A imitação no processo de aprendizagem: reflexões a partir da história da educação e do ensino de arte

  • Vera Lúcia Penzo Fernandes Secretaria Municipal de Educação de Campo Grande/SEMED.

Resumo

O presente texto tem como objetivo destacar, na história da educação e do ensino de arte, a imitação no processo de aprendizagem, de forma a explicitar conceitos sobre a imitação e verificar a sua presença ao longo de uma trajetória histórica. A metodologia tem como base estudos de caráter documental, extraindo fragmentos que demonstram ou fazem referência ao assunto, partimos de uma bibliografia básica e outra complementar. Neste processo percorremos as contradições e o contexto histórico-social de cada período estudado. Os estudos evidenciaram a presença constante da imitação no processo de aprendizagem, não necessariamente ligada ao ensino de arte, mas decorrente da história da educação no que se refere ao ensino de gramática ou ao ensino de forma geral. Desse modo podemos perceber que a imitação tem diferentes conceitos que permeiam o aspecto metodológico da educação, podendo ser conceituada dentro de aspectos mecanicistas, quando associada à passividade e à memorização; de aspectos espontaneísticos como vontade natural da criança; como ação produtiva que leva ao aprendizado, de acordo com os pressupostos da teoria sócio-histórica. Concluímos que a imitação está presente em pelo menos dois níveis, um que se refere ao processo de aquisição do conhecimento intrapsíquico e outro referente à relação entre indivíduo e sociedade.

Biografia do Autor

Vera Lúcia Penzo Fernandes, Secretaria Municipal de Educação de Campo Grande/SEMED.
Mestranda em Educação (UFMS). Professora da Secretaria
Municipal de Educação de Campo Grande/SEMED.

Referências

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de filosofia. 2. ed. São Paulo: Mestre Jou, 1982.

ARISTÓTELES et al. A poética clássica. 5. ed. Trad. Jaime Bruna. São Paulo: Cultrix, 1992.

ALVES, Gilberto Luiz. A produção da escola pública contemporânea. Campo Grande-MS: UFMS; Campinas-SP: Autores Associados, 2001.

BARBOSA, Ana Mae. Tópicos utópicos. Belo Horizonte-MG: C/Arte, 1998.

_____. Arte-educação no Brasil. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 1995. (Coleção Debates).

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Arte/.– Brasília: MEC/SEF, 1998.

COMÉNIO, João Amos. Didática magna: tratado universal de ensinar tudo a todos. 3. ed. Trad. Joaquim Ferreira Gomes. [S.l.]: Fundação Calouste Gulbenkian, 1957.

DUARTE, Newton. Educação escolar, teoria do cotidiano e a escola de Vigotski. Campinas-SP: Autores Associados, 1999.

FUSARI, M. F. R.; FERRAZ, M. H. C. T. Metodologia do ensino de arte. São Paulo: Cortez, 1993.

GADOTTI, Moacir. História das idéias pedagógicas. 8. ed. São Paulo: Ática, 2002.

_____. A dialética: concepção e método. In: Concepção dialética da educação. 7. ed. Campinas: Autores Associados/Cortez, 1990.

GASPARIN, João Luiz. Comênio ou da arte de ensinar tudo a todos. Campinas-SP: Papirus, 1994. (Coleção Magistério, Formação e Trabalho Pedagógico).

IANNI, Octávio. A era da globalismo. 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

MACHADO, Arlindo. Máquina e imaginário: o desafio das poéticas tecnológicas. 2. ed. São Paulo: EDUSP, 1996.

MANACORDA, Mario Alighiero. História da educação: da antigüidade aos nossos dias. 5. ed. Trad. Gaetano Lo Mônaco. São Paulo: Cortez, 1996.

OLIVEIRA, Darwin Antônio Longo de. Metapintura: conhecimento e estudo da pintura. 2002. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande-MS, 2002.

PIMENTEL, Valéria; SZPIGEL, Marisa. Cópia ou releitura? Como Não Levar Gato por Lebre. Pátio Revista Pedagógica, Porto Alegre, n. 14, p. 61-65, 2000.

PLATÃO. A República: Livro VII. Brasília: UnB; São Paulo: Ática, 1989.

PONCE, Aníbal. Educação e luta de classes. 13. ed. Trad. José Severo de Camargo Pereira. São Paulo: Cortez, 1994.

SAVIANI, Demerval. Escola e democracia. 29. ed. São Paulo: Editores Associados/Cortez, 1995. (Coleção Polêmicas do Nosso Tempo).

VYGOTSKY, Lev S. Formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

VIANNA, Maria Letícia. Desenhos estereotipados, considerados ervas-daninhas o que podemos fazer com eles? Revista do Professor, Porto Alegre, n. 38, p. 23-27, 1994.

Publicado
2013-11-04
Seção
Artigos