Apontamentos de campo acerca de uma experiência de educação não-formal com crianças e adolescentes em situação de rua

  • Ana Paula Serrata Malfitano UFSCAR
  • Roseli Esquerdo Lopes Universidade Federal de São Carlos – UFSCar.

Resumo

Este texto analisa a experiência de um abrigo situado na cidade de Campinas – SP, que se propõe a atender crianças e adolescentes em situação de rua, inclusive aqueles que são também usuários de substâncias psicoativas. Utiliza-se como metodologia de trabalho no abrigo a Pedagogia da Presença, bem como a Redução de Danos na intervenção em relação ao uso daquelas substâncias. Compreende-se que a proposta de abstinência, por si só, não constitui alternativa adequada para a maioria dos que se inserem nesta população alvo. A partir do desafio colocado para a construção deste trabalho, estabeleceu-se uma parceria com o Núcleo USP/UFSCar do Projeto Metuia1, com o intuito de que se elaborem conjuntamente reflexões acerca desta temática e se construam novas metodologias para o cuidado e acolhimento desta população.

Biografia do Autor

Ana Paula Serrata Malfitano, UFSCAR
Mestranda em Educação pela Universidade Estadual de
Campinas – UNICAMP. Terapeuta Ocupacional do Núcleo
USP/UFSCar do Projeto Metuia.
Roseli Esquerdo Lopes, Universidade Federal de São Carlos – UFSCar.
Doutora em Educação pela Universidade Estadual de
Campinas. Coordenadora do Núcleo USP/UFSCar do Projeto
Metuia. Professora Adjunta do Departamento de Terapia
Ocupacional e do Programa de Pós-Graduação em
Educação da Universidade Federal de São Carlos – UFSCar.

Referências

ARPINI, D.M. Violência e exclusão: adolescência em grupos populares. Bauru-SP: EDUC, 2003.

BARROS, D.D.; LOPES, R.E.; GALHEIGO; S.M. Projeto Metuia: terapia ocupacional no campo social. O Mundo da Saúde, v. 26, n. 3, p. 365-369, jul./set. 2002.

BARROS, D.D. et al. Projeto Casarão – Uma parceria que se constrói no dia-a-dia. In: SEMINÁRIO DE METODOLOGIA PARA PROJETOS DE EXTENSÃO, 4., 2001, São Carlos. Anais Eletrônicos... Rio de Janeiro: UFRJ, 2001. Disponível em: http://www.itoi.ufrj.br/sempe/index.htm. Acesso em: 20/08/03.

BARROSO, E.R.; GARCIA, V.A.; MALFITANO, A.P.S. GT Criando rede de esperança. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO, 2. Caderno de Resumos, Campinas-SP: Prefeitura Municipal de Campinas, 2003. p. 44-45.

BRASIL. Ministério da Saúde. Coordenação Nacional de DST e AIDS. Manual de redução de danos. Brasília: Ministério da Saúde, 2001.

_____. Estatuto da criança e do adolescente. São Paulo: Cortez, 1990.

CASTEL, R. As transformações da questão social. In: BELFIORE-WANDERLEY, M.; BÓGUS, L.; YAZBEK, M.C. (Org.). Desigualdade e a questão social. São Paulo: EDUC, 1997. p.161- 190.

CASTEL, R. Da indigência à exclusão, a desfiliação. Precariedade do trabalho e vulnerabilidade relacional. In: LANCETTI, A. (Org.). Saúde Loucura, São Paulo: Hucitec, 1994. n. 4, p. 21-48.

COSTA, A.C.G. Educação por projetos: um pequeno guia para o educador. [S.l.]: Takano, 2001.

_____. Pedagogia da presença: da solidão ao encontro. Belo Horizonte: Modus Faciendi, 1997.

DESLANDES, S.F. Drogas e vulnerabilidade às violências. In: MINAYO, M.C.S.; RAMOS, E. (Orgs.). Violência sob o olhar da saúde: a infrapolítica da contemporaneidade brasileira. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2003. p. 243-268.

FERNANDES, R.C. Privado, porém público – o terceiro setor na América Latina. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994.

GRACIANI, M.S.S. Pedagogia social de rua. 4. ed. São Paulo: Cortez/Instituto Paulo Freire, 2001.

LANCETTI, A. (Org.). Assistência social e cidadania. São Paulo: Hucitec, 1996.

LOPES, R.E. et al. Histórias de vida: a ampliação de redes sociais de suporte de crianças em uma experiência de trabalho comunitário. O Mundo da Saúde, São Paulo, v. 26, n. 3, p. 426-434, 2002.

LOPES, R.E. Estado, políticas públicas e cidadania. In: LOPES, R.E. Cidadania, políticas públicas e terapia ocupacional. 1999. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação da UNICAMP, Campinas, 1999.

MARCÍLIO, M.L. História social da criança abandonada. São Paulo: Hucitec, 1998.

MARCONDI, M.A. (Org.). Falando de abrigo: cinco anos de experiência do Projeto Casas de Convivência. São Paulo: FEBEM, 1997.

MINAYO, M.C.S.; RAMOS, E. (Orgs.). Violência sob o olhar da saúde: a infrapolítica da contemporaneidade brasileira. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2003.

MONTAÑO, C. Terceiro setor e questão social: crítica ao padrão emergente de intervenção social. São Paulo: Cortez, 2002.

PAICA-RUA (Org.). Meninos e meninas em situação de rua: políticas integradas para a garantia de direitos. São Paulo: UNICEF/Cortez, 2002. Série Fazer Valer os Direitos, vol. 2.

PRIORE, M. del (Org.). História das crianças no Brasil. São Paulo: Contexto, 1999.

SIMSON, O.R.M.; PARK, M.B.; FERNANDES, R.S. (Orgs.). Educação não-formal: cenários da criação. Campinas: UNICAMP/Centro de Memória, 2001.

TELLES, V.S. A “nova questão social” brasileira. Praga, São Paulo: Hucitec, 6, p. 107-116, set. 1998.

UNIVERSIDADE Federal de São Paulo. Departamento de Psiquiatria. Programa de Orientação e Atendimento a Dependentes. O que é a “Redução de Danos” e a “Redução de Riscos”. Publicação Eletrônica. Disponível em http://www.unifesp.br/dpsiq/proad/t_redu.htm. Acesso em 28/08/03.

ZALUAR, A. Cidadãos não vão ao paraíso. São Paulo: Escuta; Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 1994.

ZIETTI, E.A. Conflitos, relações e filiações nos abrigos. In: LANCETTI, A. (Org.). Assistência social e cidadania. São Paulo: Hucitec, 1996. p.59-64.

Publicado
2013-11-04
Seção
Artigos