Formação política e profissional: um desafio do Núcleo de Ensino Profissional Livre Nova Piratininga (1979-1996)

  • Maria Inês Paulista UNINOVE
  • Carlos Bauer UNINOVE

Resumo

O presente artigo visa a investigar a formação política e profissional dos trabalhadores do Núcleo de Ensino Profissional Livre Nova Piratininga desde sua fundação nos anos de 1979, época da ditadura militar do Brasil e seu percurso até o ano de 1996. O objetivo principal é verificar a concepção de formaçãoa dotada pela instituição fundada por um grupo de sindicalistas que fazia oposição ao sindicato metalúrgico estabelecido. Ela oferecia cursos profissionalizantes apoiado em conhecimentos técnicos, formação política e ensino acadêmico aos trabalhadores. A formação do trabalhador exige um nível de especialização e de análise crítica da sociedade na busca da identificação das demandas sociais que constituem o centro de sua prática. Assim, pretendemos reconstituir a trajetória desta escola e de seus principais agentes, através do contexto histórico. As fontes orais com as narrativas de trabalhadores e professores que vivenciaram esse processo da criação, e a documentação oficial, permitiram resgataras principais tendências, dentre as quais focalizam a resistência política e as mudanças ocorridas na formação dos novos militantes que possuíam, como principal preocupação, os ideais de uma sociedade mais justa e democrática.

Biografia do Autor

Maria Inês Paulista, UNINOVE
Programa de Pós-Graduação em Educação da UniversidadeNove de Julho (PPGE/UNINOVE).
Carlos Bauer, UNINOVE
Programa de Pós-Graduação em Educação da UniversidadeNove de Julho (PPGE/UNINOVE).

Referências

ALMEIDA, José Maria. Os sindicatos e a luta contra a burocratização. São Paulo: Sundermann, 2007.

ALTHUSSER, Louis. Os aparelhos ideológicos do Estado. Rio de Janeiro: Graal, 1983.

ANTUNES, Ricardo. Classe operária, sindicatos e partido no Brasil. São Paulo: Ensaio/Cortez, 1982.

______. Crise e poder. São Paulo: Cortez/Autores Associados, 1984.

______. A rebeldia do trabalho. Campinas: Ed. da Unicamp/Ensaio, 1988.

______. O novo sindicalismo. São Paulo: Brasil Urgente, 1991.

ARAUJO FILHO, Manoel Pereira de. Núcleo de Ensino Profissional Livre Nova Piratininga. Participante da Oposição Sindical Metalúrgica de São Paulo. São Paulo, 22 fev. 2011. Entrevista concedida a Maria Inês Paulista. (Gravada e transcrita).

ASSIS, Leonildo de. Núcleo de Ensino Profissional Livre Nova Piratininga. Participante da Oposição Sindical Metalúrgica de São Paulo. São Paulo, 11 fev. 2011. Entrevista concedida a Maria Inês Paulista. (Gravada e transcrita).

BAUER, Carlos. Contribuição para a história dos trabalhadores brasileiros. São Paulo: Edições Pulsar, 1995. Volume II – A hegemonia vermelha.

BOFF, Leonardo. E a Igreja se fez povo. São Paulo: Círculo do Livro, 1986.

BATISTONI, Maria Rosangela. Entre a fábrica e o sindicato: dilemas da oposição sindical metalúrgica de São Paulo (1967-1987). 2001. Tese (Doutorado em Serviço Social) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2001.

BOSSAM, Sueli. Núcleo de Ensino Profissional Livre Nova Piratininga. Participante da Oposição Sindical Metalúrgica de São Paulo. São Paulo, 25 nov. 2010. Entrevista concedida a Maria Inês Paulista. (Gravada e transcrita). Série-Estudos... Campo Grande, MS, n. 35, p. 13-xx, jan./jun. 2013. 153

CATANI, Afrânio Mendes. O que é capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 2004.

CHAVES, Marcelo. Núcleo de Ensino Profissional Livre Nova Piratininga. Participante da Oposição Sindical Metalúrgica de São Paulo. São Paulo, 14 jan. 2011. Entrevista concedida a Maria Inês Paulista. (Gravada e transcrita).

GÓES, Marina Piza de Sampaio. Educação popular: a experiência do Conselho de Escolas de Trabalhadores. 2001. 130f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de São Paulo, 2001.

GOHN, Maria da Glória. O protagonismo da sociedade civil: movimentos sociais, ONGs, e redes solidárias. São Paulo: Cortez, 2005.

______. História dos movimentos e lutas sociais. São Paulo: Loyola, 2003.

______. Educação e movimentos sociais. 3. ed. São Paulo: Cortez, 1999.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001. Vol. II.

______. A concepção dialética da história. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1996.

LOUREIRO, Isabel (Org.). Socialismo ou barbárie. Rosa de Luxemburgo no Brasil. São Paulo: Instituto Rosa de Luxemburgo Stiftung, 2008.

LUKÁCS, Georg. História e consciência de classe: estudos sobre a dialética marxista. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

______. O capital. Edição condensada. Tradução Gesner de Wilton Morgado. Rio de Janeiro: Melso, 1978.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Feuerbach. Oposição das concepções materialistas e idealistas. Lisboa: Avante, 1982.

______. Manifesto do Partido Comunista. São Paulo: Sundermann, 2009.

______. Para a crítica da Economia Política. Prefácio. Lisboa: Avante, 1982.

MARX; ENGELS. LENIN, TROTSKY. O marxismo e os sindicatos. São Paulo: Sundermann, 2008.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom. Manual de história oral. 4. ed. São Paulo: Loyola, 2002.

MOCHCOVITCH, Luna Galano. Gramsci e a escola. São Paulo: Ática, 1988.

MORAES, Carmem Sylvia Vidigal. Instrução “popular” e ensino profissional: uma perspectiva histórica. In: VIDAL, Diana Gonçalves; HILSDORF, Maria Lúcia Spedo (Orgs.). Brasil 500 anos: tópicas em História da Educação. São Paulo: Edusp, 2002.

NOSELLA, Paolo. Por que mataram Santo Dias: quando os braços se unem à mente. São Paulo: Cortez, 1980.

SADER, Eder. Quando novos personagens entram em cena. São Paulo: Paz e Terra, 1988.

THOMPSON, E. P. A formação da classe operária. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987. v. 1. A árvore da liberdade; v. 2. A maldição de Adão; v. 3. A força dos trabalhadores.

THOMPSON, Paul. A voz do passado: história oral. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

Publicado
2013-05-27
Seção
Artigos