Papel dos formadores, modelos e estratégias formativos no desenvolvimento docente

  • Ana Ignez Belém Lima Nunes Universidade Estadual do Ceará
  • João Batista Carvalho Nunes Universidade Estadual do Ceará

Resumo

Discutem-se o papel do formador na formação continuada e os modelos e estratégias formativos para o desenvolvimento docente. Parte-se da análise do papel do formador, situando a complexidade de conceituar esse termo, assim como as fragilidades ainda presentes em sua formação. Defende-se a ideia de que a coerência entre a formação desejada para os professores e a formação de seus formadores é um aspecto fundamental para promover o desenvolvimento docente. Em seguida, denotam-se diversos modelos e estratégias de formação continuada, com suporte na literatura científica e de estudos realizados pelos autores. Ao final, esboçam-se propostas para a melhoria da formação continuada desde a perspectiva do desenvolvimento docente, a serem implementadas pelos órgãos gestores e/ou pelas escolas.

Palavras-chave: Formação de formadores. Modelos e estratégias formativos. Desenvolvimento docente.

Biografia do Autor

Ana Ignez Belém Lima Nunes, Universidade Estadual do Ceará
Doutora em Ciências da Educação pela Universidade de Santiago de Compostela (Espanha). Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual do Ceará.
João Batista Carvalho Nunes, Universidade Estadual do Ceará
Doutor em Filosofia e Ciências da Educação pela Universidade de Santiago de Compostela (Espanha). Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual do Ceará.

Referências

ANDRÉ, M. Política de formação docente. In: Rosa, D. E. G.; Souza, V. C. (Orgs.). Políticas organizativas e curriculares, educação inclusiva e formação de professores. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. p. 9-22.

AVALOS, B. School-based teacher development. The experience of teacher professional groups in secondary schools in Chile. Teaching and Teacher Education, v. 14, n. 3, p. 257-271, 1998.

BELL, L.; DAY, C. Managing the professional development of teachers. Philadelphia: Open University Press, 1991.

BRASIL. Ministério da Educação. Referenciais para a formação de professores. Brasília: MEC, 2002.

Chao, M. A. R. Planificación da formación do profesorado en Galicia. Santiago de Compostela: Tórculo Ediciones, 1992.

Cunha, M. I. Impactos das políticas de avaliação externa na configuração da docência. In: Rosa, D. E. G.; Souza, V. C. (Orgs.). Políticas organizativas e curriculares, educação inclusiva e formação de professores. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. p. 39-56.

DIAS, A. M. I. et al. (Orgs.). Desenvolvimento profissional docente na educação superior. Fortaleza: Edições UFC, 2009.

Elliott, J. La investigación-acción en educación. Madri: Morata, 1997.

ESCUDERO, J. M. Consideraciones y propuestas sobre la formación permanente del profesorado. Revista de Educación, Madri, n. 317, p. 11-29, 1998.

FREITAS, H. C. L. A reforma do ensino superior no campo da formação dos profissionais da educação básica: as políticas educacionais e o movimento dos educadores. Educação e Sociedade, Campinas, 68, p. 17-44, 1999.

García, C. M. Introducción a la formación del profesorado: teoría y métodos. Sevilla: Universidad de Sevilla, 1989.

García, C. M. Formación del profesorado para el cambio educativo. Barcelona: PPU, 1994.

GARRIDO, E. Espaço de formação continuada para o professor coordenador. In: Bruno, E. B. G.; Almeida, L. R.; Christov, L. H. S. (Orgs.). O coordenador pedagógico e a formação docente. São Paulo: Loyola, 2000. p. 9-16.

HARGREAVES, A. Profesorado, cultura y postmodernidad: cambian los tiempos, cambia el profesorado. Madri: Morata, 1996.

HARGREAVES, A.; FULLAN, M. G. Introduction. In: ______ (Eds.). Understanding teacher development. London: Cassel, 1996. p. 1-19.

HUBERMAN, S. Cómo aprenden los que enseñan: la formación de los formadores. Buenos Aires: Aique, 1994.

I’ANSON, J.; RODRIGUES, S.; WILSON, G. Mirrors, reflections and refractions: the contribution of microteaching to reflective practice. European Journal Teacher Education, v. 26, n. 2, p. 189-200, 2003.

