b.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1990.

_____. Avaliação educacional escolar. 14. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

_____. Avaliação da aprendizagem na escola: reelaborando conceitos e recriando a prática. Salvador: Malabares Comunicação e Eventos, 2005.

NEVO, D. Role of the Evaluator. In: WALBER, H.; HAERTEL, G. (Eds.). The International encycloppedia of educational evaluation. Oxford: Pergamon Press, 1990. p. 89-91

PERRENOUD, Ph. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens - entre duas lógicas. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.

______. A pedagogia na escola das diferenças. Fragmentos de uma sociologia do fracasso. Tradução de Cláudia Schilling. Porto Alegre: ArtMed, 2001.

SCHUTZ, A. Estudos sobre teoria social. Porto Alegre: Artmed, 2002.

SNYDERS, G. Escola, classe e luta de classes. Lisboa: Moraes Editores, 1977.

TYLER, W. R. Princípios básicos de currículo e ensino. Porto Alegre: Globo, 1978.

VASCONCELOS, C. J. Avaliação: concepção dialético-libertadora do processo de avaliação escolar. São Paulo: Libertad, 1995.

VILLAS BOAS, B. M. F. Planejamento da avaliação escolar. Proposições, v. 9, n. 3, p. 19-27, nov. 1998.

Publicado
2013-12-17
Seção
Artigos