O ensino da estruturação sintática para o aluno surdo

  • Eliane Ap. Machado de Agostino
  • Maria da da Piedade Resende da Costa UFSCAR

Resumo

No contexto da Educação Especial, vários são os estudos e pesquisas envolvendo a dificuldade da aquisição da linguagem escrita pelo surdo. O presente estudo teve como objetivo analisar a produção de frases construídas pelo aluno surdo para avaliar a eficácia de um procedimento de ensino apoiado no recurso visual do organograma montessoriano e no recurso aéreo da língua de sinais – LIBRAS. Os resultados permitiram concluir a eficácia do procedimento de ensino.

Biografia do Autor

Eliane Ap. Machado de Agostino
Mestre em Educação Especial pela UFSCAR. Técnica da
Prefeitura Municipal de São Carlos e professora da E.E.
Sebastião de Oliveira Rocha
Maria da da Piedade Resende da Costa, UFSCAR
Doutora em Psicologia pela USP. Professora do Programa
em Educação da UFSCAR.

Referências

BATISTA, A.S. Análise cognitiva da aprendizagem da leitura e da escrita de crianças surdas em diferentes contextos comunicativos. Dissertação de Mestrado. São Carlos: UFSCar, 2002.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Secretaria de Educação Especial: MEC/SEESP. Surdez, 2003.

BRAZOROTTO, J. S. Linguagem escrita e habilidades metalingüísticas de crianças surdas e de crianças com dificuldades de aprendizagem. Dissertação de Mestrado. São Carlos: UFSCar, 2002.

CHOMSKY, N. Aspectos da teoria da sintaxe. Coimbra, Armênio Amado Editor, 1978 – 2. ed. Tradução José António Meireles e Eduardo Paiva Raposo. (trabalho original publicado em 1957), 1978.

COSTA, D. A. F. Um novo olhar sobre a singularidade: compreendendo a gênese da escrita de aprendizes surdos. Revista Brasileira de Educação Especial. Marília: UNESP, v. 8, n. 1, 2001.

COSTA, M. P. R. Alfabetização de deficientes auditivos: um programa de ensino. São Paulo: USP, 1992).

COSTA, M. P. R. O deficiente auditivo. São Carlos: Edufscar, 1994.

FERREIRA-BRITO, L. Necessidade psico-social e cognitiva de um bilingüismo para o surdo. Anais do I congresso brasileiro de lingüística aplicada, 90-99.. São Paulo, 1989.

FERREIRO, E. e TEBEROSKY, A.. Psicogênese da língua escrita. 4. ed. Porto Alegre, Artes Médicas, 1991.

FITZGERALD, E. Straight language for the deaf. Washington, The Volta Bureau, 1. ed, 1926.

FITZGERALD, E. Straight language for the deaf. Washington, The Volta Bureau, 12. ed, 1966.

MONTESSORI, M. Pedagogia científica. São Paulo, Trad. De Aury Azélio Brunetti, do original: La scoperta del bambino 1965. Flanboyant, 1926.

PADOVANI, C. M. C. A Redações de deficientes auditivos: uma proposta de análise baseada no instrumento de Clay. Dissertação de Mestrado. São Carlos: UFSCar, 1965.

PERDONCINI, G. e YVON, Y. Précis de Psichologie et de rééducation infantiles. Paris, Éditions Médicales Flammarion, 1963.

PERELLÓ, J. Sordomudez.. Barcelona, Espanha, 1972.

PETRECHEN, D. R. D., e Costa, M. P. R. Desenvolvimento da escrita em crianças surdas. Dissertação de Mestrado. São Carlos: UFSCar, 2.001.

SÁ, N. R. L. Educação de surdos: a caminho do bilingüismo. Niterói: EdUFF, 1999.

SILVA, N. A preposição nos textos escritos de alunos surdos. Dissertação de Mestrado. São Carlos: UFSCar, 1998.

SILVA, N. e COSTA, M. P. R. Análise de redações de alunos surdos. Marquezine, M. C. e colaboradores. Perspectivas Multidisciplinares em Educação Especial. Londrina/PR: Uel, 1998, p. 229 – 232

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e Linguagem.. Trad. J. L. Camargo Martins Fontes, São Paulo, 1993.

Publicado
2013-11-01
Seção
Artigos