O sentido do trabalho educativo no campo social

  • Karine Santos Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Marilene Alves Lemes Universidade do Vale do Rio dos Sinos
Palavras-chave: campo social, práticas educativas, ONGs

Resumo

O cenário contemporâneo em que se apresentam as organizações não governamentais tem sido visualizado como um campo fértil para o estudo das práticas educativas desenvolvidas no campo social. Essas organizações incluem um conjunto de entidades diversas em concepções, metodologias de trabalho, entendimentos da política pública e do direito. Estão envoltas em uma multiplicidade de intenções, fazendo com que suas práticas permeiem um campo nebuloso, difícil, inclusive, de serem explicadas por quem as desenvolve. Com o objetivo de conhecer a dimensão educativa dessas práticas, analisamos entrevistas e memórias de encontros com trabalhadores sociais, procurando responder à seguinte questão: que tipo de orientações coletivas e visões de mundo emergem das práticas desenvolvidas por profissionais que atuam em ONGs? As reflexões empreendidas neste estudo nos fazem inferir que tais práticas estão impregnadas de intencionalidades, ora emancipatórias, ora conformatórias.

Palavras-chave: campo social, práticas educativas, ONGs.

Biografia do Autor

Karine Santos, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Pedagoga, Doutora em Educação. Professora da Faculdade deEducação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Pesquisadora no Coletivo de Educação Popular e Pedagogia Social (CEPOPES).

Marilene Alves Lemes, Universidade do Vale do Rio dos Sinos
Pedagoga. Doutoranda em Educação. Universidade do Vale do Riodos Sinos (Unisinos). Pesquisadora no Coletivo de Educação Popular e PedagogiaSocial (CEPOPES).

Referências

ABRANCHES, S.; SANTOS, W. G.; COIMBRA, M. Política social e a questão da pobreza. Rio de Janeiro: Zahar, 1987.

BAPTISTA, Eduardo. ONGs: planejamento ou estratégia? São Paulo: Nova Pesquisa, 2000.

BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Campus, 2004.

BOURDIEU, Pierre. Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é educação? 1. ed., 57. reimp. São Paulo: Brasiliense, 1981.

BRASIL. Lei Federal n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília, 1990.

______. Lei Federal n. 8.742, de 7 de dezembro de 1993. Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS). Brasília, 1993.

______. Ministério de Desenvolvimento Social e Combate a Fome. Caderno de Orientações. Serviço de Proteção Integral à Família e Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos. Articulação necessária na Proteção Social Básica. Brasília: SNAS, 2015.

______. Ministério de Desenvolvimento Social e Combate a Fome. Perguntas frequentes: Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos. Versão atualizada. Brasília, mar. 2015.

COSTA, Antônio Carlos Gomes. Por uma pedagogia da presença. São Paulo: Secretaria da Educação do Estado de São Paulo. Diretoria de Ensino - Região São Vicente, 1991. Disponível em: <http://www.dersv.com/POR%20UMA%20PEDAGOGIA%20DA%20PRESENCA.pdf>. Acesso em: jan, 2015.

FALCONER, Andres Pablo. A promessa do terceiro setor: um estudo sobre a construção do papel das organizações sem fins lucrativos e de seu campo de gestão. São Paulo: USP, 1999.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 41. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

______. Política e educação. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

______. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

______. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

GARCIA, Valéria Aroeira. Educação não-formal: do histórico ao trabalho local. In: PARK, M. B. (Org.). Memória, patrimônio, meio ambiente, formação de educadores. Campinas, SP: Centro de Memória da Unicamp; Mercado de Letras, 2003. p. 123-146.

HAAS, Francisco. Política social como política pública. Revista da Escola Superior Dom Helder Câmara - Veredas do Direito, Belo Horizonte, v. 1, n. 3, jan./dez. 2004. Disponível em: <http://www.domtotal.com/direito/pagina/detalhe/23688/politica-social-como-politica-publica>. Acesso em: fev. 2016.

IVO, Anete Brito Leal. A reconversão do social: dilemas da redistribuição no tratamento focalizado. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 18, n. 2, 2004. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/spp/v18n2/a07v18n2.pdf>. Acesso em: jan. 2016.

LANDIM, L. A invenção das ONGs: do serviço invisível à profissão sem nome. Rio de Janeiro: Museu Nacional; UFRJ, 1993.

MACHADO, Evelcy Monteiro; MACHADO, Larissa Monteiro. O campo de trabalho do educador social escolar e não escolar na organização da pedagogia social no Brasil. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO, 25.; CONGRESSO ÍBERO-AMERICANO DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO, 2., 26-30 abril 2011, São Paulo. Anais... São Paulo: Anpae, 2011. Disponível em: <http://www.anpae.org.br/simposio2011/cdrom2011/PDFs/trabalhosCompletos/comunicacoesRelatos/0181.pdf>. Acesso em: jan. 2016.

MARTINS, José de Souza. Exclusão social e a nova desigualdade. São Paulo: Paulus, 1997.

MELUCCI, Alberto. A invenção do presente: movimentos sociais nas sociedades complexas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.

MONTAÑO, Carlos. Terceiro setor e questão social: crítica ao padrão emergente de intervenção social. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

OLIVEIRA, Francisco. Das invenções à indeterminação. In: OLIVEIRA, Francisco; RIZEK, Cibele Saliba (Org.). A era da indeterminação. São Paulo: Boitempo, 2007. p. 15-48.

OLIVEIRA, Anna Cynthia; HADDAD, Sérgio. As organizações da sociedade civil e as ONGs de educação. Revista Cadernos de Pesquisa, n. 112, p. 61-83, mar. 2001.

PARK, M. B.; SIEIRO, R. F. (Org.). Educação não-formal: contextos, percursos e sujeitos. Campinas, SP: Editora Setembro, 2005.

PEREIRA, Potyara Amazoneida Pereira. Discussões conceituais sobre política social como política pública e direito de cidadania. In: BOSCHETTI, I. et al. (Org.). Política social no capitalismo: tendências contemporâneas. São Paulo: Cortez, 2008.

RODRIGUES, Marta M. Assumpção. Jornal Folha de São Paulo, em 20 de fevereiro de 2010. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/folha/livrariadafolha/ult10082u696239.shtml>. Acesso em: fev. 2016.

ROMANS, M.; TRILLA, J.; PETRUS, A. Profissão educador social. Porto Alegre: Artes Médicas, 2003.

SEVERO, José Leonardo Rolim de Lima. Educação não escolar como campo de práticas pedagógicas. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 96, n. 244, p. 561-576, set./dez. 2015.

ÚCAR, Xavier. El trabajador social entre la complejidad social y las profesiones de lo social. In: RODRIGUEZ, A.; RAYA, E. E. (Coord.). Una europa socialy plural. In: CONGRESO ESTATAL DE ESCUELAS UNIVERSITARIAS DE TRABAJO SOCIAL, 7., Granada, 2008. Anais... Espanha: Universidad de Granada, 2010.

VIEIRA, Evaldo. Democracia e política social. São Paulo: Cortez; Autores Associados, 1992.

ZUCCHETTI, Dinora Tereza; MOURA, Eliana Perez Gonçalves de. Prática socioeducativa e formação de educadores: novos desafios no campo social. Revista Ensaio: Avaliação Política Pública Educação, Rio de Janeiro, v. 18, n. 66, p. 9-28, jan./mar. 2010.

Publicado
2016-09-12
Seção
Dossiê