Olhar ecológico sobre a mediação no processo de inclusão na educação infantil

Palavras-chave: educação ambiental, intervenção precoce, transtorno do espectro autista, formação de professores

Resumo

O presente estudo constitui-se parte da dissertação de mestrado do Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental (PPGEA) da Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Tem o objetivo de conhecer e compreender os processos de intervenções em crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA) inseridas na Educação Infantil em territórios ecológicos distintos, identificando as percepções sobre a formação dos educadores e as políticas educacionais direcionadas para esse público. O trabalho teve como proposta utilizar a metodologia da Inserção Ecológica nos contextos escolares que atendem crianças com TEA, com idades de 0 a 5 anos, de forma qualitativa, em contextos sociais diferentes. Os resultados apontam para diferenças e proximidades no trabalho pedagógico realizado pelas professoras no Brasil e em Portugal. Diante disso, é importante que tenhamos o conhecimento da necessidade de intervenção e educação especializadas, para minimizar os sintomas que prejudicam esse trabalho pedagógico e oportunizar uma melhor qualidade de vida para os indivíduos com TEA.

Biografia do Autor

Carla Coutinho Moser, Universidade Federal do Rio Grande (FURG)

Mestre em Educação Ambiental pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Graduada em Psicologia e Licenciada em Pedagogia pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Professora de rede pública municipal de ensino.

Narjara Mendes Garcia, Universidade Federal do Rio Grande (FURG)

Doutora em Educação Ambiental pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Pedagoga. Professora Adjunta no Instituto de Educação da Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental.

Priscila Wally Chagas, Universidade Federal do Rio Grande (FURG)

Doutora em Educação Ambiental pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Mestre em Educação. Licenciada em Pedagogia pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG).  Professora de rede pública municipal de ensino.

Referências

ASSOCIAÇÃO AMERICANA DE PSIQUIATRIA [AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION]. DSM-5 Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. 5. ed. Tradução de Maria Inês Corrêa Nascimento e outros; revisão técnica de Aristides Volpato Cordioli e outros. Porto Alegre: Artmed, 2014.

BACKES, Bárbara; BOSA, Cleonice Alves; ZANON, Regina Basso. Diagnóstico do autismo: relação entre fatores contextuais, familiares e da criança. Revista Psicologia: Teoria e Prática, São Paulo, v. 19, n. 1, p. 152-63, 2017. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/ptp/v19n1/v19n1a09.pdf. Acesso em: 20 set. 2017.

BOLSANELLO, Maria Augusta.; SOEJIMA, Carolina Santos.; Programa de intervenção e atenção precoce com bebês na educação infantil. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n.43 p. 65-79, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/er/n43/n43a06.pdf. Acesso em: 19 set. 2017.

BRASIL. Lei n. 13.146, 6 de julho de 2015. Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Brasília-DF, 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13146.html. Acesso em: 15 set. 2017.

BRONFENBRENNER, Urie. Bioecologia do desenvolvimento humano: tornando os seres humanos mais humanos. Artmed: Porto Alegre, 2011.

BRONFENBRENNER, Urie. A ecologia do desenvolvimento humano: experimentos naturais e planejados. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996. [Original publicado em 1979].

BRONFENBRENNER, Urie; MORRIS, P. The ecology of developmental processes. In: DAMON, W. (Org.). Handbook of child psychology. New York: John Wiley Sons, 1998.

v. 1.

CECCONELLO, Alessandra Marques; KOLLER, Sílvia Helena. Inserção Ecológica na comunidade: uma proposta metodológica para o estudo de famílias em situação de risco. In: KOLLER, Sílvia Helena. (Org.). Ecologia do desenvolvimento humano: pesquisa e intervenção no Brasil. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004. p. 271-95.

CIOLA, Juliana de Cássia Baptistella; FONSECA, Maria Elisa Granchi. Vejo e aprendo: fundamentos do programa TEACCH: o ensino estruturado para pessoas com autismo. 1. ed. Ribeirão Preto, SP: Book Toy, 2014.

CHARMAZ, Kathy. A Construção da Teoria Fundamentada: guia prático para análise qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

COPETTI, Fernando; KREBS, Ruy. Jornada. As propriedades da pessoa na perspectiva do paradigma bioecológico. In: KOLLER, Sílvia Helena. (Ed.). Ecologia do desenvolvimento humano: pesquisa e intervenção no Brasil. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004. p. 67-89.

GOMES, Mário Henrique. Os modelos pedagógicos High/Scope e do movimento da escola moderna propostas de pedagogia diferenciada, Porto: Biblioteca Nacional de Portugal, 2014 [1974]. (Coleção: Prometeu).

JÚLIO-COSTA, Annelise; ANTUNES, Andressa Moreira. Transtorno de espectro autista na prática clínica. São Paulo: Pearson Clinical Brasil. 2018.

LISBOA, Carolina Macedo; KOLLER, Sílvia Helena. O microssistema escolar e os processos proximais: exemplos de Investigações científicas e intervenções práticas – Ecologia do desenvolvimento humano. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004.

MANTOAN, Maria Teresa Eglér. Inclusão Escolar: o que é? Como fazer? São Paulo: Summus, 2015.

ROGERS, Sally; DAWSON, Geraldine. Intervenção precoce em crianças com autismo: modelo Denver para a promoção da linguagem, da aprendizagem e da socialização. Educar em Revista, Paraná, n. 59, p. 296-7, 2016. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=155044835019. Acesso em: 10 de dezembro de 2018.

Publicado
2021-06-10
Seção
Artigos