A comunidade científica em educação: uma abordagem crítica

  • Carlos Roberto Massao Hayashi UFSCAR
  • Amarilio Ferreira Jr. UFSCAR

Resumo

A comunidade científica é um mundo estruturado e hierarquizado. As normas são impostas, ­implicitamente ou não, aos pesquisadores que a constituem. Neste artigo ensaiamos uma abordagem sociológica da comunidade científica em educação. Diferentes trabalhos em sociologia da ciência foram consagrados à comunicação científica, mostrando como o ato de publicar é fonte de benefícios materiais e simbólicos, e notadamente de reconhecimento pelos pares. Apresentamos a abordagem da comunidade científica com base no modelo de acumulação de crédito científico proposto por Bourdieu, na teoria da credibilidade e da legitimidade científica de Latour e Woolgar e na noção de “colégio invisível” proposta por Solla Price. Enfocamos o papel das revistas científicas e da avaliação pelos pares nesse processo. Tecemos ­considerações sobre a comunidade de pesquisa­dores em educação que se organizam em grupos de pesquisa e o papel da avaliação dos resultados da comunicação científica realizada pelos pesquisadores da área que se consolida em sua produção científica.

Biografia do Autor

Carlos Roberto Massao Hayashi, UFSCAR


Referências

Axt, Margarete. O pesquisador frente à avaliação na pós-graduação: em pauta novos modos de subjetivação. Psicologia e Sociedade, v.16, n.1, p.69-85, 2004.

Bacon, Francis. Novum Organum ou verdadeiras indicações acerca da interpretação da natureza; Nova Atlântida. 2.ed. Trad. José Aluysio Reis de Andrade. São Paulo: Abril Cultural, 1979, p.233-272. (Os pensadores)

Ben-Romdhane, Mohamed. Analyse des publications sicentifiques: caractéristiques, structures et languages. Lyon: ENSSIB, 1996. (Note de synthese). Disponível em: <www.enssib.br/bibliotheque/documents/dea/nsromdane.pdf>. Acesso em: fev. 2004.

Bourdieu, Pierre. O campo científico. In: Ortiz, Renato (Org.). Pierre Bourdieu: sociologia. São Paulo: Ática, 1983. Cap.4, p.122-155. (Grandes cientistas sociais, 39).

Buffa, Ester; Nosella, Paolo. Os estudos sobre instituições escolares: um balanço crítico. In: Congresso Luso-Brasileiro de História da Educação, 6, 2006, Uberlândia. Percursos e desafios da pesquisa e do ensino de história da educação. Uberlândia: UFU, 2006. p.418.

Chartron, Ghislaine. Nouveaux modèles pour la communication scientifique? Journées SFSCIC-ENSSIB, Villeurbanne, 19-20 novembre, 1997. Disponível em: <http://web.ccr.jussieu.fr/urfist/enssibv2.htm>. Acesso em: fev. 2004.

Cunha, Marcus Vinícius da. A educação no período Kubitschek: os Centros de Pesquisa do INEP. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v.83, n.203/204/205, p.127-140, jan./dez.2002.

Day, Robert A. How to write & publish a scientific paper. 5ed. Phoenix: The Oryx Press; 1998.

Gatti, B. A pesquisa em educação: pontuando algumas questões metodológicas. Nas Redes da Educação: revista eletrônica do LITE/FE/Unicamp, Campinas, outubro 2003. Disponível em: <http://www.lite.fae.unicamp.br/revista/gatti.html>. Acesso em: fev. 2004.

Godin, Benoît. Les pratiques de publication des chercheurs: les revues savantes québécoises entre impact national et visibilité internationale. Recherches Sociographiques, v.43, n.3, p.465-498, 2002.

Guédon, Jean-Claude. In Oldenburg’s long shadow: librarians, research scientists, publishers, and the control of scientific publishing. Proceedings of the 138th Annual Meeting of the Association of Research Libraries, Toronto, Ontário, 23-25 may, 2001. Disponível em: <http://www.arl.org/arl/proceedings/138/guedon.html>. Acesso em: fev. 2004.

Guimarães, Reinaldo; Lourenço, Ricardo; Cosac, Silvana. A pesquisa em epidemiologia no Brasil. Revista de Saúde Pública, v.35, n.4, p.321-40, 2001.

Hobsbawn, Eric. A era dos extremos: o breve século XX: 1914-1991. Trad. de Marcos Santarrita. 2.ed. São Paulo: Cia. das Letras, 1995.

Latour, Bruno. Le métier de chercheur: regard d’un anthropologue Paris: INRA, 1994.

Latour, Bruno; Woolgar, Steve. A vida de laboratório: a produção dos fatos científicos. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1997.

Mayor, Federico. Oppening Adress. Joint ICSU Press/Unesco Expert Conference on Electronic Publishing in Science, Paris, 19-23 february, 1996. Disponível em: <http://www.library.uiuc.edu/icsu/dgspeech.htm>. Acesso em: fev. 2004.

Meadows, A J. A comunicação científica. Trad. de Agenor Briquet de Lemos. Brasília: Briquet de Lemos, 1999.

Merton, Robert K. La estructura normativa de la ciencia (1942). In: La sociología de la ciencia, v.2. Madrid: Alianza, 1973.

Nietzsche, Friedrich. Humano, demasiadamente humano: um livro para espíritos livres. Primeiro volume (1878). In: Obras incompletas. 2.ed. Trad. Rubens Rodrigues Torres Filho. São Paulo: Abril Cultural, 1978, p.83-119. (Os pensadores)

Pignard, Nathalie. Les enjeux économiques et scientifiques de la publication sur Internet des revues de physique. Grenoble: Université Sthendal, 1999.

______. Les nouvelles formes de publication scientifique sur Internet: la remise en cause du modèle éditorial traditional. Grenoble: Université Sthendal, 2000. (DEA de Sciences de l´Information et de la Communication).

Prado, Shirley D.; Sayd, Jane Dutra. A pesquisa sobre envelhecimento humano no Brasil: grupos e linhas de pesquisa. Ciência & Saúde Coletiva, v.9, n.1, p.57-68, 2004.

Price, Derek de Solla. Little Science, Big Science, New York: Columbia University Press, 1969.

Vanti, Nadia Aurora Peres. Da bibliometria à webliometria: uma exploração conceitual dos mecanismos utilizados para medir o registro da informação e o avanço do conhecimento. Ciência da Informação, v.31, n.2, p.152-162, maio/ago.2002.

Vieira, Carlos Eduardo. Anísio Teixeira e a pesquisa em educação no Brasil: ensaio sobre o processo de formação do campo. Série-Estudos, Campo Grande-MS, n.15, p.167-178, jan./jun.2003.

Publicado
2013-06-11
Seção
Ponto de Vista