Carneiro Leão: a educação popular e a formação de professores

  • Josie Agatha Parrilha da Silva Universidade Estadual de Maringá.
  • Maria Cristina Gomes Machado Universidade Estadual de Maringá

Resumo

Carneiro Leão (1887-1966) ao defender uma educação popular no Brasil, diferente da educação livresca ofertada para uma minoria da população, propunha a organização nacional do ensino sob responsabilidade do Governo Federal. Para tanto, insistia na necessidade de reformar o ensino, e concebia que isto exigia uma reforma geral da escola normal, pois esta prepararia os futuros professores. Assim, este trabalho pretende analisar a proposta de Carneiro Leão para o curso normal, por meio de alguns de seus textos escritos e publicados conjuntamente no livro “Problemas de Educação” (1918). Para este autor, os cuidados com a formação do professorado tornavam-se fundamentais, o curso normal deveria “ensinar a ensinar” crianças, para tanto, deveria incluir em seu programa a psicologia aplicada à educação, bem como estágios e atividades práticas.

Biografia do Autor

Josie Agatha Parrilha da Silva, Universidade Estadual de Maringá.
Mestranda em Educação pela Universidade Estadual de
Maringá.
Maria Cristina Gomes Machado, Universidade Estadual de Maringá
Doutorado em Filosofia e História da Educação pela
Universidade Estadual de Campinas. Professora do Mestrado
em Educação da Universidade Estadual de Maringá
e atual coordenadora do GT – Maringá do Grupo de Pesquisas
“História, Sociedade e Educação no Brasil” (HISTEDBR).

Referências

ARAÚJO, Maria Cristina de Albuquerque. Antonio de Arruda Carneiro Leão. In: FÁVERO, M. L. A e outros (org.). Dicionário de educadores no Brasil – da colônia aos dias atuais. 2. ed. aum. Rio de Janeiro: UFRJ/MEC-Inep-Comped, 2002. p.114-122.

AZEVEDO, Fernando de. A cultura brasileira: introdução ao ensino da cultura no Brasil. 6. ed. Rio de Janeiro: UNP/ UFRJ, 1996.

BARBOSA, Rui. A Constituição de 1891. In: Obras completas. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Saúde, 1946. Col. XVII, t. I.

CARONE. Edgard. O pensamento industrial no Brasil (1880-1945). Rio de Janeiro-São Paulo: Difel, 1977.

LEÃO, Antonio Carneiro. O Brasil e a educação popular. Rio de Janeiro: Tip. Jornal de Comércio, 1917.

_____. Os deveres das novas gerações brasileiras. Rio de Janeiro: Soc. Ed. de Propaganda dos Países Americanos, 1923.

_____. Problemas de educação. Rio de Janeiro, 1918 (microfilme).

LEMME, Paschoal. O manifesto dos pioneiros da educação nova e suas repercussões na realidade educacional brasileira (1933) In: LEMME, Pascoal. Memórias. Brasília: INEP, 1984. V. 4, p. 251-277.

NAGLE, Jorge. Educação e sociedade na primeira república. 1. reimpressão. São Paulo: EPU, 1976.

NISKIER, Arnaldo. Educação brasileira - 500 anos de História 1500-2000. 2. ed. Rio de Janeiro: Consultor, 1996.

SCHELBAUER, Analete. Idéias que não se realizam – o debate sobre a educação do povo, no Brasil de 1870 a 1914. Maringá: EDUEM, 1998.

TEIXEIRA, Anísio. O manifesto dos pioneiros da educação nova. Revista de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 65, n. 150, p. 407-425, maio/ago. 1984.

Publicado
2013-11-04
Seção
Artigos