Que conhecimentos sobre Ciências ensinamos na Educação de Jovens e Adultos e quais poderíamos ensinar?

  • Graziela Del Monaco
  • Emilia Freitas de Lima UFSCar

Resumo

Este ensaio problematizou a seguinte questão: quais conhecimentos de ciências são trabalhados na modalidade Educação de Jovens e Adultos (EJA) e qual a influência de tais conhecimentos na formação dessas pessoas? Para tanto, inicialmente foram apresentados um breve panorama a respeito da situação dessa modalidade de ensino atualmente no Brasil e, em seguida, os marcos teóricos sobre currículo e ensino de ciências que embasaram as análises subsequentes. A partir da análise de artigos e documentos oficiais que versam sobre o currículo da EJA e, mais especificamente, sobre os conhecimentos de ciênciasa serem trabalhados nessa modalidade de ensino, foram realizadas reflexões acerca dos conhecimentos que poderiam compor os currículos de EJA de modo que as pessoas que a frequentam tenham maiores condições de transcender a realidade à qual estão submetidas e possam se tornar mais autônomas, solidárias, críticas (re)criadoras de sua história individual e coletiva.

Biografia do Autor

Graziela Del Monaco
Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos, SP.
Emilia Freitas de Lima, UFSCar
Profa. Dra. do Departamento de Teorias e Práticas Pedagógicas da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos, SP.

Referências

APPLE, M. W. Ideologia e Currículo. 3. ed. São Paulo: Artmed, 2006.

BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Fundamental. Proposta curricular para a educação de jovens e adultos: segundo segmento do Ensino Fundamental – 5a a 8a séries. Brasília: MEC/SEF, 2002.

______. Parecer CNE 11/2000: Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Brasília: Câmara de Educação Básica, 2000.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Documento Nacional Preparatório à VI Conferência Internacional de Educação de Adultos (VI CONFINTEA). Brasília, DF, 2009. 112p.

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A.; PERNAMBUCO, M. M. Ensino de Ciências: fundamentos e métodos. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

DI PIERRO, M. C. (Coord.). Seis anos de educação de jovens e adultos no Brasil: os compromissos e a realidade. São Paulo: Ação Educativa, 2003. Disponível em: <http://www.acaoeducativa.org.br/portal>. Acesso em: 18 ago. 2009.

______. Balanço e desafios das políticas públicas de educação de jovens e adultos no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. p. 27-43. (Col. Didática e Prática de Ensino).

FERNÁNDEZ, I. et al. Visiones deformadas de la ciencia transmitidas por la enseñanza. Enseñanza de las ciencias. Historia y epistemología de las ciências, Barcelona, 20 (3), p. 477-488, 2002.

FREIRE, P. À sombra desta mangueira. São Paulo: Olho D’Água, 1996. 120p.

______. Educação como prática da liberdade. 8. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978. 158p.

______. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 35. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2007. 146p.

FREITAS, D. A perspectiva curricular Ciência, Tecnologia e Sociedade – CTS – no ensino de ciências. In: PAVÃO, A. C.; FREITAS, D (Orgs.). Quanta ciência há no ensino de ciências. São Carlos: EdUFSCar, 2008. p. 229-239.

GOODSON, I. F. Currículo: teoria e história. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2001. 140p.

KAWAKAMI. E. A. Educação de Jovens e Adultos no ensino médio: a implementação da telessala sob o olhar avaliativo dos alunos. 2007. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Departamento Psicologia e Educação, Ribeirão Preto, 2007.

MENDES, A. S. A.; CAMPOS, L. M. L. Materiais didáticos como facilitadores dos processos de ensino e aprendizagem: o ensino de ciências naturais na educação de jovens e adultos. 2005. Disponível em: <http://www.unesp.br/prograd/PDFNE2005/artigos/capitulo%2010/materiaisdidaticos.pdf>. Acesso em: 17 ago. 2009.

OLIVEIRA, I. B. de. Reflexões acerca da organização curricular e das práticas pedagógicas na EJA. Educar, Curitiba, n. 29, p. 83-100, 2007.

SILVA, C. C.; GASTAL, M. L. Ensinando ciências e ensinando a respeito das ciências. In. PAVÃO, A. C.; FREITAS, D. (Orgs.). Quanta ciência há no ensino de ciências. São Carlos: EdUFSCar, 2008.

SAVIANI, D. A nova lei da educação: trajetória, limites e perspectivas. 3. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 1998. 242p.

SIQUEIRA, J. T. F.. A educação de jovens e adultos e as políticas públicas: algumas considerações. In: GUSTASACK, F.; VIEGAS, M. F.; BARCELOS, V. (Orgs.). Educação de jovens e adultos: saberes e fazeres. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2007. p. 84-114.

VILANOVA, R.; MARTINS, I. Educação em ciências e educação de jovens e adultos: pela necessidade do diálogo entre campos e práticas. Ciência & Educação, v. 14, n. 2, p. 331-346, 2008.

Publicado
2013-05-31
Seção
Artigos