Promoção em saúde e educação sociocomunitaria

  • Sueli Maria Pessagno Caro Centro Universitário Salesiano de São Paulo (UNISAL)
  • Denise Amaral Camossa Centro Universitário Anhanguera Leme

Resumo

A saúde é vista não somente como ausência de doenças, mas como uma ação coletiva e política, que deve se preocupar com as práticas preventivas e com a experiência sociocomunitária. O objetivo deste trabalho foi mostrar a contribuição da educação sociocomunitária para a nova visão de promoção em saúde. Desenvolveu-se um levantamento bibliográfico aprofundando o conhecimento e respondendo aos questionamentos específicos da realidade social. As dificuldades referentes ao trabalho em equipe (interdisciplinar) é ainda o reflexo da mudança de um modelo pedagógico centrado em um trabalho linear, institucionalizado, hierárquico, com a utilização de técnicas específicas – fragmentadas, parciais e isoladas – de uma determinada área de formação.O trabalho interdisciplinar (e transdisciplinar) exige mudanças e desafios inerentes à própria convivência social no local de trabalho. A educação sociocomunitária vem promover as relações entre profissionais, e profissionais e destinatários.

Palavras chave: promoção em saúde, trabalho interdisciplinar, educação sociocomunitária

Biografia do Autor

Sueli Maria Pessagno Caro, Centro Universitário Salesiano de São Paulo (UNISAL)
Docente permanente do Programa de Mestrado em Educação
Denise Amaral Camossa, Centro Universitário Anhanguera Leme
coordenadora pedagógica do Centro Universitário de Leme e professora do curso de Psicologia.

Referências

ABUHAB, Deborah; SANTO, Anedith B. A. P.; MESSENBERG, Carlos B.; FONSECA, Rosa M. G. S. O trabalho em equipe multiprofissional no CAPS III: um desafio. Rev. Gaúcha Enferm., Porto Alegre, RS, 26(3): 369-80, dez. 2005. Disponível em: <http://seer.ufrgs.br/RevistaGauchadeEnfermagem/article/view/4567>. Acesso em: 15 jul. 2011.

ALBUQUERQUE, Carlos M. S. A.; OLIVEIRA, Cristina P. F. Saúde e doença: significações e perspectivas em mudança. Millenium, 25, 2002. Disponível em: <www.ipv.pt/millenium/millenium 25/25_27.htm>. Acesso em: 8 maio 2011.

ALMA-ATA. Declaração de Alma-Ata. Conferência Internacional sobre Cuidados Primários de Saúde. URSS, 1978. Disponível em: <http://www.opas.org.br/coletiva/uploadArq/Alma-Ata.pdf>. Acesso em: 5 fev. 2011.

ARAÚJO, Marize Barros Souza; ROCHA, Paulo Medeiros. Trabalho em equipe: um desafio para a consolidação da estratégia de saúde da família. Ciência & Saúde Coletiva, 12(2), p. 455-464, 2007.

BACKES, Dirce Stein; LUNARDI FILHO, Wilson Danilo; LUNARDI, Valéria Lerch. A construção de um processo interdisciplinar de humanização à luz de Freire. Texto Contexto Enferm., Florianópolis, v. 14, n. 3, set. 2005. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010407072005000300015&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 20 de mai de 2011>.

BRASIL. Ministério da Saúde. Brasil. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação em Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2009.

______. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Caderno de educação popular e saúde. Brasília, 2007. 160 p. (Série B: Textos Básicos de Saúde).

______. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. A educação que produz saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2005.

______. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988,Seção II. DA SAÚDE. Art. 196. 1988. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/constituicao_saude_idoso.pdf>. Acesso em: 2 jul. 2011.

______. Ministério da Saúde. Secretaria Nacional de Assistência à Saúde. ABC do SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 1990.

BUSS, Paulo Marchiori. Promoção de saúde da família. Revista Brasileira de Saúde da Família, v. 2, n. 6, p. 50-60, 2002.

CARO, Sueli Maria Pessagno. Os fundamentos da educação social para uma educação sócio-comunitária. Revista de Ciências da Educação, ano 08, n. 15, 2006.

COSTA, Rosemary Pereira. Interdisciplinaridade e equipes de saúde: concepções. Mental, Barbacena, MG, ano V, n. 8, p. 107-124, jun. 2007. Disponível em: <bvsalud.org/pdf/mental/v5n8/v5n8a08.pdf>. Acesso em: 21 ago. 2011.

