Possibilidades e limites da avaliação em larga escala na construção da qualidade da escola pública

  • Mara Regina Lemes De Sordi Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Resumo

Neste artigo, analisam-se os significados de uma regulação da qualidade educacional focada no desempenhodos estudantes nos exames de larga escala. Discute as possibilidades e limites deste modelo emostra os riscos decorrentes de política de avaliação que se vincula a formas de recompensa de quaisquerordens. O texto destaca o papel central da avaliação nas reformas educativas e aponta a necessáriaretomada do debate sobre a concepção de qualidade que tais propostas veiculam. Finalmente indica olugar da avaliação institucional participativa como estratégia para envolver os atores da escola na defesada qualidade escola pública fortalecendo seu protagonismo.

Biografia do Autor

Mara Regina Lemes De Sordi, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)
Doutora em Educação e professora da Faculdade de Educação,da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

Referências

BARBIER, R A pesquisa-ação. Brasília: Líber Livro, 2007.

BARROSO, J. Regulação e desregulação nas políticas educativas: tendências emergentes em estudos de educação comparada. In: BARROSO, J. (Org.). A escola pública. Regulação, desregulação e privatização. Lisboa: Asa, 2003.

CANÁRIO, R. O que é a escola? Um “olhar” sociológico. Porto: Porto Editora, 2005.

FRANCO, M. A. S. Pedagogia da pesquisa-ação. Educ. e Pesquisa, v. 31, n. 3, p. 483-502, set./dez. 2005.

FREITAS, L. C.; SORDI, M. R. L.; FREITAS, H. C. L.; MALAVAZI, M. M. S. Dialética da inclusão e da exclusão: por uma qualidade negociada e emancipadora nas escolas. Escola Viva, Campinas, 2004.

______. Avaliação educacional. Caminhando pela contramão. Petrópolis: Vozes, 2009.

FREITAS, Luiz C. Eliminação adiada: o caso das classes populares no interior da escola e a ocultação da (má) qualidade de ensino. Educação & Sociedade, Campinas, Cedes, v. 28, n. 100, out. 2007.

LIMA, L. C. A escola como organização educativa. Uma abordagem sociológica. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

______. Educação ao longo da vida. Entre a mão direita e a esquerda de Miró. São Paulo: Cortez, 2007.

MORIN, E.; KERN, A. B. Terra-pátria. Porto Alegre: Sulina, 1995.

PARO, V. H. Progressão continuada, supervisão escolar e avaliação externa: implicações para a qualidade do ensino. Revista Brasileira de Educação, v. 16, n. 48, p. 695-716, set./dez. 2011.

SACRISTÁN, J. G. Docencia y cultura escolar. Reformas y modelo educativo. Buenos Aires: Lugar Editorial, 1997.

SILVA JUNIOR, Celestino A. Das instituições às organizações escolares: políticas comprometidas, culturas omitidas e memórias esquecidas In: BONIN, I.; TRAVERSINI, C.; EGGERT, E.; PERES, E. (Orgs.). Trajetórias e processos de ensinar e aprender: políticas e tecnologias. ENDIPE, 14. Porto Alegre: EdiPUC-RS, 2008. v. 4.

Publicado
2013-06-03
Seção
Dossiê