Reformas educacionais, cultura e cotidiano escolar

  • Maria Aparecida de Lima Madureira UNISO
  • Sergio Marcos Rodrigues da Silva UNISO
  • Jorge Luiz Cammarano Gonzales UNISO

Resumo

O texto aqui apresentado problematiza as relações e mediações entre as reformas educacionais promovidas pelo Estado brasileiro, nos anos noventa do século passado, a cultura escolar e o cotidiano escolar. Observamos, no âmbito da educação escolar, que as políticas reformistas constituem um esforço de feições planetárias, promovido pelos conglomerados transnacionais e seus agentes multilaterais: BIRD, BID, FMI e OMC. Assumimos o suposto de que as reformas educacionais, nucleadas na educação para o trabalho e para a cidadania, referenciam-se em práticas formativas cuja finalidade é a formação do indivíduo nos limites das relações fundantes da sociedade das mercadorias como meio de criar as possibilidades de naturalizar e perpetuar a lógica do Capital em sua luta incessante para controlar, subordinar e alienar o Trabalho.

Biografia do Autor

Maria Aparecida de Lima Madureira, UNISO
Mestrandos do Programa de Mestrado em Educação da
Universidade de Sorocaba – UNISO.
Sergio Marcos Rodrigues da Silva, UNISO
Mestrandos do Programa de Mestrado em Educação da
Universidade de Sorocaba – UNISO.
Jorge Luiz Cammarano Gonzales, UNISO
Professor do Programa de Mestrado em Educação da
Universidade de Sorocaba – UNISO.

Referências

BELTRÁN LLAVADOR, L ;SAN MARTÍN ALONSO, A. Diseñar la coherencia escolar. Madrid: Morata, 2002.

CEPAL/OREALC. Educación y conocimiento – eje de la transformación productiva con equidad. Santiago, Chile, 1992. [presentación (15-16); resumen y conclusiones (17-20); cap. III e cap. V (125-140)].

CHESNAIS, François. A mundialização do capital. São Paulo: Xamã, 1996.

DELORS, Jaques. Educação. Um tesouro a descobrir. São Paulo: Cortez; Brasília-DF: MEC/UNESCO, 1998.

DUARTE, Newton. Educação escolar, teoria do cotidiano e a escola de Vigotski. 3. ed. Campinas- SP: Autores Associados, 2001.

DUARTE, Newton. Vigotski e o “aprender a aprender”: crítica às apropriações neoliberais e pósmodernas da teoria vigotskiana. 3. ed. Campinas-SP: Autores Associados, 2004. (Coleção educação contemporânea).

JULIA, Dominique. A cultura escolar como objeto histórico. Trad. Gizele de Souza. Revista Brasileira da Educação, Campinas-SP, n. 1, p. 9-43, jan./jul. 2001.

MELLO e SOUZA, Alberto de. Um modelo de educação para o século XXI: notas sobre um seminário. In: VELLOSO, João Paulo dos Reis; ALBUQUERQUE, Roberto Cavalcanti de (Coords.). Um modelo para a educação no século XXI. Rio de Janeiro: José Olympio, 1999.

MIRANDA Marilia G. de. O novo paradigma de conhecimento e as políticas educativas na América Latina. Disponível em: <http://www.reduc.cl/raes.nsf>. Acesso em: 20 ago.2005.

MÉSZÁROS, Itsvan. A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2005.

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS. O papel da educação na sociedade tecnológica. MEC, 2000. Parte I, Bases Legais, p. 11-12. Disponível em: <http://www.mec.gov.br/seb/pdf/blegais.pdf>. Acesso em: 20 ago. 2005.

SILVA JR. J. dos Reis; FERRETTI, C. J. O institucional, a organização e a cultura escolar. São Paulo: Xamã, 2004.

SILVA JR., J. dos Reis. Reformas educacionais, reconversão produtiva e a constituição de um novo sujeito. Disponível em: <http://168.96.200.17/ar/libros/educacion/solva.pdf>. Acesso em: 20 ago. 2005.

TORRES, Rosa Maria. Melhorar a qualidade da educação básica? As estratégias do Banco Mundial. In: TOMMASI Lívia de; WARDE, Mirian J.; HADDAD, Sergio (Orgs.). O Banco Mundial e as políticas educacionais. São Paulo: Cortez/PUC-SP/Ação Educativa, 1996. p 125-193.

UNESCO. UNICE. PNUD. BIRD. Declaração Mundial sobre Educação para Todos – Satisfação da Necessidades Básica de Ensino e aprendizagem. Jomtien, Tailândia, 1990.

VALENTE, Ivan; ROMANO, Roberto. PNE: Plano Nacional de Educação ou Carta de Intenção. Educação & Sociedade, Campinas, v. 23, n. 80, p. 97-108, set. 2002.

VELLOSO, João Paulo dos Reis; ALBUQUERQUE, Roberto Cavalcanti de. (Coords.). Um modelo para a educação no século XXI. Rio de Janeiro: José Olympio, 1999.

Publicado
2013-09-05
Seção
Artigos