Chamada para Dossiê: “CURRÍCULO, RESISTÊNCIA E CRIAÇÃO COM AS ARTES”

2021-07-19

Ementa: A proposta deste dossiê “Currículos, resistência e criação com as artes” justifica-se pela necessidade do escape às orientações curriculares verticalmente orientadas. Nesse sentido, considerando o cotidiano escolar como o plano de imanência no qual as relações de poder, macro e micropoliticamente, atuam nos corpos coletivos, potencializando uma vida em composição com forças heterogêneas, o dossiê busca argumentar “os espaçostempos” e a ordem institucional que tomam corpo e possibilitam a constituição de coletivos articulados em ações éticas, estéticas e políticas, produzindo ações múltiplas e diversificas dos “praticantespensantes”.

O dossiê busca, ainda, questionar os conceitos e as práticas pelas quais os corpos que habitam e/ou atravessam os cotidianos escolares são qualificados, passando pelas forças e fluxos que os modelam e criam resistência e/ou fuga ao previamente estabelecido e aos processos recognitivos a que são submetidos, produzindo criações potentes. Entre essas forças, destacamos a arte literária, fílmica, fotográfica, pictórica, etc., como potencializadora de “aprendizagensensinos cognitivas, afetivas e políticas. Objetiva, portanto, debater os possíveis de currículos – menos baseados em processos de recognição – produzidos por meio de modos coletivos de conversação e criação de docentes e discentes vividos no plano de experimentação de uma micropolítica ativa com os cotidianos escolares em sua relação com a potencialização de aprendizagens de estudantes e docentes, utilizando o cinema, a literatura, a pintura, a fotografia, o grafite, o bordado, entre outros, para a problematização dos clichês e surgimento de movimentos de pensamento que apreendam “aprendizagensensinos política e coletivamente articuladas.

Em síntese, o dossiê visa, por meio do agenciamento com as forças que configuram o diagrama curricular de escolas de educação básica, envolver a multiplicidade de pensamentos e desejos e pensar diferencialmente os processos curriculares em criações tanto de estudantes quanto de docentes, mediante as relações que vão sendo engendradas e potencializadas pelos signos artísticos.