Rousseau: educação infantil na "dependência das coisas”

  • Célia Maria Guimarães Universidade Estadual Paulista – Presidente Prudente, SP

Resumo

Este trabalho pretende alertar para o erro de reducionismo das idéias de Rousseau ao tomar sua proposta de ensino baseado na natureza e a educação pelas coisas para rotulá-lo como realista ou tendendo para o humanismo porque optou pela formação do homem. Sua contribuição para a revisão da concepção filosófica da infância e da educação infantil são merecedoras de discussão mais rigorosa. É possível dizer que a educação Rousseauniana da criança deve ser um meio de assegurar-lhe a aquisição de conhecimento, porém, capaz de produzir coisas úteis para ela. Existe na criança o desejo de produzir algo real que o ensino deve considerar através de práticas educativas que promovam o trabalho livre e criador baseado no princípio do prazer. Não exclui, mas coloca em plano secundário as técnicas baseadas na repetição e na assimilação dos manuais, dos livros e dos ensinamentos dos outros.

Biografia do Autor

Célia Maria Guimarães, Universidade Estadual Paulista – Presidente Prudente, SP
Mestre e doutoranda em Ensino na Educação Brasileira, da Universidade Estadual Paulista – Marília, SP. Professora do Departamento de Educação, da Universidade Estadual Paulista, em Presidente Prudente, SP.

Referências

COMENIUS, João Amos. Didática Magna. Lisboa, Calouste Gulbenkian, l966.

Do Contrato Social ou princípios de direito político. Trad. de Lourdes Santos Machado. São Paulo: Abril Cultural, l973.(Coleção Os Pensadores).

ROUSSEAU, Jean Jacques. Émile ou de L’éducation. Paris: Classiques Garnier, l951.

Publicado
2013-11-21
Seção
Artigos