Povos indígenas, conhecimentos tradicionais e diálogo de saberes nas instituições de educação superior: desafios para uns e outros

  • Antonio J. Brand UCDB
  • Valéria A. M. de Oliveira Calderoni UCDB

Resumo

Este texto traz uma reflexão sobre conhecimentos tradicionais indígenas e enfatiza a necessidade de um diálogo de saberes nas práticas de ensino nas Instituições de Educação Superior, IES. Tem como objetivo abordar os desafios de caráter epistemológico postos pela presença desses outros, os indígenas, nos espaços acadêmicos partindo da premissa de que suas expectativas e demandas não se restringem aos contornos já previstos pelos programas de inclusão de setores socialmente excluídos das universidades. Como procedimento técnico-metodológico, recorreu-se a levantamentos, discussões e acompanhamento de acadêmicos indígenas em suas trajetórias nas IES, através do projeto Rede de Saberes. O trabalho ancorase em leituras de teóricos pós-coloniais e nos estudos culturalistas, tendo como referência a discussão de temas como conhecimentos tradicionais indígenas, IES, conhecimentos ocidentais, entre outros. Na construção desta pesquisa, acolheu-se a compreensão de que o mundo não é de um único jeito, somos múltiplos, com visões de mundo distintas, que se traduzem em epistemologias também distintas. Para que as visões de mundo e as lógicas de construção de conhecimento dos acadêmicos indígenas possam ser acolhidas nas IES, entendemos ser necessário promover debates em torno desse tema, tendo em vista o diálogo entre os seus conhecimentos e os conhecimentos ocidentais, para além da ciência e da técnica que envolve as práticas de ensinar. Entendemos ser essa, também, uma possibilidade de explicitar as tensões entre regulação e emancipação presente nas práticas de ensino, além de nos proporcionar um alargamento de nossa compreensão de mundo.

Biografia do Autor

Antonio J. Brand, UCDB
Doutor em história e professor nos Programas de Mestrado
e Doutorado em Educação da Universidade Católica
Dom Bosco (UCDB). Coordenador do Programa Kaiowá/
Guarani e o Programa Rede de Saberes – uma parceria
entre a UCDB e as três Universidades Públicas de Mato
Grosso do Sul. Este projeto conta com o apoio do CNPQ.
Valéria A. M. de Oliveira Calderoni, UCDB
Aluna do Programa de Doutorado em Educação da
Universidade Católica Dom Bosco.

Referências

AMARAL, Wagner Roberto do. As trajetórias dos estudantes indígenas nas universidades estaduais do Paraná: sujeitos e pertencimentos. Curitiba: UFP, 2010. 586 f. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2010.

BHABHA, H. O local da cultura. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

BRAND, Antonio Jacó. Mudanças e continuísmos na política indigenista pós-1988. In: SOUZA LIMA, Antônio Carlos de; HOFFMANN, Lima e Barroso. (Orgs). Estado e Povos Indígenas. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria/LACED, 2002, p. 31- 40.

______. Os acadêmicos indígenas e as lutas por autonomia de seus povos. In: SEMERARO, Giovanni et al. (Org.). Gramsci e os movimentos populares. Niterói: Editora da UFF, 2011, v. 1, p. 201-214.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, DF, v. 134, n. 248, 23 dez. 1996. Seção I, p. 27834-27841.

CARNEIRO, Robert. Uso do solo e classificação da floresta (Kuikúro). In: RIBEIRO, Berta (Coord.). Suma etnológica brasileira. Etnobiologia., v. 1, 2. ed., 1987, p. 47-56.

CUNHA, Maria Isabel. Diferentes olhares sobre as práticas pedagógicas no ensino superior: a docência e sua formação. Revista Educação, Porto Alegre, ano XXVII, n. 3 (54), p. 525-536, set./dez. 2004.

DESCOLA, Philippe. La selva culta. Simbolismo y praxis en la ecología de los Achuar. trad. De Juan Carrera Colin y Xavier Catta Quelen. Quito: Abya-Yala, 1988.

ESTEBAN, Maria Teresa. Destruição e diálogo no cotidiano escolar. Afinal onde esta a escola? 2009, n. 187.

FLEURI, R. M. Políticas da diferença: para além dos estereótipos na prática educacional. Educação & Sociedade, Florianópolis, v. 27, p. 495-520, 2006. (Impresso)

GEERTZ, C. Interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

HALL, Stuart. A centralidade da cultura: Notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 22, n. 2, p. 15-46, jul./dez. 1997.

LIMA, A. C. S.; HOFFMANN, M. B. Seminário: Desafios para uma educação superior para os povos indígenas no Brasil: políticas públicas de ação afirmativa e direitos culturais diferenciados. Relatórios de Mesas e Grupos. Brasília, out. 2004, 171 p. Disponível em: <www.ifcs.ufrj.br/observa/relatórios/desafiosES_indigenas>. Acesso em: 13 out. 2011.

LUCIANO, Gersem J. S. O índio brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Brasília: MEC/Secad; LACED/Museu Nacional, 2006. (Coleção Educação para todos).

MATO, Daniel. Diferenças culturais, interculturalidade e inclusão na produção de conhecimentos e práticas socieducativas. In: CANDAU, Vera Maria (Org.). Educação intercultural na América Latina: entre concepções, tensões e propostas. Rio de Janeiro: 7 letras, 2009. p 74- 93.

NASCIMENTO, Adir, Casaro; URQUIZA, A. H. A. Currículo, diferenças e identidades: tendências da escola Indígena guarani e kaiowá. Currículo sem Fronteiras, v. 10, n. 1, p. 113-132, Jan/Jun 2010.

SAHLINS, M. Ilhas de História. Tradução de Barbara Sette. Rio de Janeiro: Zahar, 1990.

SANTOMÉ, Jurjo, Torres. As culturas negadas e silenciadas no currículo. In: SILVA, T. T. da (Org.). Alienígenas na sala de aula: uma introdução aos estudos culturais em educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995. p.159-177.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Um discurso sobre a ciência. Porto: Afrontamento, 1986.

______. A crítica da razão indolente. Contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez, 2000.

SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula G.; NUNES, João Arriscado. Para ampliar o cânone da ciência: a diversidade epistemológica do mundo. In: SANTOS, Boaventura de Sousa (Org.). Semear outras soluções. Os caminhos da biodiversidade e dos conhecimentos rivais. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira e Ministério da Cultura, 2005, p. 21 - 45.

WALSH, Catherine. Interculturalidad y colonialidad del poder. Um pensamiento y posicionamiento “outro” desde la diferencia colonial. In: GOMEZ, Santiago Castro; GROSFOGUEL, Ramón (Org.). El giro decolonial. Reflexiones para uma diversidad epistêmica mas allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores/Universidad Central/Pontifícia Universidad Javeriana, 2007, p. 47-62.

______. Interculturalidade, Crítica e Pedagogia Decolonial: in-surgir, re-existir e re-viver. In: CANDAU, Vera Maria (Org.). Educação intercultural na América Latina: entre concepções, tensões e propostas. Rio de Janeiro: 7 letras, 2009. p. 12-42.

Publicado
2013-05-31
Seção
Artigos