As entrelinhas da relação professor-aluno: notas para se pensar o bem-estar e o mal-estar docente na contemporaneidade

  • Flavinês Rebolo UCDB
  • Eliete Jussara Nogueira UNISO
  • Maria Lúcia de Amorim Soares UNISO

Resumo

Este texto apresenta reflexões que tiveram por objetivo desvelar as especificidades da relação professor-aluno no âmbito do contexto escolar contemporâneo. As transformações da sociedade influenciam os modos de ser das pessoas, alteram os vínculos estabelecidos no cotidiano escolar, determinam novas configurações da relação professor-aluno e afetam a qualidade de vida no trabalho dos professores. A partir de uma leitura analítica e interpretativa do referencial teórico utilizado pelas autoras em pesquisas desenvolvidas anteriormente, conclui-se que é necessário o estabelecimento de um ambiente relacional satisfatório, suscetível de reforçar a identidade pessoal e profissional do professor e de fortalecer os vínculos com os alunos e com o conhecimento para que se minimize o mal-estar e a insatisfação que tem afligido um grande número de professores.

Biografia do Autor

Flavinês Rebolo, UCDB
Doutora em Educação. Professora da Universidade Católica
Dom Bosco (UCDB).
Eliete Jussara Nogueira, UNISO
Doutora em Educação. Professora da Universidade de
Sorocaba (UNISO).
Maria Lúcia de Amorim Soares, UNISO
Doutora em Geografia. Professora da Universidade de
Sorocaba (UNISO).

Referências

BAUMAM, Z. Medo líquido. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

BOURDIEU, P. (Coord.). A miséria do mundo. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

CODO, W. (Coord.). Educação.: carinho e trabalho. Petrópolis, RJ: Vozes; Brasília: Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação / Universidade de Brasília - Laboratório de Psicologia do Trabalho, 1999.

FERNANDÉZ, L. M. Crise e dramática da mudança: avanços de pesquisa sobre projetos de inovação educativa. In: BUTELMAN, Ida (Org.). Pensando as instituições.: teorias e práticas em educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998. p.157-203.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir. Petrópolis: Vozes. 1997.

HARVEY, D. A condição pós-moderna. São Paulo: Edições Loyola, 1993.

LEITE, D. M. Educação e relações interpessoais. In: PATTO, M. H. S. Introdução à psicologia escolar. São Paulo: T. A. Queiróz, 1993. p.234-257.

LIPOVETSKY, G. A era do vazio. Lisboa: Relógio D’Água Editores, 1989.

MATOS, O. C. F. Vestígios.: escritos de filosofia e crítica social. São Paulo: Palas Athena, 1998.

PENIN, S. T. S. A questão pública da satisfação/Insatisfação do professor no trabalho. Revista da Faculdade de Educação, São Paulo, v.11, n.1/2, p.149-172, jan./dez. 1985.

REBOLO, F. Professores retirantes.: um estudo sobre a evasão de professores do magistério público do estado de São Paulo. 1999. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, 1999.

SANTOS, J. F. O que é pós-moderno. São Paulo: Brasiliense, 1980.

SENNETT, R. O declínio do homem público.: tiranias da intimidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

SNYDERS, G. A alegria na escola. São Paulo: Manole, 1988.

TAVARES, José. Uma sociedade que aprende e se desenvolve – relações interpessoais. Porto: Porto Editora, 1996.

TUAN, Y. F. Paisagens do medo. São Paulo: Ed.Unesp, 2005.

VYGOTSKY, L. S. Formação social da mente.: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

Publicado
2013-06-04
Seção
Artigos