Condições de trabalho docente no Brasil e na Espanha: considerações a partir da pesquisa TALIS (OECD-2009)

  • Rose Meri Trojan Universidade Federal do Paraná
  • Sonia Regina Landini Universidade Federal do Paraná

Resumo

Propõe-se, neste artigo, apresentar um breve panorama sobre alguns aspectos relacionados às condições de trabalho oferecidas pelas escolas aos docentes, publicado em 2009 no relatório TALIS (Teaching and Learning International Survey), programa de pesquisa desenvolvido pela OECD. Sem a pretensão de esgotar as análises comparativas, a finalidade é ressaltar os resultados do Brasil e da Espanha. Em primeiro lugar, destacam-se algumas considerações sobre os limites e a abrangência de pesquisas dessa natureza, bem como sua interferência na proposição de políticas educacionais. Em seguida, foram selecionados alguns aspectos relevantes do ambiente escolar para identificar a magnitude dos problemas relatados, posicionando os dois países selecionados em relação aos resultados gerais apresentados no relatório.

Palavras-chave

Políticas educacionais. Condições de trabalho docente. Educação comparada.

Biografia do Autor

Rose Meri Trojan, Universidade Federal do Paraná

Doutora em Educação. Professora da Universidade Federal do Paraná.

Sonia Regina Landini, Universidade Federal do Paraná
Doutora em Educação. Professora da Universidade Federal do Paraná.

Referências

BONAMINO, Alicia; COSCARELLI, Carla; FRANCO, Creso. Avaliação e letramento: Concepções de aluno letrado subjacentes ao SAEB e ao PISA. Educação e Sociedade, Campinas, v. 23, n. 81, p. 91-113, 2002.

BRESSOUX, Pascal. As pesquisas sobre o efeito-escola e o efeito-professor. Educação em Revista, Belo Horizonte, n. 38, p. 17-88, 2003.

CARNOY, Martin; GOVE, Amber K.; MARSHALL, Jeffery H. A vantagem acadêmica de Cuba: por que seus alunos vão melhor na escola. São Paulo: Ediouro, 2009.

CASASSUS, Juan. Reforma Educacional na América Latina no contexto da globalização. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 114, p. 7-28, 2001.

FERRER JULIÁ, Ferran. Presentación del monográfico. PISA: aportaciones e incidencia sobre las políticas educativas. Revista Española de Educación Comparada, Madrid, n. 19, p. 11-16, 2012.

GABINETE DE ESTATÍSTICA E PLANEJAMENTO DA EDUCAÇÃO – GEPE. Ministério da Educação. Acerca do TALIS. Brasília, 2012. Disponível em: <http://www.gepe.min-edu.pt/np4/660.html>. Acesso em: 15 mar. 2012.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Banco de dados: países, 2010. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/paisesat/main.php>. Acesso em: 18 mar. 2012.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP). Ações Internacionais. Brasília: MEC/INEP, [200-]. Disponível em: <http://portal.inep.gov.br/apresentacao>. Acesso em: 17 jan. 2011.

______. Pesquisa TALIS: histórico e resultados. Brasília: INEP, 2009. <http://portal.inep.gov.br/web/talis/historico-e-resultados>. Acesso em: 17 jan. 2011.

______. Resultados Preliminares PISA 2009. Brasília: MEC/INEP, 2010. Disponível em: <http://www.inep.gov.br/internacional/novo/PISA/resultados.htm>. Acesso em: 17 jan. 2011.

KLEIN, Rubens. Uma re-análise do PISA: problemas de comparabilidade. Ensaio - Pesquisa em Educação em Ciências, Rio de Janeiro, v. 19, n. 73, p. 717-742, out./dez. 2011.

MONTERO MESA, Lourdes. Profesores y profesoras en un mundo cambiante: el papel clave de la formación inicial. Revista de Educación, Madri, ano LXVI, n. 340, p. 117-140, maio/ago. 2006. Disponível em: <www.revistaeducacion.mec.es>. Acesso em: 29 set. 2009.

ORGANIZACIÓN DE ESTADOS IBEROAMERICANOS (OEI). 2010. Evaluación Educativa. Disponível em: <http://www.oei.es/evaluacioneducativa/eval_nacionales.htm>. Acesso em: 5 nov. 2009.

ORGANIZATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT (OECD). Le rôle crucial des enseignants: attirer, former et retenir des enseignants de qualité. Paris: OECD, 2005. Disponível em: <http://www.oecd.org/edu/teacherpolicy>. Acesso em: 30 set. 2009.

______. PISA 2006: Science Competencies for Tomorrow’s World. Paris: OECD, 2007. Disponível em: <http://www.pisa.oecd.org/dataoecd/30/17/39703267.pdf>. Acesso em: 30 out. 2009.

______. Education at a Glance – OECD Indicators 2008. Paris: OECD, 2008a. Disponível em: <http://www.oecd.org/dataoecd/16/56/41262163.pdf>. Acesso em: 5 nov. 2009.

______. No More Failures: Ten Steps to Equity in Education. Paris: OECD, 2008b. Disponível em: <http://www.oecd.org/document>. Acesso em: 30 out. 2009.

______. TALIS: Teaching and Learning International Survey. Paris: OECD, 2009. Disponível em: <www.oecd.org/edu/talis>. Acesso em: 30 set. 2009.

TROJAN, Rose Meri. Educação Básica e Formação Docente em Cuba: Prós e Contras. Jornal de Políticas Educacionais, Curitiba, NUPE, v. 2, n. 3, p. 53-64, 2008. Disponível em: <http://www.jpe.ufpr.br/n3_5.pdf>. Acesso em: 15 mar. 2012.

______. Políticas educacionais na América Latina e os impactos da globalização. In: SOUZA, A. R; GOUVEIA, A. B; TAVARES, T. M. (Orgs.). Políticas educacionais: conceitos e debates. Curitiba: Appris, 2011a. p. 37-66.

______. Políticas de formación de profesores secundarios en España y en Brasil: estudio comparado sobre tendencias de mercado en el contexto institucional. Revista Española de Educación Comparada, Madrid, n. 18, p. 333-356, 2011b.

Publicado
2013-12-17
Seção
Artigos