Planejamento educacional e tecnocracia nas políticas educacionais contemporâneas

  • Eliza Bartolozzi Ferreira Universidade Federal do Espírito Santo

Resumo

As reflexões desenvolvidas neste texto fazem parte da pesquisa em andamento vinculada ao projeto financiado pelo CNPq e pela FAPES “Gestão das políticas educacionais no Brasil e seus mecanismos de centralização e descentralização: o desafio do PAR”. Este texto objetiva analisar o planejamento educacional do governo Lula denominado Plano de Desenvolvimento da Educação e o Planejamento de Ações Articuladas sob o argumento central de que o caráter tecnocrático, presente nos governos anteriores, permanece e é dominante. A aplicação do Plano de Ações Articuladas (PAR) nos municípios trouxe uma nova estratégia de ação político-pedagógica até então não vivenciada pela totalidade do sistema, mas o seu caráter tecnocrático limita a capacidade do planejamento de provocar uma melhoria na organização do sistema educacional brasileiro.

Referências

BERNARDO, J. Capital, sindicatos e gestores. São Paulo: Vértice, 1987.

BRASIL. Plano diretor da reforma do aparelho do Estado. Brasília, 1995.

______. Ministério da Educação. O Plano de Desenvolvimento da Educação: razões, princípios e programas. Brasília: MEC, 2007.

BRESSER PEREIRA, L. C. Estado e subdesenvolvimento industrializado. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1977.

BRESSER PEREIRA, L. C. B.; SPINK, P. Capitalismo dos técnicos e democracia. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, n. 20, out. 2005, p. 133-148.

BOBBIO, N. O futuro da democracia: uma defesa das regras do jogo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

CARNOY, M. Estado e teoria política. 10. ed. Campinas: Papirus, 2004.

FERREIRA, E. B.; FONSECA, M. O planejamento das políticas educativas no Brasil e seus desafios atuais. In: Perspectiva, Florianopolis: Editora UFSC, 2011.

FURTADO, C. O longo amanhecer: reflexões sobre a formação do Brasil. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

HOBSBAWM, E. Era dos extremos: o breve século XX 1914-1991. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

IANNI, O. Estado e planejamento econômico no Brasil. 5. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991.

JAMESON, F. Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. 2. ed. São Paulo: Ática, 2002.

KON, A. Políticas de emprego e bloqueios estruturais no mercado de trabalho no Brasil. São Paulo: EITT-PUC, n. 5, 2005 (Texto para discussão). Disponível em: http://www.pucsp.br/pos/ecopol/admin/publicacoes/arquivos/textos/2005/TD0505.pdf

.

KOSIK, K. Dialética do concreto. 6. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1995.

LAFER, Celso. A identidade internacional do Brasil e a política externa brasileira. Passado, presente e futuro. São Paulo: Perspectiva, 2001.

MÈSZÀROS, I. Para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2002.

OFFE, C. Capitalismo desorganizado. São Paulo: Brasiliense, 1985.

SAVIANI, D. Plano de Desenvolvimento da Educação: análise crítica da política do MEC. Campinas, SP: Autores Associados, 2009.

SOUSA, B. J. R. de. Os planos e a gestão da educação básica no Brasil – o PDE em análise. Cadernos Anpae, Vitória, ES, n. 8, 2009. ISSN 1677-3802.

Publicado
2013-05-31
Seção
Dossiê