Docência, amor e gênero em pesquisas brasileiras do século XXI: implicações curriculares

Palavras-chave: docência, amor, gênero

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar um conjunto de dez pesquisas realizadas em Programas de Pós-Graduação brasileiros neste início do século XXI que abordam o tema do amor em sua relação com a Educação. Ancorado nos Estudos em Docência e nos Estudos de Gênero de uma perspectiva pós-estruturalista, parte do questionamento sobre como o gênero atravessa e dimensiona o par docência e amor nas pesquisas e quais as implicações para a formação docente a partir da perspectiva do currículo como percurso e como produtor de modos de ser docente. Articulando análises de duas pesquisas de doutorado desenvolvidas na região sul do Brasil, vinculadas a um projeto de pesquisa mais amplo, em um Programa de Pós-Graduação em Educação, examina o conjunto de pesquisas, organizando-as em três grupos e operando com o conceito-ferramenta gênero, articulado ao par docência e amor. Tal articulação possibilita mostrar a coexistência de, pelo menos, três perspectivas para compreender o par docência e amor: uma mais polarizada acusa ou acata o amor como marca histórica da docência e como atributo feminino; a segunda perspectiva desconsidera uma docência generificada; e a terceira amplia a compreensão de amor como uma marca generificada ligada ao sexo. Ao final, defende-se o argumento de que é necessário abordar o par docência e amor de forma intencional e deliberada nos currículos dos cursos de formação de docentes.

Biografia do Autor

Miriã Zimmermann da Silva, Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos
Doutoranda e mestre em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), na linha de pesquisa Currículo, Formação de Professores e Práticas Pedagógicas. Graduada em Pedagogia pela mesma Universidade. Bolsista CAPES/PROEX e integrante do Grupo Interinstitucional de Pesquisa em Docências, Pedagogias e Diferenças (GIPEDI/Unisinos/CNPq).
Renata Porcher Scherer, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense - IFSul
Doutora e mestre em Educação, especialista em Educação Especial e graduada em Educação Física pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos). Licenciada em Pedagogia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).  Integra o Grupo Interinstitucional de Pesquisa em Docências, Pedagogias e Diferenças (GIPEDI/CNPq).
Maria Cláudia Dal'Igna, Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos
 Doutora em Educação. Professora do Curso de Pedagogia e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos). Vice-líder do Grupo Interinstitucional de Pesquisa em Docências, Pedagogias e Diferenças (GIPEDI/Unisinos) e docente pesquisadora do Grupo de Estudos de Educação e Relações de Gênero (GEERGE/UFRGS/CNPq). 

Referências

ALMEIDA, Vanessa Sievers de. Amor mundi e educação: reflexões sobre o pensamento de Hannah Arendt. 2009. 193p. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

ALMEIDA, Verônica Domingues. Poli[amor]fia: paisagens da docência. 2017. 269f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2017.

ANDRADE, Sandra Mara Santos de. Representações sociais dos estudantes dos cursos de licenciaturas sobre seus bons professores. 2010. 147f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Católica de Santos, Santos, SP, 2010.

BIESTA, Gert. Há a necessidade de (re)descobrir o ensino? In: FABRIS, Elí Henn; DAL’IGNA, Maria Cláudia; SILVA, Roberto Rafael Dias da (Org.). Modos de ser docente no Brasil contemporâneo: articulações entre pesquisa e formação. São Leopoldo: Oikos, 2018. p. 21-8.

CAETANO, Letícia Faria. “No que você está pensando?”: o discurso do mal-estar docente produzido no Facebook e a fabricação dos modos de ser professor na contemporaneidade. 2017. 135f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande, RS, 2017.

CAMPOS, Jameson Ramos. “Era um sonho desde criança”: a representação social da docência para os professores do município de Queimadas-PB. 2008. 173f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2008.

CARVALHO, Rodrigo Saballa de. A invenção do pedagogo generalista: problematizando discursos implicados no governamento de professores em formação. 2011. 302f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

CARVALHO, Marília Pinto de. Ensino, uma atividade relacional. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n. 11, p. 17-32, maio/ago. 1999.

DAL’IGNA, Maria Cláudia. A produção de sentidos sobre afeto, amor e cuidado na formação inicial docente sob a perspectiva de gênero. 2017-2021. Projeto de Pesquisa. – PPGEDU/UNISINOS, São Leopoldo, 2017.

DAL’IGNA, Maria Cláudia; KLEIN, Carin; MEYER, Dagmar Estermann. Generificação das práticas curriculares: uma abordagem feminista pós-estruturalista. Currículo sem Fronteiras, v. 16, n. 3, p. 468-87, set./dez. 2016.

FABRIS, Elí Henn; DAL’IGNA, Maria Cláudia. Nenhuma escola está imune às ondas de violência e conservadorismo. [entrevista]. IHU On-Line, São Leopoldo, RS, ano XVII, n. 516, p. 56-61, 4 dez. 2017.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. São Paulo: Vozes, 2014.

MAZAI, Norberto. Natureza e educação natural em Rousseau. 2008. 71f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, RS, 2008.

MEYER, Dagmar Estermann. Gênero e educação: teoria e política. In: LOURO, Guacira et al. Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012. p. 9-27.

NICHOLSON, Linda. Interpretando o gênero. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 8, n. 2, p. 9-41, 2000.

PEREIRA, Marcos Villela. Estética da professoralidade: um estudo crítico sobre a formação do professor. Santa Maria, RS: Editora UFSM, 2016.

PEREIRA, Nilton Mullet. História de amor na educação freiriana: a Pedagogia do Oprimido. 2004. 241f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2004.

PEREZ, Judith dos Santos. Representações sociais de trabalho docente por professores atuantes dos anos iniciais do ensino fundamental: a relação entre os papéis e as práticas. 2017. 154f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro, 2017.

ROLDÃO, Maria do Céu. Função docente: natureza e construção do conhecimento profissional. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 12, n. 34, p. 94-103, jan./abr. 2007.

SCHERER, Renata Porcher. A desfeminização do magistério: uma análise da literatura pedagógica brasileira da segunda metade do século XX. 2019. 200f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, RS, 2019.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre, RS, v. 20, n. 2, p. 71-99, jul./dez. 1995.

SILVA, Edileide Maria Antonino da. Amo em ti mais do que a ti: transferência de amor ao saber entre professor e aluno. 2017. 230f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade do Estado da Bahia, Salvador, 2017.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

VASCONCELOS, Michele de Freitas Faria de; SEFFNER, Fernando. A pedagogia das políticas públicas de saúde: norma e fricções de gênero na feitura de corpos. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 44, p. 261-297, jun. 2015.

VEIGA-NETO, Alfredo. Currículo e espaço. Salto para o futuro. In: BRASIL. Currículo: conhecimento e cultura. Brasília: MEC, 2009.

Publicado
2019-12-04
Seção
Dossiê: Gênero e Sexualidade: lutas no currículo em tempos de novos mapas políticos e culturais