Imbernón, F. Conceptualización de la formación y desarrollo profesional del profesorado. In: Ferreres, V. S.; Imbernón, F. (Eds.). Formación y actualización para la función pedagógica. Madri: Síntesis Educación, 1999. p. 25-34.

Lanier, J. E.; Little, J. W. Research on teacher education. In: Wittrock, M. C. (Ed.). Handbook of research on teaching. 3. ed. New York: Macmillan, 1986. p. 527-569.

Laranjeira, M. I. et al. Referências para a formação de professores. In: Bicudo, M. A. V.; Silva Júnior, C. A. (Orgs.). Formação do educador e avaliação educacional: formação inicial e contínua. São Paulo: UNESP, 1999. p. 17-47. v. 2.

Lieberman, A.; Wood, D. Cuando los profesores escriben: sobre redes y aprendizajes. In: Lieberman, A.; Miller, L. (Eds.). La indagación como base de la formación del profesorado y la mejora de la educación. Barcelona: Octaedro, 2003. p. 209-224.

McCotter, S. S. Colaborative groups as professional development. Teaching and Teacher Education, v. 17, p. 685-704, 2001.

Nunes, A. I. B. L. La formación contínua en la política educativa: las prácticas anunciadas en el Estado de Ceará (Brasil). Trabalho de Investigação Tutelado – Universidade de Santiago de Compostela, Santiago de Compostela, 2000.

NUNES, A. I. B. L. A formação continuada de professores no Estado do Ceará: entre discursos e práticas. 2004. 712 p. Tese (Doutorado em Ciências da Educação) – Faculdade de Ciências da Educação, Universidade de Santiago de Compostela, Santiago de Compostela, 2004.

Nunes, J. B. C. A socialização do professor: as influências no processo de aprender a ensinar. 2001. 835 p. Tese (Doutorado em Filosofia e Ciências da Educação) – Faculdade de Ciências da Educação, Universidade de Santiago de Compostela, Santiago de Compostela, 2001.

Perrenoud, P. A prática reflexiva no ofício do professor: profissionalização e razão pedagógica. Porto Alegre: Artemed, 2002.

Ponte, J. P. Formação contínua: políticas, concepções e práticas. Aprender, n. 16, p. 11-16, 1994.

Ramos, R. Y. Formación permanente del profesorado: entre la cantidad e la calidad. In: Gómez, A. P.; Ruiz, J. B.; Rasco, J. F. A. (Orgs.). Desarrollo profesional del docente: política, investigación y práctica. Madri: Ediciones Akal, 1999. p. 208-255.

Rust, F. O. Professional conversations: new teachers explore teaching through conversation, story and narrative. Teaching and Teacher Education, v. 15, p. 367-380, 1999.

Santaella, C. M. Formación para la profesión docente. Granada: FORCE, 1998.

STATONATO, S. C. A formação dos formadores: uma análise do processo formativo. 2010. 109 p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Cidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

Vaillant, D. Formação de formadores: estado da prática. Rio de Janeiro: PREAL – Programa de Promoção da Reforma Educativa na América Latina e Caribe, 2009. 60 p. Relatório. Disponível em: <http://www.oei.es/docentes/articulos/formacion_formadores_ estado_practica_vaillant_portugues.pdf>. Acesso em: 12 jan. 2012.

Vaillant, D.; García, C. M. Las tareas del formador. Málaga: Ediciones Aljibe, 2001.

Valadares, J. M. O professor diante do espelho: reflexões sobre o conceito de professor reflexivo. In: Pimenta, S. G.; Ghedin, E. (Orgs.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez, 2002. p. 187-200.

Xunta de Galicia. Plano provincial de formação do professorado na Galícia (1998-1999). A Coruña: Xunta, 1999.

Zeichner, K. M. Connecting genuine teacher development to the struggle for social justice. Journal of Education for Teaching, v. 19, n. 1, p. 5-63, 1993.

Publicado
2013-12-17
Como Citar
Nunes, A. I. B. L., & Nunes, J. B. C. (2013). Papel dos formadores, modelos e estratégias formativos no desenvolvimento docente. Série-Estudos - Periódico Do Programa De Pós-Graduação Em Educação Da UCDB, (36). Recuperado de https://serie-estudos.ucdb.br/serie-estudos/article/view/699
Seção
Artigos