BNC para formação docente: um avanço às políticas neoliberais de currículo

Palavras-chave: currículo, formação docente, BNC

Resumo

Este artigo analisa os documentos que compõem o processo de construção da Resolução CNE/CP n. 2, de 20 de dezembro de 2019, perpassando desde a primeira proposta para Base Nacional Comum da Formação de Professores da Educação Básica até o parecer final do CNE e a resolução que define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Argumentamos que tais documentos instituem uma racionalidade neoliberal para pensar, por meio da lógica das competências, um currículo que produz subjetividades docentes e discentes alinhadas às regras de mercado. Para tanto, discutimos a responsabilização docente como estratégia para justificar e instituir um currículo que diz salvar a educação brasileira de seus principais problemas. Mostramos velhas competências liberais na docência a serem retomadas destituindo conquistas educacionais. Evidenciamos o perfil prático, que desvaloriza as teorias, demandado aos docentes.

Biografia do Autor

Manuella de Aragão Pires, Universidade Federal de Sergipe (UFS)

Mestranda em Educação na Universidade Federal de Sergipe (UFS), São Cristóvão. Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Científica. Técnica em Assuntos Educacionais no Departamento de Apoio Didático Pedagógico (DEAPE) na Pró-Reitoria de Graduação da Universidade Federal de Sergipe. Pesquisa na área de currículo, gênero e sexualidade.

Lívia de Rezende Cardoso, Universidade Federal de Sergipe (UFS)

Doutora em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais  (UFMG). Professora associada I da Universidade Federal de Sergipe (UFS), São Cristóvão, Programa de Pós-Graduação em Educação, Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Científica.

Referências

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO. A política de formação de professores no Brasil de 2018: uma análise dos Editais Capes de Residência Pedagógica e Pibid e a reafirmação da Resolução CNE/CP 02/2015. Rio de Janeiro: Anped, 2018.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO. Nota sobre a Base Nacional Comum para Formação de Professores. 21/12/2018. Rio de Janeiro: Anped, 2018.

AVELINO, N. Foucault e a racionalidade (neo)liberal. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília-DF, n. 21, p. 139-57, 2016.

BAMPI, L. R. Currículo como tecnologia de governo de cidadãos e cidadãs. Trabalho aprovado com resumo publicado na programação. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 23., 24 a 28 de setembro de 2000, Caxambu, MG. Programa e resumos [...]. Rio de Janeiro: ANPED, 2000. p. 87.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a Base. Brasília-DF: MEC/Consed/Undime, 2017.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CEP n. 2, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Diário Oficial da União, Brasília, seção 1, 2 jul. 2015. p. 8-12.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília-DF, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais e Base Nacional Comum para a Formação Inicial e Continuada de Professores da Educação Básica. 3ª Versão do Parecer (Atualizada em 18/09/19). Brasília-DF, 2019a.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer CNE/CP n. 22, de 7 de novembro de 2019. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Brasília-DF, 2019b.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CP n. 2, de 20 de dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília-DF, 20 dez. 2019c.

BRASIL. Ministério da Educação. Proposta para Base Nacional Comum da Formação de Professores da Educação Básica. Brasília-DF, 2018.

CARDOSO, L. R. Queremos saber, queremos viver: governo do cotidiano no currículo experimental. Currículo sem fronteiras, v. 18, p. 943-62, 2018.

CARDOSO, L. R.; GUARANY, A. L. A., UNGER, L. G. S.; PIRES, M. A. Gênero em Políticas Públicas de Educação e Currículo: do direito às invenções. Revista E-curriculum, São Paulo, v. 17, p. 1458-79, 2019.

DANNER, F. Vida, poder, política: Foucault e a questão do liberalismo. Kalagatos, Fortaleza, v. 14, n. 2, 2017, p. 77-89, 2017.

EXECUTIVA NACIONAL DE ESTUDANTES DE PEDAGOGIA [ExNEPe]. Boletim da Executiva Nacional de Estudantes de Pedagogia, [s.l.], n. 006, mar. 2019.

EVANGELISTA, O.; FIERA, L.; TITTON, M. Diretrizes para formação docente é aprovada na calada do dia: mais mercado. Jornal Universidade à Esquerda, Debate, 14 nov. 2019.

FOUCAULT, M. Nascimento da Biopolítica. Curso no Collège de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes, 2008.

GALLO, S. A educação entre o governo dos outros e o governo de si. In: RESENDE, Haroldo de (Org.). Michel Foucault − a arte neoliberal de governar e a Educação. São Paulo: Intermeios, 2018. p. 211-25.

GALLO, S. Biopolítica e subjetividade: resistência? Educar em Revista, [s.l.], v. 33, n. 66, p. 77-94, nov. 2017.

MILLER, P; ROSE, N. Governando o presente: gerenciamento da vida econômica, social e pessoal. São Paulo: Paulus, 2012.

RESENDE, H. A educação por toda a vida como Estratégia de Biorregulação Neoliberal. In: RESENDE, Haroldo (Org.). Michel Foucault − a arte neoliberal de governar e a Educação. São Paulo: Intermeios, 2018, p. 77-94.

ROSE, N. Governando a alma: a formação do eu privado. In: SILVA, Tomaz T. (Org.). Liberdades reguladas - a pedagogia construtivista e outras formas de governo do eu. Petrópolis: Vozes, 1998. p. 30-45.

PARAÍSO, M. A. Um currículo entre formas e forças. Educação, Porto Alegre, v. 38, n. 1, p. 49-58, 2015.

POPKEWITZ, T. S. História do Currículo, regulação social e poder. In: SILVA, Tomaz T. (Org.). O sujeito da educação: estudos foucaultianos. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 1994. p. 173-210.

POPKEWITZ, T. S. Lutando em defesa da alma: a política do ensino e a construção do professor. Tradução de Magda França Lopes. Porto Alegre: Artmed Editora Ltda., 2001.

POSSA, L. B.; BRAGAMONTE, P. L. A. Uma Possível Arte de Governar a Formação de Professores Alfabetizadores. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 13, p. 1050-65, 2018.

SIMON, R. I. A Pedagogia como uma tecnologia cultural. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org). Alienígenas na sala de aula: uma introdução aos estudos culturais em educação. Petrópolis: Vozes, 1995. p. 61-84.

SARAIVA, K.; VEIGA-NETO, A. Modernidade líquida, capitalismo cognitivo e educação contemporânea. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 34, n. 2, p. 187-201, maio/ago. 2009.

SILVA, K. A. C. P.; CRUZ, S. P. A. Residência Pedagógica na formação de professores: história, hegemonia e resistências. Momento diálogos em educação, Rio Grande, v. 27, n. 2, p. 227-47, 2018.

VARELA, J. Categorias espaço-temporais e socialização escolar: do individualismo ao narcisismo. In: COSTA, Marisa Vorraber (Org.). Escola básica na virada do século: cultura, política e currículo. São Paulo: Cortez, 1999. p. 73-106.

VEIGA-NETO, A. Neoliberalismo e Educação: Os desafios do precariado. In: RESENDE, Haroldo de (Org.). Michel Foucault − a arte neoliberal de governar e a Educação. São Paulo: Intermeios, 2018. p. 33-44.

Publicado
2020-09-11
Seção
Dossiê: As (novas) políticas curriculares para formação docente: paradoxos e pro