Preconceito e violência lingüística na escola

  • Osvaldo Piedade Pereira Universidade de Sorocaba
  • Catharina Florenzano UNIP/Sorocaba.
  • Luiz Percival Leme Britto UNISO

Resumo

A partir de reflexões fundamentadas na Lingüística contemporânea e nos estudos sobre cultura escrita e questões étnico-sociais, bem como de análises de casos, o presente trabalho apresenta considerações que auxiliam no enfrentamento do preconceito e da violência lingüística na educação escolar, pela construção de conceitos e explicitações que justifiquem mudanças teóricas e práticas na compreensão do fenômeno lingüístico.

Biografia do Autor

Osvaldo Piedade Pereira, Universidade de Sorocaba
Mestrando em Educação da Universidade de Sorocaba;
Bolsista Internacional de Pós-graduação da Fundação Ford.
Catharina Florenzano, UNIP/Sorocaba.
Mestre em Educação pela Uniso; Professora da UNIP/
Sorocaba.
Luiz Percival Leme Britto, UNISO
Doutor em Lingüística pelo IEL/Unicamp; Professor do Programa de Pós-graduação em Educação da Uniso.

Referências

ECO, Umberto. A busca da língua perfeita. São Paulo: EDUSC, 2001.

BATISTA, Antônio Augusto Gomes. Aula de Português: discursos e saberes escolares. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

BAKTHIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1981.

BOURDIEU, P. A economia das trocas lingüísticas. São Paulo: EDUSP, 1998.

_____. O poder simbólico. 7. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

BRITTO, L.P.L. A sombra do caos: ensino de língua X tradição gramatical. Campinas: ALB/ Mercado de Letras, 1997.

FLORENZANO, Catharina Regina Camargo. Discriminação lingüística: um caso de escola. 2004. Dissertação (Mestrado em Educação) – Sorocaba-SP.

GOFFMAN, E. Estigma – notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: Guanabara, 1988.

YAGUELLO, Marina. Não mexe com minha língua! In: BAGNO, Marcos (Org.). Norma Lingüística. São Paulo: Edições Loyola, 2001.

Publicado
2013-09-25
Seção
Artigos