Tem dendê na Base? Vidas negras e o Currículo Bahia

Palavras-chave: currículo, BNCC, educação antirracista

Resumo

Neste texto, trato do Currículo Bahia, referencial curricular que se propõe a assegurar os direitos de aprendizagem dos estudantes nas escolas baianas. O documento baseia-se nas orientações normativas da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), a partir das peculiaridades do Estado, operando pela significação de currículo como conhecimento, com base em Macedo (2017; 2019). Aponto a impossibilidade de cumprimento das promessas da BNCC quanto à garantia de qualidade na educação e foco no tratamento dado pelo Currículo Bahia às questões étnico-raciais, especialmente no que tange à valorização da diversidade, promoção da inclusão e ações educativas voltadas ao combate ao racismo. Enfatizo a falência dos compromissos assumidos diante do papel precípuo da instituição escolar na perpetuação da norma racial, ao mesmo tempo que reconheço brechas para os deslocamentos dela, a partir de atravessamentos do imprevisível na prática educativa, alicerçada em Silva (2006). O Currículo Bahia assume uma promessa de equidade e ambiciona projetos de vida para os jovens que transitam do Ensino Fundamental para o Ensino Médio. Enquanto isso, os altos índices de assassinatos de jovens negros indicam que os estudantes, assim como as personagens de Conceição Evaristo (2016), estão combinando de não morrer. Diante disso, é do cotidiano de uma escola rural de Conceição do Coité, no Território do Sisal, que irrompe o grito de professoras perante o genocídio da juventude negra. Além de apontar para a impossibilidade do controle pretendido nos documentos curriculares, defendo uma ação educativa lastreada no azeite de dendê, para clamar com o nosso Xangô vivo, Gilberto Gil, por práticas curriculares localizadas, racializadas e politicamente posicionadas.

Biografia do Autor

Iris Verena Oliveira, Universidade do Estado da Bahia (Uneb)

Pós-doutorado pelo Programa de Pós-Graduação em Educação - PROPED/UERJ, como bolsista PNPD/CAPES. Doutorado em Estudos Étnicos e Africanos pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Mestre em História Social pela Universidade Federal do Cear (UFC). Professora da Universidade do Estado da Bahia (UNEB) - Campus XIV (Conceição do Coité) e do Mestrado Profissional em Educação e Diversidade da UNEB. Atua na Gerência de articulação com grupos estratégicos da Pró-Reitoria de Ações Afirmativas da UNEB. Coordena o Projeto de pesquisa aplicada em educação: “Combinamos de não morrer: currículo, distorção idade-série e genocídio da juventude negra em Conceição do Coité”. Desenvolve pesquisas sobre currículo, diferença, BNCC e Currículo Bahia, além de atuar em cursos para formação e atualização de professores. Integra a Associação de Pesquisadores Negros (ABPN), Associação de Pesquisadores em Educação (ANPED) e a Associação Brasileira de Currículo (ABDc).

Referências

ALMEIDA, Silvio. Racismo Estrutural. São Paulo: Pólen, 2019. (Coleção Feminismos Plurais).

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO [ANPED]; Associação Brasileira de Currículo [ABDC]. Exposição de motivos sobre a Base Nacional Comum Curricular. Rio de Janeiro: ANPEd, ABDC, 2015. Disponível em: https://anped.org.br/sites/default/files/resources/Of_cio_01_2015_CNE_BNCC.pdf. Acesso em: 18 jul. 2020.

BAHIA (Estado). Conselho Estadual da Bahia. Parecer Documento Curricular Referencial da Bahia – etapas: Educação Infantil e Ensino Fundamental. Salvador: Conselho Estadual da Bahia, 2019a. Disponível em: http://www.conselhodeeducacao.ba.gov.br/arquivos/File/Pareceres/2019/Parecer_196_2019_CP.pdf. Acesso em: 18 jul. 2020.

BAHIA (Estado). Secretaria da Educação. Superintendência de Políticas para Educação Básica. União Nacional dos Dirigentes Municipais da Bahia. Documento Curricular Referencial da Bahia para Educação Infantil e Ensino Fundamental. Salvador: Secretaria de Educação, 2019b. Disponível em: http://www.conselhodeeducacao.ba.gov.br/arquivos/File/DocumentoCurricularReferencialdaBaha12072019.pdf. Acesso em: 18 jul. 2020.

BAHIA (Estado). Secretaria de Cultura do Estado da Bahia. Catálogo Culturas Populares e Identitárias da Bahia. 2010. Disponível em: http://observatoriodadiversidade.org.br/arquivos/catalogo_cultura2010.pdf. Acesso em: 18 jul. 2020.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. #EducaçãoéBase. YouTube, 13 abr. 2018. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=Fbz-cpct1W4. Acesso em: 18 jul. 2020.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: Educação é a Base. Brasília: MEC/CONSED/UNDIME, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518. Acesso em: 18 jul. 2020.

EVARISTO, Conceição. Olhos d’água. Rio de Janeiro: Pallas, 2016.

GOMES, Nilma Lino. O movimento negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

GOMES, Nilma Lino. Relações étnico-raciais, educação e descolonização dos currículos. Currículo sem Fronteiras, v. 12, n. 1, p. 98-109, 2012.

HARAWAY, Donna. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, Campinas, v. 5, p. 7-41, 1995.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Conceição do Coité. Cidades IBGE, 2017. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ba/conceicao-do-coite/panorama. Acesso em: 30 ago. 2020.

LIMA, Maria Nazaré Mota de. As relações étnico-raciais na escola: o papel das linguagens. Salvador: Eduneb, 2016.

LOPES, Alice Casimiro; CUNHA, Erika Virgílio. Base Nacional Comum Curricular no Brasil: regularidade na dispersão. Revista Investigación Cualitativa, Urbana, v. 2, n. 2, p. 23-35, 2017.

MACEDO, Elizabeth. Fazendo a Base virar realidade: competências e o germe da comparação. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 13, n. 15, p. 39-58, jan./maio 2019.

MACEDO, Elizabeth. Mas a escola não tem que ensinar? Conhecimento, reconhecimento e alteridade na teoria do currículo. Currículo sem Fronteiras, v. 17, n. 3, p. 539-54, set./dez. 2017.

MACHADO, Vanda. Àqueles que têm na pele a cor da noite. Ensinâncias e aprendências com o pensamento africano recriado na diáspora. 2006. 226 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, 2006.

OLIVEIRA, Iris Verena. Isso é batom para vir à escola? - Disputas estético-metodológicas nos pátios do currículo. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 17, n. 4, p. 1523-44, out./dez. 2019.

OLIVEIRA, Iris Verena. Escrevivências e limites da identidade na produção de intelectuais negras. Currículo sem Fronteiras, v. 17, n. 3, p. 633-58, set./dez. 2017.

PRANDI, Reginaldo. Mitologia dos Orixás. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

RIBEIRO, Tiago; SOUZA, Rafael; SAMPAIO, Carmen S. Conversa como metodologia de pesquisa. Por que não? Rio de Janeiro: Ayvu, 2018.

SILVA, Ana Célia. A Representação social do negro no livro didático. O que mudou? Por que mudou? Salvador: Edufba, 2011.

SILVA, Denise Ferreira. À brasileira: racialidade e a escrita de um desejo destrutivo. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 14, n. 1, p. 61-83, jan./abr. 2006.

Publicado
2020-09-11
Seção
Dossiê: As (novas) políticas curriculares para formação docente: paradoxos e pro