O uso do calendário socioecológico na estruturação do currículo das escolas indígenas: uma proposta interdisciplinar e intercultural

  • Cleunice de Barros Nunes Escola Estadual Indígena Kuhinãn, Aldeia Rancharia, Território Indígena Xakriabá, Minas Gerais
  • Juarez Melgaço Valadares Faculdade de Educação/UFMG
  • Célio da Silveira Júnior Faculdade de Educação/UFMG
Palavras-chave: currículo escolar, interculturalidade, calendário socioecológico.

Resumo

Neste trabalho, analisamos a trajetória de um grupo de professores indígenas da etnia Xakriabá, que vivem no Norte de Minas Gerais, e que, nos últimos anos, tem se voltado para a incorporação e valorização da sua cultura no currículo de suas escolas. Como instrumento teórico-metodológico, esses professores têm se amparado no Calendário Socioecológico proposto por Gasché. A partir das entrevistas realizadas com dois professores, buscamos os limites e as possibilidades que vivenciaram ao longo desse processo: Que conteúdos construíram para o currículo, a partir do uso do calendário socioecológico? Que dificuldades encontraram? Por meio de uma abordagem qualitativa, procuramos apreender a dinâmica, a complexidade e o desenrolar da trama curricular na escola, a partir dos significados atribuídos por seus atores ao cumprimento da tarefa. Apoiados no referencial do francês René Kaës, buscamos os impasses vividos e as saídas encontradas pelos professores, de forma a aprofundar nosso conhecimento sobre a função social da escola para os povos indígenas. As respostas obtidas nos evidenciaram as dificuldades de se incorporar a “cultura indígena” em articulação com os saberes acadêmicos. Conclusões importantes sobre os desafios na implementação de experiências curriculares inovadoras são mencionadas, bem como são indicados alguns impactos para a formação docente.

Biografia do Autor

Cleunice de Barros Nunes, Escola Estadual Indígena Kuhinãn, Aldeia Rancharia, Território Indígena Xakriabá, Minas Gerais
Docente da Escola Estadual Indígena Kuhinãn, Aldeia Rancharia,Território Indígena Xakriabá, Minas Gerais. Graduação em Licenciatura em Formação Intercultural para Educadores Indígenas (Área CVN) / UFMG.
Juarez Melgaço Valadares, Faculdade de Educação/UFMG
Docente da Faculdade de Educação da UFMG. Docente do Mestrado Profissional Educação e Docência/FaE/UFMG. Graduação em Licenciatura em Física / UFMG. Mestrado em Ensino de Ciências/USPDoutorado em Educação/USP. Pós-Doutorado PPGEd/UFRN. 
Célio da Silveira Júnior, Faculdade de Educação/UFMG
Docente da Faculdade de Educação da UFMG. Graduação em Licenciatura em Química / UFMG. Mestrado em Educação/UFMG. Doutorado em Educação/UFMG.  

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Federal de Educação. Parecer 13/2012. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Indígena. Diário Oficial da União, Brasília, Seção 1, página 18, 2012.

CUNHA, M. C. Políticas culturais e povos indígenas: uma introdução. In: CUNHA, M. C.; CESARINO, P. N. (Org.). Políticas culturais e povos indígenas. 1. ed. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014. p. 9 -21.

D’ANGELIS, W.R. Contra a ditadura da escola. In: GRUPIONI, L. D. B (Org.). Formação de professores indígenas: representado trajetórias. Brasília: SECADI, 2006.

EL-HANI, C. N; SEPÚLVEDA, C. Referenciais teóricos e subsídios metodológicos para a pesquisa sobre as relações entre educação científica e cultura. In: SANTOS; F. M. T; GRECA, I. M. A pesquisa em ensino de ciências no Brasil e suas metodologias. Ijuí, RS: Ed. Unijuí, 2006.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 1982.

GASCHÉ, J. ¿Qué son ‘saberes’ o ‘conocimientos’ indígenas, y qué hay que entender por ‘diálogo’? In: PÉREZ, C.; ECHEVERRI, J. A. (Ed.). Memorias 1er Encuentro Amazónico de Experiencias de Diálogo de Saberes. Leticia, 10 al 12 de noviembre de 2008. Leticia: Editorial Universidad Nacional de Colombia, 2010.

GOMES, A. M. R.; MIRANDA, S. A. A formação de professores indígenas na UFMG e os dilemas das culturas Xakriabá e Pataxó. In: CUNHA, M. C.; CESARINO, P. N. (Org.). Políticas culturais e povos indígenas. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014. p. 455-83.

GUTIERREZ, A. L. G. Notas conceituais sobre a relação entre justiça curricular e currículo intercultural. In: LOPES, A. C.; ALBA, A. (Org.). Diálogos curriculares entre Brasil e México. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2014.

KAËS, R. Os espaços psíquicos comuns e partilhados: transmissão e negatividade. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2005.

MACEDO, E. Currículo, cultura e diferença. In: LOPES, A. C.; ALBA, A. (Org.). Diálogos curriculares entre Brasil e México. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2014.

Publicado
2017-07-28
Seção
Artigos