COSTA, Ricardo César Rocha. Descentralização, financiamento e regulação: a reforma do sistema público de saúde no Brasil durante a década de 1990. Revista Sociol. Polít., Curitiba, n. 18, p. 49-71, jun. 2002.

DOMINGUES, Ivan (Org.). Conhecimento e transdisciplinaridade II: aspectos metodológicos. Belo Horizonte: UFMG, 2005. Disponível em: <http://books.google.com.br/books?hl=ptBR&lr=&id=ZvHgARlP2fIC&oi=fnd&pg=PA12&dq=Conhecimento+e+Transdisciplinaridade+&ots=NheX6rJTd6&sig=iKVAKbqzkviqw3geCcWrdag0n0#v=onepage&q=Conhecimento%20e%20Transdisciplinaridade&f=false>. Acesso em: 11 mar. 2012.

FAZENDA, Ivani Catarina Arantes. Integração e interdisciplinaridade no ensino brasileiro – efetividade ou ideologia. São Paulo: Loyola, 2002. Disponível em: <http://books.google.com.br/books?hl=ptBR&lr=&id=peliJJBfTn4C&oi=fnd&pg=PA7&dq=+ivani+fazenda&ots=tdDFrl1smQ&sig=cqGh6AIbmTE7zReOiZCIufr77M#v=onepage&q=ivani%20fazenda&f=false>. Acesso em: 11 mar. 2012.

______. Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. Campinas, SP: Papirus, 1994. Disponível em: <http://books.google.com.br/books?hl=pt-BR&lr=&id=lESxUJsjE9YC&oi=fnd&pg=PA9&dq=disciplinaridade+ivani+fazenda&ots=-7tUuagmgK&sig=UqVGsLs1SeSZhy5UbEzJTXC1VTA#v=onepage&q&f=false>. Acesso em: 11 mar. 2012.

FORTUNA, Cinira Magali; MISHIMA, Silvana Martins; MATUMOTO, Silvia; PEREIRA, Maria José Bistafa. O trabalho em equipe no programa de saúde da família: reflexões a partir de conceitos do processo grupal e de grupos operativos. Revista Latino-am Enfermagem, 13(2): 262-8, 2005.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

______. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996. (Coleção Leitura).

GATTÁS, Maria Lúcia Borges. Interdisciplinaridade – formação e ação na área da saúde. Ribeirão Preto, SP: Holos, 2006. 200 p.

GATTÁS, Maria Lúcia Borges; FUREGATO, Antonia Regina Ferreira. Interdisciplinaridade: uma contextualização. Acta Paul. Enferm., v. 19, n. 3, p. 322-327, 2006.

GOHN, Maria Glória. Educação não formal e o educador social. Revista de Ciências da Educação, Americana, SP, ano X, n. 19, p. 121-140, 2º semestre 2008.

______. Educação não formal e cultura política. São Paulo: Cortez, 1999.

GOMES, Paulo Tarso. Educação sócio-comunitária: delimitações e perspectivas. Revista de Ciências da Educação, Americana, SP, ano X, n. 18, p. 43-64, 1º semestre 2008.

______. Filosofia e educação sócio-comunitária. Revista de Ciências da Educação, Americana, SP, ano IX, n. 17, p. 39-48, 2º semestre 2007.

GUARESCHI, Pedro. Relações comunitárias. Relações de dominação. In: CAMPOS, R. H. F. (Org.). Psicologia social comunitária: da solidariedade à autonomia. 13. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

HEIDEMANN, Ivonete Teresinha Schulter Buss. A promoção de saúde e a concepção dialógica de Freire: possibilidades de sua inserção e limites no processo de trabalho das equipes de Saúde da Família. 2006. 296 p. Tese (Doutorado em Enfermagem em Saúde Pública) – USP-Ribeirão Preto, SP, 2006.

IGLESIAS, Alexandra; DALBELLO-ARAÚJO, Maristela. As concepções de promoção da saúde e suas implicações. Cad. Saúde Colet., Rio de Janeiro, 19 (3): 291-8, 2011. Disponível em: <http://www.iesc.ufrj.br/cadernos/images/csc/2011_3/artigos/csc_v19n3_291-298.pdf>. Acesso em: 15 nov. 2011.

IRIBARRY, Isac Nikos. Aproximações sobre a transdisciplinaridade: algumas linhas históricas, fundamentos e princípios aplicados ao trabalho de equipe. Psicologia: Reflexão e Crítica, 16(3), p. 483-490, 2003.

