Currículo, necropolítica e política de afetos: o espaço-tempo do Projeto Africanidades

Palavras-chave: currículo, agência negra, pós-colonial

Resumo

Este trabalho tem como objetivo analisar a produção curricular do Projeto Africanidades, motivado pela Lei 10.639/2003. O Currículo Mínimo do Estado do Rio de Janeiro tem representado elementos norteadores que produzem uma agência negra totalizada e homogênea. Tal propensão se articula em um movimento necropolítico, cuja tentativa é direcionada a fixar sentidos a priori, tanto para negro quanto para currículo, fixando diferenças. Dificultando ações políticas antirracistas nas produções curriculares, no que tange à estrutura e agência, reforçando dicotomias, determinismos e significados postos. Diante desse panorama, com base em aportes teóricos pós-coloniais, argumento que todo currículo é híbrido e ambivalente, assim a Lei 10.639/2003 pode também performar currículos mais fluidos e enunciativos, em que a agência negra seja representada de forma descentrada e múltipla. Como a produção curricular do Projeto Africanidades, lócus enunciativo que se constitui como política de afetos, em que se negocia com temporalidades distintas através da arte, criando uma cesura temporal em que a agência negra se constitui como diferença.

Biografia do Autor

Luciane dos Santos Silva, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Doutoranda em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Mestra em Literatura Portuguesa e Africana pela UERJ. Graduada em Letras (Português-Literaturas) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ/UBM). Professora na Educação Básica na Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro (SEEDUC/RJ).

Referências

ALMEIDA, Marcus; SANCHEZ, Livia. Os negros na legislação educacional e educação formal no Brasil. Revista Eletrônica de Educação, São Paulo, v. 10, n. 2, p. 234-46, 2016.

ALMEIDA, Silvio Luiz. Racismo estrutural. São Paulo: Pólen, 2019.

BARROS, Surya Aaronovitch. História da educação da população negra: entre silenciamento e resistência. Revista Pensar a Educação, São Paulo, v. 4, n. 1, p. 3-29, jan./mar. 2018.

BHABHA, Homi. O local da cultura. Belo Horizonte: UFMG, 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei n. 10.639/2003 (lei ordinária), de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “história e cultura afro-brasileira” e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 10 jan. 2003. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm. Acesso em: 10 set. 2021.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Felix. O que é a filosofia? Tradução de Bento Prado Jr. e Alberto Alonso. São Paulo: Editora 34, 1992.

DOMINGUES, Petrônio. Movimento negro brasileiro: alguns apontamentos históricos. Tempo [online], Niterói, v. 12, n. 23, p. 100-22. 2007.

FIORIN, José Luiz. As astúcias da enunciação. São Paulo: Ática, 1996.

GOMES, Nilma Lino. O movimento negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis: Vozes, 2017.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.

KONDER, Leandro. O Marxismo da melancolia. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 2000.

LIMA, Fátima. Bio-necropolítica: diálogos entre Michel Foucault e Achille Mbembe. Arquivos Brasileiros de Psicologia, Rio de Janeiro, v. 70, n. especial, p. 20-33, 2018.

LOPES, Alice Cassemiro; MACEDO, Elizabeth. Teorias de currículo. Rio de Janeiro: Cortez, 2011.

MAAR, Wolfgang Leo. O que é política? São Paulo: Editora Brasiliense, 1994.

MACEDO, Elizabeth. Currículo, identidade e diferença. Rio de Janeiro: UERJ, 2014.

MACEDO, Elizabeth. Currículo e conhecimento: aproximações entre educação e ensino. Cadernos de Pesquisa, Rio de Janeiro, v. 42, n. 147, p. 716-37, 2012.

MACEDO, Elizabeth. Por uma política da diferença. Cadernos de Pesquisa, Rio de Janeiro, v. 36, n. 128, p. 327-56, maio/ago. 2006.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. São Paulo: N-1 Edições, 2019.

NOGUERA, Renato; ALVES, Luciana. Infâncias diante do racismo: teses para um bom combate. Revista Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 44, n. 2, [s.p.], 2019.

RIBEIRO, Adélia. A virada pós-colonial: experiências, trauma e sensibilidades. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, n. 123, p. 77-96, dez. 2020.

RIO DE JANEIRO (cidade). Governo do Estado do Rio de Janeiro. Secretaria de Estado de Educação. Currículo mínimo – confira orientações. Rio de Janeiro: Secretaria de Estado de Educação, 2012. Disponível em: https://seeduconline.educa.rj.gov.br/curr%C3%ADculo-b%C3%A1sico. Acesso em: 22 maio 2021.

SAFATLE, Vladimir. Circuito dos afetos: corpos políticos. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

SENGHOR, Leopold. Ce que l’homme noir apporte. Paris: Librairie Plon, 1939. (L’homme de Couleur).

SILVA, Geraldo; ARAÚJO, Marcia. Da interdição escolar às ações educacionais de sucesso: escolas dos movimentos negros. In: ROMÃO, Jeruse (Org.). História da educação dos negros e outras histórias. Brasília: Ministério da Educação, 2005.

SILVA, Tomaz Tadeu. Documentos de identidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.

SPINOZA, Benedictus. Ética. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

Publicado
2022-02-17
Como Citar
Silva, L. dos S. (2022). Currículo, necropolítica e política de afetos: o espaço-tempo do Projeto Africanidades. Série-Estudos - Periódico Do Programa De Pós-Graduação Em Educação Da UCDB, 26(58), 189-210. https://doi.org/10.20435/serie-estudos.v26i58.1598
Seção
Dossiê: Currículo, resistência e criação com as artes