Versões do campo da Didática na Base Nacional Comum da Formação Docente no Brasil

Palavras-chave: didática, formação docente, Pedagogia

Resumo

Este texto busca discutir como se situa o campo da Didática na terceira versão do parecer para revisão e atualização da Resolução CNE/CP n. 02/2015 e na Resolução CNE/CP n. 2, de 20 de dezembro de 2019, que institui a Base Nacional Comum da Formação Docente (BNC). Percorrendo contribuições de estudiosos(as) por meio de mapeamento de literatura especializada, sustenta o argumento conceitual de que o campo da Didática, representado pelo componente Didática Geral, institui nos currículos das licenciaturas um foco de problematização teórico-prática da mediação da aprendizagem em contextos concretos, relacionando finalidades, conhecimentos e metodologias educativas. O sentido práxico da Didática, consubstanciado em uma concepção crítica e transformadora de ensino, não encontra lugar nos documentos analisados. Ao preconizar o conceito de Conhecimento Pedagógico do Conteúdo em detrimento da complexidade dos saberes que se entrecruzam na formação docente, a terceira versão do parecer privilegiou as tendências didáticas específicas que se produzem com foco no ensino de conteúdos disciplinares. Já no documento final, apesar de assinalar a especificidade do campo da Didática, denotando a viabilidade de um componente curricular de Didática Geral, a BNC despreza as bases sociopolíticas da mediação didática, operando com uma perspectiva restritiva que dissocia o seu caráter metodológico-operativo da reflexão epistemológica e ético-política da Pedagogia.

Biografia do Autor

José Leonardo Rolim de Lima Severo, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Doutor em  Educação. Pedagogo. Professor adjunto da Universidade  Federal  da  Paraíba  (UFPB),  onde  atua  no Programa de  Pós-Graduação  em  Educação. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Pedagogia,  Trabalho Educativo e Sociedade (Gepptes). Membro do GT 4 − Didática da ANPEd.

Selma Garrido Pimenta , Universidade de São Paulo (USP)

Doutora em Educação (Filosofia da Educação).  Pedagoga. Professora titular sênior da Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo (USP), onde coordena (em parceria) o Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Formação do Educador (Gepefe). Professora associada no Programa de Pós-Graduação em Educação  (Stricto sensu) da Universidade Católica de Santos (Unisantos). Membro do GT 4 − Didática da  ANPEd. Pesquisador 1A CNPq.

Referências

ALVAREZ MÉNDEZ, Juan Manuel. Entender la didáctica, entender el curriculum. Madrid: Miño y Dávila, 2001.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP n. 2, de 20 de dezembro de 2019. Brasília-DF, 2019b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2019-pdf/135951-rcp002-19/file. Acesso em: 1º jan. 2020.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Parecer n. 22, de 7 de novembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui Base Nacional Comum para Formação Inicial de Professores para a Educação Básica – BNC Formação. Brasília-DF, 2019a. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/setembro-2019/124721-texto-referencia-formacao-de-professores/file. Acesso em: 1º jan. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Proposta de Base Nacional Comum da Formação de Professores da Educação Básica. Brasília-DF: MEC, 2018. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=105091-bnc-formacao-de-professores-v0&category_slug=dezembro-2018-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 1º jan. 2020.

FRANCO, Maria Amélia Santoro. Didática e pedagogia: da teoria do ensino à teoria da formação. In: FRANCO, Maria Amélia; PIMENTA, Selma Garrido. Didática: embates contemporâneos. São Paulo: Loyola, 2010. p. 75-100.

FRANCO, Maria Amélia Santoro. Renovar a didática crítica: uma forma de resistência às práticas pedagógicas instituídas pelas políticas neoliberais. In: SILVA, Marco; ORLANDO, Claudio; ZEN, Giovana. Didática: abordagens teóricas contemporâneas. Salvador: EDUFBA, 2019. p. 65-88.

FRANCO, Maria Amélia; PIMENTA, Selma Garrido. Didática multidimensional: por uma sistematização conceitual. Educação e Sociedade, Campinas, v. 37, n. 135, p. 539-53, abr./jun., 2016.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 24. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

LIBÂNEO, José Carlos. O campo teórico e profissional da Didática hoje: entre Ítaca e o canto das sereias. In: FRANCO, Maria Amélia Santoro; PIMENTA, Selma Garrido. Didática: embates contemporâneos. São Paulo: Loyola, 2010. p. 43-75.

PIMENTA, Selma Garrido. Epistemologia da prática ressignificando a didática. In: FRANCO, Maria Amélia Santoro; PIMENTA, Selma Garrido (Org.). Didática: embates contemporâneos. São Paulo: Loyola, 2010. p. 15-41.

PIMENTA, Selma Garrido. Para uma re-significação da didática – ciências da educação, pedagogia e didática (uma revisão conceitual e uma síntese provisória). In: PIMENTA, Selma Garrido (Org.). Didática e formação de professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2010. p. 26-55.

PIMENTA, Selma Garrido. As ondas críticas da didática em movimento: resistência ao tecnicismo/neotecnicismo neoliberal. In: SILVA, Marco; NASCIMENTO, Orlando Costa do; ZEN, Giovana Cristina. Didática: abordagens teóricas contemporâneas. Salvador: EDUFBA, 2019. p. 19-64.

SHULMAN, Lee. Knowledge and teaching: foundations of a new reform. Harvard Educational Review, Harvard, v. 57, n. 1, p. 1-22, 1987. Disponível em: https://hepgjournals.org/doi/10.17763/haer.57.1.j463w79r56455411. Acesso em: 1º de jan. 2020.

Publicado
2020-09-11
Seção
Dossiê: As (novas) políticas curriculares para formação docente: paradoxos e pro