Educação poética em educação não formal: narrativas simbólicas e criações artísticas

  • Renata Sieiro Fernandes Centro Universitário Salesiano de São Paulo
  • Teca Minuzzo Rede Pública Municipal de Ensino de Paulínia, SP. (Aposentada)
  • Severino Antônio Moreira Barbosa Centro Universitário Salesiano de São Paulo - UNISAL.
Palavras-chave: simbolismo, literatura, ações sociodramáticas

Resumo

O artigo trata da educação poética no cotidiano de sujeitos adultos. A problemática é a de uma educação permanente baseada na escuta e na produção de narrativas simbólicas e da criação por meio de linguagens artísticas. Para tanto, vale-se de ações interventivas por meio de oficinas com mulheres, em rodas de leitura de literatura e de técnicas do sociodrama, do teatro espontâneo e do Teatro do Oprimido, dentro da concepção de educação não formal como campo de educação e para promover uma formação permanente e ao longo da vida. Os conteúdos e repertórios produzidos no momento das oficinas deram origem a construções de poéticas pessoais sob a forma de uma ação ligada simbolicamente ao universo feminino, a tecelagem. A partir disso, foi possível pensar e refletir sobre ser mulher na sociedade contemporânea, com suas conquistas, desafios, avanços, retrocessos, lutas, tensões, desejos, afetos, sensibilidades ao longo de todo o processo de vida.

Palavras-chave: Simbolismo; literatura; ações sociodramáticas.


Biografia do Autor

Renata Sieiro Fernandes, Centro Universitário Salesiano de São Paulo
Pedagoga, mestre e doutora em Educação pela Faculdadede Educação – UNICAMP e pós-doutoranda pela Faculdade de Educação – UNICAMP,docente do Mestrado em Educação Sociocomunitária do Centro UniversitárioSalesiano de São Paulo (UNISAL), campus Maria Auxiliadora, Americana, SP.
Teca Minuzzo, Rede Pública Municipal de Ensino de Paulínia, SP. (Aposentada)
Psicodramatista, pedagoga e mestre em Educação Física pela Faculdade de Educação Física – UNICAMP.
Severino Antônio Moreira Barbosa, Centro Universitário Salesiano de São Paulo - UNISAL.
Doutor em Educação pela Faculdade de Educação – UNICAMP, docente do Mestrado em Educação Sociocomunitária, UNISAL, campus Maria Auxiliadora, Americana-SP.

Referências

BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas. São Paulo: Brasiliense, 1985. Vol. 1.

BOAL, Augusto. O arco-íris do desejo: o método Boal de teatro e terapia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1996.

BRANDÃO, Carlos R. O que é educação. São Paulo: Brasiliense, 1981.

BREMBECK, Cole S. Introducción. In: BREMBECK, Cole S.; THOMPSON, Timothy J. (Ed.). Nuevas estrategias para el desarrollo educativo: investigación intercultural de alternativas no formales. Buenos Aires: Editorial Guadalupe, 1976. p. 9-16.

CÂNDIDO, Antonio. Vários escritos. 3. ed. São Paulo: Duas Cidades, 1995.

COLASANTI, Marina. A moça tecelã. In: ______. Doze reis e a moça no labirinto do vento. Rio de Janeiro: Nórdica, 1985.

COUTO, Mia. Mia Couto: todos os meus livros são um só. O Estado de São Paulo, São Paulo, 23 set. 2015. Caderno 2, Literatura, página C4.

ESQUIVEL, Laura. Malinche. Rio de Janeiro: Ediouro, 2007.

GERALDI, João Wanderlei. Portos de passagem. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

KOTHE, Flávio R. Para ler Benjamin. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1976.

MERNISSI, Fátima. Sonhos de transgressão: minha vida de menina num harém. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

MORENO, Jacob L. Psicodrama. São Paulo: Cultrix; Ed.13, 2011.

OLIVEIRA, Cleide M. Tempo e poesia: o pensamento utópico de Octávio Paz. Ciência Literatura e Letras, Rio de Janeiro, [s.d.]. Disponível em: <http://www.ciencialit.letras.ufrj.br/temp/admin/upload/cleideoliveira_tempoepoesia.pdf>. Acesso em: 29 set. 2015.

PALHARES, José. Reflexões sobre o não escolar na escola e para além dela. Revista Portuguesa de Educação, v. 22, n. 2, p. 53-84, 2009.

PAZ, Octavio. O arco e a lira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982.

ROCHA, Ruth. Mulheres de coragem. São Paulo: FTD, 1994.

TODOROV, Tzvetan. A literatura em perigo. Rio de Janeiro: Difel, 2009.

TRILLA, Jaume. La educación fuera de la escuela – ámbitos no formales y educación social. Barcelona, Espanha: Ariel, 1996.

Publicado
2016-09-12
Seção
Dossiê