LIMA, Paulo Gomes; DIAS, Izabel Carvalho Gonçalves. Educação não-formal: um intertexto sobre sua caracterização. Revista de Ciências da Educação, Americana, SP, ano X, n. 19, 2008. Disponível em: <http://www.am.unisal.br/pos/StrictoEducacao/revista_ciencia/EDUCACAO_19.pdf#page=141>. Acesso em: 15 abr. 2011.

MATOS, Eliane; PIRES, Denise Elvira. Pires de. Práticas de cuidado na perspectiva interdisciplinar: um caminho promissor. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, 18(2): 338-46, abr./jun. 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/tce/v18n2/18.pdf>. Acesso em: 15 jul. 2011.

MEDEIROS, Patrícia Flores; BERNARDES, Anita Guazzelli; GUARESCHI, Neuza M. F. O conceito de saúde e suas implicações nas práticas psicológicas. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 21, n. 3, p. 263-269, set./dez. 2005.

MENDES, Jussara Maria Rosa; LEWGOY, Alzira Maria Baptista; SILVEIRA, Esalba Carvalho. Saúde e transdisciplinaridade: mundo vasto mundo. Revista Ciência & Saúde, Porto Alegre, v. 1, n.1, p. 24-32, jan./jun. 2008.

OLIVEIRA, Daniely Alvim; GUEDES, Heloísa Helena Silva. Quando a educação alia-se à saúde: o desenvolvimento da estratégia de educação em saúde nas ações do Núcleo de Atendimento Especializado à criança escolar – NEACE/LESTE. Libertas, Juiz de Fora, v. 8, n. 1, p. 110-138, jan./ jun. 2008. Disponível em: <www.uflf.br/revistalibertas/files/2011/02/artigos 06_8.pdf>. Acesso em: 6 jun. 2011.

OLIVEIRA, Daniely Alvim. A “nova” saúde pública e a promoção da saúde via educação: entre a tradição e a inovação. Rev Latino-am Enfermagem, 13(3):423-31, maio/jun. 2005. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rlae/v13n3/v13n3a18.pdf>. Acesso em: 5 maio 2011.

PINHEIRO, Roseni; BARROS, Maria Elizabeth Barros de; MATTOS, Ruben Araújo. Trabalho em equipe sob o eixo da integralidade: valores, saberes e práticas. Rio de Janeiro: IMS/UERJ/CEPESC/ABRASCO, 2007. 208 p.

PINHO, Márcia Cristina Gomes. Trabalho em equipe de saúde: limites e possibilidades de atuação eficaz. Ciência e Cognição, v. 8, p 68-87, jul. 2006. Disponível em: <www.cienciasecognicao.org>. Acesso em: 3 abr. 2011.

QUEIROZ, Marcos S. Saúde e doença: um enfoque antropológico. Bauru, SP: EDUSC, 2003.

ROMANS, Merce; PETRUS, Antoni; TRILLA Jaume. Profissão educador social. Porto Alegre: Artmed, 2003.

SAUPE, Rosita; CUTOLO, Luiz Roberto Agea; WENDHAVSEN, Aguéda, Lenita Pereira; BENITO, Glays Amélia Vélez. Competência dos profissionais da saúde para o trabalho interdisciplinar. Interface – Comunic, Saúde, Educ., v. 9, n. 18, p. 521-36, set./dez. 2005.

SCHERER, Magda Duarte Anjos; PIRES, Denise; SCHWARTZ, Yves. Trabalho coletivo: um desafio para a gestão em saúde. Rev. Saúde Pública, 43(4): 721-725, 2009.

SEGRE, Marco; FERRAZ, Flávio Carvalho. O conceito de saúde Rev. Saúde Pública, 31 (5), 1997. Disponível em: <www.scielosp.org/pdf/v31n3/2334.pdf>. Acesso em: 5 jul. 2011.

VASCONCELOS, Eymard Mourão. Educação popular nos serviços de saúde. São Paulo: Hucitec, 1997.

______. Educação popular: de uma prática alternativa a uma estratégia de gestão participativa das políticas de saúde. PHYSIS: Rev. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 14(1):67-83, 2004.

______. Surgimento, crise e redefinição da educação popular em saúde. (s.d.) Disponível em: <www.abrasco.org.br/grupos/arquivos/20070516222646.doc>. Acesso em: 1º jul. 2011.

Publicado
2014-11-25
Seção
Artigos